diário

O homem que conhecia todo mundo

Um cultor e patrono da arte moderna circula pelos ateliês, mesas e salões da Belle Époque

Harry Graf Kessler
Kessler usava seu diário mais para descrever minuciosamente o que via e ouvia nos salões de Berlim, Londres e Paris do que para falar de si; fez a crônica de um tempo de mudanças vertiginosas
Kessler usava seu diário mais para descrever minuciosamente o que via e ouvia nos salões de Berlim, Londres e Paris do que para falar de si; fez a crônica de um tempo de mudanças vertiginosas FOTO: HUGO ERFURTH, DRESDEN_1909_DEUTSCHES LITERATURARCHI, MARBACH_ TEXTO PUBLICADO SOB PERMISSÃO DA EDITORA KLETT-COTTA VERLAG

Ele ajudou a fazer a máscara mortuária de Friedrich Nietzsche, recebeu de Paul Verlaine a última lembrança que o poeta guardava do amante Arthur Rimbaud, encomendou duas gravuras a um miserável Edvard Munch, que depois pintou seu retrato, comemorou com Vaslav Nijinsky a estreia de Sagração da Primavera, partilhou a mesa com praticamente toda a vanguarda artística e literária da Belle Époque. O CONDE HARRY CLÉMENT ULRICH KESSLER considerava-se um cidadão europeu numa época em que o otimismo com o avanço técnico (telefone, cinema, automóvel, avião) convivia no continente com as rivalidades nacionais que levariam à Primeira Guerra Mundial.

Kessler herdou o título de conde do pai, um banqueiro alemão. Sua mãe vinha de uma família de altos funcionários do Império Britânico. Ele nasceu em Paris, passou a adolescência em Londres, e usou sua fortuna para difundir e financiar a arte moderna. Na Alemanha, desafiou o conservadorismo da aristocracia imperial como fundador da Associação dos Artistas, membro do conselho editorial da revista Pan e diretor do Museu de Artes e Ofícios de Weimar. Aristocrata ele próprio, homossexual e oficial orgulhoso da reserva do Exército, editor, escritor, dândi, boêmio e diplomata, Kessler era tudo isso e ao mesmo tempo um observador irônico dos diferentes mundos que frequentava. Ele manteve um diário por 57 anos, até sua morte em 1937. As anotações de 1880 a 1914 só foram encontradas em 1983, quando da abertura de um cofre que Kessler alugara na ilha de Mallorca, na Espanha, onde se refugiou do nazismo. O conjunto ocupa nove volumes em alemão (Harry Graf Kessler, das Tagebuch), dos quais foram traduzidos os trechos a seguir.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Harry Graf Kessler

Harry Graf Kessler (1868–1937) foi diplomata alemão. Licenciado pela editora Klett-Cotta Verlag.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana