vultos da cultura

O irmão brasileiro

A busca de Chico Buarque em Berlim

Fernando de Barros e Silva
Chico vê muitas semelhanças entre o irmão alemão e o pai Sérgio Buarque: o cigarro sem filtro, a posição do braço dobrado nas costas, “o sorriso meio falso” em situações sociais
Chico vê muitas semelhanças entre o irmão alemão e o pai Sérgio Buarque: o cigarro sem filtro, a posição do braço dobrado nas costas, “o sorriso meio falso” em situações sociais FOTO: FERNANDO DE BARROS E SILVA_2014

Quando Chico Buarque chegou ao restaurante, sua família alemã já o aguardava. A sobrinha, Kerstin Prügel, e a filha dela, Josepha Prügel, acenaram através da janela ao notar o tio brasileiro do lado de fora. Levantaram e foram até a porta para recebê-lo. De batom vermelho e vestido preto, Kerstin abriu um sorriso e apontou logo para o pescoço, exibindo o vistoso colar de pedras vermelhas que Chico havia lhe dado um ano antes. Sua fisionomia denunciava que era uma Buarque de Holanda. Diante dela, lembrei-me imediatamente do que o escritor havia dito: “Kerstin tem aquela cara espichada, que é da família do meu pai, Mango Kopf.” “Cabeça de manga” era invenção dele. “Mas só faço neologismo em alemão, porque em português é fácil, até o Guimarães Rosa faz”, brincou.

Além das duas, estavam à mesa o marido de Kerstin, Michael, e a mãe dela, Monika Knebel, uma senhora miudinha de 75 anos, olhos claros, cabelos bem pretos em estilo Chanel e expressão zangada. Monika fora casada durante quase uma década com Sergio Günther – a figura ausente que unia a todos naquela celebração improvável. Pai de Kerstin e avô de Josepha, Günther era o filho que o historiador Sérgio Buarque de Holanda teve em 1930 e não chegou a conhecer, o irmão alemão de Chico Buarque, cuja busca inspirou o romance lançado no fim do ano.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Fernando de Barros e Silva

Repórter da piauí e apresentador do Foro de Teresina. Foi diretor de redação da revista entre 2011 e 2020

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena