questões da pós-verdade

O negacionismo no poder

Como fazer frente ao ceticismo que atinge a ciência e a política

Tatiana Roque
A crise de confiança na ciência abre espaço para o negacionismo climático em um momento crítico, quando se torna urgente ampliar a mobilização social em torno da agenda ambiental
A crise de confiança na ciência abre espaço para o negacionismo climático em um momento crítico, quando se torna urgente ampliar a mobilização social em torno da agenda ambiental ILUSTRAÇÃO: JOEL PETTS_2009_ TRIBUNE CONTENT AGENCY_TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

“Que aquecimento global é esse?”, questionou o deputado federal Eduardo Bolsonaro num vídeo que gravou para o YouTube em 2018, durante o inverno nos Estados Unidos. Vestindo um gorro de lã e diante de um cenário tomado pela neve, o filho Zero Três do presidente da República manifestou seu espanto com o frio, que lhe parecia desmentir a mudança climática alardeada pelos cientistas e pela imprensa. Concluiu com um conselho para seus seguidores: “Não deixe que o discurso, principalmente dos globalistas, matéria em cima de matéria, jogando essa mentira para vocês, que ela reste sedimentada como verdade [sic].”

O raciocínio ignorou que a ocorrência de invernos rigorosos em algumas localidades não é incompatível com o aumento da temperatura média da superfície do planeta – que está cerca de 1ºC mais alta do que era antes da Revolução Industrial. A suposta “mentira” denunciada por Eduardo Bolsonaro é endossada por praticamente todos os pesquisadores que se dedicam à análise do clima global. Um estudo do geólogo americano James Powell publicado no final do ano passado concluiu que, dentre os mais de 11 mil artigos científicos publicados sobre mudança climática entre janeiro e julho de 2019, não havia um único sequer que contestasse que o planeta está ficando mais quente por causa dos gases de efeito estufa lançados na atmosfera por atividades humanas.

A atitude do deputado reflete a descrença com que o conhecimento científico vem sendo tratado por alguns setores do governo e da sociedade. Até pouco tempo atrás, quando queríamos sustentar uma afirmação sem argumentar demais, bastava dizer: “É comprovado cientificamente.” Mas essa tática já não tem mais a mesma eficácia, pois a confiança na ciência está diminuindo. Vivemos hoje um clima de ceticismo generalizado, uma descrença nas instituições que favorece a disseminação de negacionismos, encampados por governos com políticas escancaradamente anticientíficas. É o caso de Donald Trump, que está tirando os Estados Unidos do Acordo de Paris, pelo qual quase duzentos países haviam se comprometido em 2015 a tentar conter os prejuízos causados pelo aquecimento global; e de Jair Bolsonaro, que também comanda um governo contrário às ações para combater a mudança climática.

Algumas pesquisas confirmam a crise de confiança que atinge, ao mesmo tempo, a ciência e a política. O fenômeno da pós-verdade – esse momento que atravessamos no qual fatos objetivos têm menos influência na opinião pública do que crenças pessoais – é um sintoma extremo dessa crise. Muita gente não enxerga que a ciência, assim como a política, existe para beneficiar a sociedade. E esse desencanto produz um terreno fértil para movimentos anticiência e teorias da conspiração (além de fomentar extremismos). A pós-verdade, assim, não designa apenas o uso oportunista da mentira (embora ele seja frequente). O termo sinaliza, acima de tudo, um ceticismo quanto aos benefícios das verdades que costumavam compor um repertório comum, o que explica certo desprezo por evidências factuais usadas na argumentação científica. Diante disso, contradizer argumentos falsos exibindo fatos reais pode ter pouca relevância em uma discussão. Evidências e consensos científicos têm sido facilmente contestados com base em convicções pessoais ou experiências vividas – como se viu no vídeo de Eduardo Bolsonaro e como se percebe todos os dias nas redes sociais.



 

No mundo todo, as pessoas vêm manifestando uma confiança apenas moderada na ciência, mesmo nas nações mais ricas. Nos países com renda de média para alta – grupo em que o Brasil se enquadra –, 54% dos habitantes confiam medianamente na ciência. O resultado foi obtido pelo Wellcome Global Monitor, um levantamento britânico de 2018 que investigou como a população de mais de 140 países se posiciona em relação a questões de ciência e saúde.

O resultado mais interessante é a correlação entre a desconfiança na ciência e o descrédito de outras instituições: quem duvida do conhecimento científico geralmente desconfia também dos governos, das Forças Armadas ou da Justiça. Além disso, pesa bastante o modo como a população percebe o impacto dos resultados científicos em sua vida cotidiana: pessoas que afirmam ter uma existência confortável confiam mais na ciência do que aquelas que se dizem em dificuldades. Obviamente, a exposição à ciência durante o percurso escolar e o acesso aos meios de comunicação são determinantes para gerar confiança no conhecimento científico. Mas fatores como a distribuição de renda também entram na equação: sociedades mais desiguais tendem a desconfiar mais da ciência.

Você acha que a ciência o beneficia pessoalmente ou beneficia a maioria da sociedade? Quem respondeu “não” foi classificado como “cético”. No Brasil, esse grupo representa 23% da população. Um resultado alarmante, em sintonia com a média da América do Sul, onde dois em cada cinco habitantes percebem uma desconexão entre ciência e sociedade – e isso independentemente de sua faixa de renda. Em nosso continente, a taxa de confiança nas instituições é bem menor do que em outras partes do mundo, o que se reflete num maior descrédito na ciência, em hospitais e clínicas médicas.

Mesmo em países de renda alta, pessoas que dizem ter uma vida difícil têm probabilidade três vezes maior de serem céticas do que aquelas que alegam viver em condições confortáveis. Ou seja, a atitude das pessoas em relação à ciência parece estar ligada aos benefícios tangíveis em suas vidas cotidianas. E o ceticismo é estimulado pela percepção de uma distância entre os resultados da ciência e os problemas enfrentados no dia a dia. Esse é o alerta mais importante, tanto para cientistas quanto para políticos.

A ciência e a tecnologia vão aumentar o número de empregos na sua localidade? “Não, de jeito nenhum” foi a resposta de 42% dos mil brasileiros pessoalmente entrevistados durante a pesquisa, resultado que ajuda a explicar a desconfiança. Mesmo que uma parcela de igual tamanho tenha dito que a ciência e a tecnologia podem criar empregos, é significativa a descrença de que trarão soluções para demandas urgentes.

O fundamentalismo religioso tem inquietado o meio intelectual. Com razão, pois 75% dos entrevistados dizem que, quando a ciência discorda de sua religião, seguem a orientação religiosa. Essa tendência é influenciada pela importância crescente da religião na vida cotidiana de muitas pessoas. O pertencimento à comunidade religiosa gera confiança, fazendo com que pastores, padres ou irmãos de fé sejam mais ouvidos do que figuras públicas, políticos ou cientistas.

A pesquisa mostrou ainda que um terço dos brasileiros não confia muito nos funcionários das organizações não governamentais, sendo que quase metade da população confia apenas em alguns deles. Nos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros atacaram frontalmente as ONGs, principalmente as que atuam na área ambiental, insinuando que poderiam estar por trás das queimadas na Amazônia ou do derramamento de óleo que atingiu as praias do Nordeste. A desconfiança nas ONGs ajuda a entender por que essas alegações sem fundamento não motivaram grande indignação junto à sociedade.

No meio de tantas notícias ruins, um resultado positivo: 80% dos brasileiros acham que as vacinas são seguras. Uma explicação possível é o sucesso das políticas públicas de vacinação, ao menos até 2018. É apenas um palpite, mas ações governamentais bem-sucedidas podem estar conseguindo convencer a população de que instituições, governos e cientistas, nesse caso, trabalham em prol do bem-estar da sociedade. Ainda assim, não podemos baixar a guarda: nos últimos anos, o índice de cobertura vacinal contra várias doenças vem caindo, e o sarampo, que havia sido erradicado do Brasil no passado, voltou em 2019. Ainda falta compreender melhor os fatores por trás desse fenômeno, mas ele talvez indique que movimentos antivacina estejam, neste exato momento, conquistando mais adeptos.

Uma lição a ser tirada dos dados é que precisamos de mais diálogo, melhores estratégias de convencimento e iniciativas de divulgação científica abertas à autocrítica. Não basta defender a ciência a partir de posições de autoridade, calcadas na superioridade ou na neutralidade do saber científico. Sustentar uma verdade afirmando apenas que “é comprovada cientificamente” pode reforçar a indiferença ou mesmo gerar irritação.

 

Talvez o efeito mais deletério da crise de confiança seja o de abrir espaço para o negacionismo climático. Coincidência ou não, a desconfiança atinge a ciência em um momento crítico, quando se torna urgente ampliar a mobilização social em torno da agenda ambiental. Se quisermos cumprir o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento do planeta a 1,5ºC ou no máximo 2ºC em relação ao período pré-industrial, temos que agir com firmeza desde já.

Admitir a verdade científica sobre a causa humana do aquecimento global implica em transformações radicais na economia e na política, o que exige rever atitudes cristalizadas em nossos modos de vida. Hábitos de consumo e locomoção, padrões alimentares, perspectivas de futuro para os filhos, tudo isso precisa mudar. Como convencer as pessoas de que algum sacrifício vale a pena sem oferecer a elas garantias de que todas essas mudanças poderão criar um mundo melhor? Sem enxergar benefícios tangíveis em suas vidas cotidianas, aqui e agora, as pessoas provavelmente continuarão desconfiadas. E a negação pode se tornar uma alternativa tentadora. Sobretudo porque o negacionismo não se apresenta como tal, e sim travestido de “polêmica”.

Há três décadas, uma ação concertada de organizações negacionistas tenta contestar verdades produzidas pela ciência do clima. Em outubro de 2019, a House of Representatives – o equivalente à Câmara dos Deputados nos Estados Unidos – instalou uma comissão para investigar campanhas que visavam desacreditar afirmações científicas sobre o aquecimento global, bancadas pela indústria do petróleo. Por mais expressivos que sejam os recursos investidos nessas campanhas, seu alcance não pode ser explicado exclusivamente pelos interesses econômicos e políticos dos responsáveis. Talvez apenas hoje possamos medir os efeitos do novo tipo de propaganda inventado na época.

Os “mercadores da dúvida” começaram a agir nos anos 1990, quando se consolidava o consenso sobre o papel do dióxido de carbono e outros gases de origem humana no agravamento do efeito estufa (o termo vem de Merchants of Doubt, um livro essencial sobre o negacionismo climático lançado em 2010 por Naomi Oreskes e Erik M. Conway e sem edição brasileira – a obra inspirou também um documentário homônimo). Naquela década, publicavam-se pesquisas confirmando o alarme e reuniões mundiais buscavam soluções comuns (como a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, a Eco-92, realizada no Rio de Janeiro). Essas iniciativas geraram fatos políticos inéditos, produzindo convergência entre adversários – incluindo democratas e republicanos, nos Estados Unidos – em torno da necessidade de combater as causas do aquecimento global.

O consenso incomodava principalmente um setor: as empresas de petróleo, maiores responsáveis pelo efeito estufa. Essas empresas não deixaram barato e adotaram a única estratégia possível para frear o consenso científico que se consolidava: semear a dúvida. O mesmo tipo de propaganda já tinha sido usado pela indústria do cigarro, nos anos 1950, ao tentar disfarçar como polêmica o consenso científico sobre as doenças causadas pelo tabaco. Como era impossível negar o aquecimento global antrópico, a única saída era travesti-lo de controvérsia. Profissionais treinados para polemizar com cientistas conseguiram espaço na mídia, explorando o condicionamento dos jornalistas a “ouvir os dois lados” envolvidos em questões contenciosas. De verdade inconveniente, o aquecimento global antrópico acabou associado na opinião pública a uma “controvérsia” que nunca houve entre os climatologistas.

O debate não era honesto, pois tais campanhas difamavam lideranças da causa ambiental e autores de estudos sérios sobre o efeito estufa, que chegaram a ter suas vidas devastadas. Nesse contexto, surgiu a alcunha de “melancia” para acusar ambientalistas de serem “verdes por fora e vermelhos por dentro”. A brincadeira não foi inócua: de modo jocoso, disseminou-se a acusação de que ecologistas famosos eram, no fundo, comunistas disfarçados. A suspeita fez com que alguns cientistas verdadeiros – especialistas em áreas distantes da climatologia, mas engajados na missão anticomunista – aderissem ao negacionismo climático. Eram poucos, mas ajudaram a legitimar a comunidade dos autodenominados “céticos do clima”. Disseminava-se um argumento similar ao que tem sido defendido por Jair Bolsonaro: sob o disfarce das causas verdes, haveria um complô internacional para diminuir a liberdade de escolha dos cidadãos e o poder de empresas que os beneficiam, pois produzem riquezas e garantem uma posição soberana para o país. No Brasil de hoje, supostos integrantes desse complô ganharam o apelido de “globalistas”.

 

É impressionante o número de ingredientes da atual crise da verdade que já estavam presentes na estratégia dos mercadores da dúvida: falsa simetria na argumentação científica (“ouvir os dois lados”); acusação de complô comunista; proliferação de think tanks para diminuir o poder de universidades e centros científicos legítimos; teorias conspiratórias; formação de especialistas por meio do manejo de mídias alternativas. Nem sempre a atuação dos negacionistas teve sucesso. Na Wikipédia, “aquecimento global” e “mudanças climáticas” alinham-se hoje com os termos estabelecidos pela ciência. Ainda assim, na versão em português houve editores que tentaram apresentar o consenso como controvérsia, o que ainda se nota em verbetes menos acessados, conforme mostrou um estudo feito por Bernardo Esteves, repórter da piauí, e Henrique Cukierman, pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Seria exagero dizer que movimentos anticientíficos estejam ganhando o debate. Mas seria autoengano, por outro lado, negligenciar o quanto eles têm minado consensos sobre agendas e políticas públicas. Embora venha sendo fomentado há tempos, o negacionismo ganhou espaço inédito em governos de extrema direita ao redor do mundo. Obviamente, o caráter oficial amplifica seu poder de convencimento. Só que esses governos contam com um apoio razoável da população, que parece não se incomodar com afirmações e atitudes flagrantemente anticientíficas de seus líderes.

O caso do Brasil é exemplar. Uma pesquisa do Datafolha divulgada em dezembro passado mostra que Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente que não considera o aquecimento global um problema prioritário para sua pasta, é considerado ótimo ou bom por 27% dos entrevistados, e regular por 38%. Os números são altos, principalmente depois das queimadas na Amazônia e do vazamento de óleo em nossa costa, sem nenhum plano de contenção à altura. No geral, mantém-se um patamar razoável de aprovação a ministros caricatos, que nos surpreendem a cada dia com declarações absurdas.

A crise de confiança pode ajudar a explicar a indiferença dessa parcela da população em relação à veracidade das declarações de quadros do governo. Não é que tantas pessoas acreditem no que eles dizem, é que boa parte delas não se importa. A fragilização do tecido social e das instituições abre espaço para um ceticismo generalizado, que se traduz em rejeição ao “sistema” como um todo. É nesse terreno fértil que atitudes negacionistas podem proliferar e conquistar mais apoio. Lideranças conservadoras garantem poder político dialogando com o sentimento de deboche que acompanha o ceticismo. Mas, além da descrença, o cético se caracteriza por uma predisposição constante para a dúvida. Assim, a estratégia torna-se ainda mais eficaz quando posicionamentos políticos aparecem disfarçados como “controvérsias”. Há uma ironia nesse fenômeno, pois o “ceticismo” produzido artificialmente, mero eufemismo usado pelos negacionistas, pode se disseminar mais facilmente ao repercutir um ceticismo real. No caso do meio ambiente, as consequências de não interromper desde já a ampliação da esfera de influência de opiniões anticientíficas, mesmo quando parecem apenas suscitar dúvidas, são especialmente preocupantes, pois serão irreversíveis.

No Brasil, é mais do que óbvio que a ascensão da extrema direita tem relação direta com o negacionismo climático, alçado a política de Estado por Jair Bolsonaro. Não faltam exemplos de ações que corroboram esse diagnóstico. Durante a campanha, Bolsonaro prometeu tirar o Brasil do Acordo de Paris, a exemplo do que Trump fizera nos Estados Unidos, com base no temor tão antiquado quanto infundado de internacionalização da Amazônia. O presidente voltou atrás dessa decisão, mas nomeou um ministro do Meio Ambiente que flerta com think tanks negacionistas norte-americanos e um chanceler que considera o aquecimento global (ou “climatismo”, como ele prefere dizer) um complô de inspiração marxista. Em agosto, o presidente pediu a cabeça de Ricardo Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), por divulgar dados corretos sobre a explosão do desmatamento na Amazônia – no fim do ano, o anúncio da taxa anual divulgada pelo próprio Inpe deu razão a Galvão, com um aumento de quase 30%, o maior registrado neste século. O negacionismo não se restringiu à Esplanada dos Ministérios: em 2019, parlamentares da base de apoio de Bolsonaro convocaram para uma audiência no Senado pesquisadores que contestam o aquecimento global antrópico, embora não tenham trabalhos relevantes publicados sobre o tema e nem sejam reconhecidos como autoridade por especialistas.

Se em países como Estados Unidos, Austrália e Reino Unido o negacionismo climático é alimentado por agentes financiados pela indústria dos combustíveis fósseis, no Brasil é principalmente o agronegócio que ajuda a disseminar as contestações à ciência do clima. Trata-se justamente do setor econômico que mais contribui para o aquecimento global em nosso país: juntos, o desmatamento e a agropecuária que se instala nas terras destituídas de sua cobertura vegetal respondem por dois terços de todos os gases do efeito estufa emitidos pelo Brasil.

O agrônomo Evaristo de Miranda, chefe da Embrapa Territorial, conseguiu espalhar o argumento falso de que a extensão da floresta deixa pouco espaço para a agropecuária. Unidades de conservação, áreas indígenas, assentamentos de reforma agrária e florestas preservadas em imóveis rurais inviabilizariam o desenvolvimento nacional. Além disso, pitadas conspiratórias tornam seu argumento sedutor: a agenda ambiental vigente seria parte de um plano de países desenvolvidos para expandir suas próprias economias agrícolas, bloqueando o potencial competitivo do Brasil nesse setor. As inverdades na argumentação de Miranda já foram amplamente denunciadas (veja, por exemplo, o vídeo Fatos Florestais, produzido pelo Observatório do Clima). Ainda assim, o pesquisador da Embrapa tornou-se o braço direito de Jair Bolsonaro e conselheiro intelectual de Ricardo Salles, que aceitou o posto de ministro depois que o próprio Miranda declinou o convite para ocupá-lo.

Luiz Carlos Molion, meteorologista aposentado da Universidade Federal de Alagoas e um dos mais conhecidos negacionistas brasileiros, no ano passado fez uma série de palestras sobre a Amazônia e o clima global promovida pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC), que também o convidou para falar no Senado. Bittar é o mesmo que propôs, junto com o senador Flavio Bolsonaro, o filho Zero Um do presidente, um projeto de lei para acabar com a reserva legal prevista no Código Florestal – a área das propriedades rurais que os produtores são obrigados a manter preservada (o projeto foi retirado pelos proponentes meses depois). Molion se vale de mentiras há muito desacreditadas pela ciência do clima – como a de que o aquecimento é provocado por fatores naturais como os ciclos da atividade solar –, que o público leigo não detecta por serem apresentadas com verniz científico, amparadas por gráficos e jargões técnicos.

Outro negacionista conhecido no Brasil, o geógrafo Ricardo Felicio, da Universidade de São Paulo, ganhou popularidade com uma entrevista que deu em 2012 a Jô Soares, que não contestou seus disparates sobre a mudança climática. Hoje Felicio defende, em diversos veículos da imprensa, que o aquecimento global é uma discussão meramente ideológica. Em 2018, o professor da USP se candidatou à Câmara dos Deputados pelo PSL, mas não se elegeu.

Jair Bolsonaro, seus ministros e sua base de apoio no Congresso reforçam, a cada dia, o poder dessa rede de conselheiros, com papel essencial na conquista de um público amplo que endosse escolhas políticas desastrosas.

Todo esse plano pode parecer invencível se olharmos apenas para o lado conspiratório. Vale a pena lembrar, porém, que estratégias apoiadas no ceticismo frutificam em um tecido social desgastado. Não fosse isso, mesmo com dinheiro, think tanks, falsos cientistas, robôs ou influenciadores digitais treinados, a repercussão poderia ser mais restrita. A prova é que esses “cientistas” negacionistas já atuam há tempos, mas não causavam tanto estrago. O pulo do gato da extrema direita foi vampirizar a desconfiança de parte considerável da opinião pública para legitimar governantes com posições anticientíficas e inserir o negacionismo na máquina estatal.

 

Como agir diante disso? Antes de tudo, é importante notar que o desinteresse é o problema principal. Não existe – ainda? – uma adesão maciça ao anticientificismo: as pessoas querem ser mais ouvidas e ter suas razões consideradas. Por isso, é um péssimo começo de conversa apontar a ignorância ou a crença religiosa como culpadas pela crise da verdade.

Uma pesquisa feita no Brasil em 2019 indica que a ciência ainda tem crédito junto à população, mas a desconfiança está aumentando. O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, comparou a opinião de diferentes estratos sociais, analisando também sua evolução no tempo.

A ciência e a tecnologia trazem mais malefícios ou benefícios para a humanidade? Somando as pessoas que responderam “só benefícios” com as que disseram “mais benefícios do que malefícios”, o total é de 72%. E esse percentual não muda significativamente quando focamos nos estratos de rendas mais baixas. No entanto, mesmo que seja importante manter algum otimismo, não podemos relaxar. Entre 2015 e 2019, o percentual de “só benefícios” caiu muito (de 53% para 30%), ao mesmo tempo em que aumentou o percentual dos que dizem trazer “mais benefícios do que malefícios” (de 19% para 41%). Há um dado importante que desestabiliza explicações fáceis baseadas apenas na renda: na faixa dos que ganham mais de dez salários mínimos, a queda do entusiasmo é ainda mais perceptível. A visão positiva ainda é expressa por 77% das pessoas nesse estrato, mas o percentual dos que enxergam só benefícios caiu de 61%, em 2015, para 26%, em 2019. No mesmo período, a dúvida – contida na expressão “mais benefícios do que malefícios” – aumentou de 24% para 51%. Ou seja, a desconfiança não chega a ser majoritária, mas o ceticismo se insinua, independentemente do estrato social dos entrevistados.

Será que os brasileiros se sentem contemplados pelo modo como são tomadas as decisões sobre ciência e tecnologia? Parece que nem tanto. É praticamente consensual, em todas as faixas de renda, a reivindicação de que a população seja ouvida quanto aos rumos da ciência e da tecnologia. A proporção dos que concordam totalmente com essa afirmação, somada a dos que concordam em parte, chega a 83%.

Atender a uma demanda como essa não é simples. Nos meios acadêmicos, aumenta a consciência de que pesquisadores devem se comunicar melhor e fazer mais divulgação científica. É um ótimo começo, porém a população parece querer também participar das decisões. Mas como tornar democráticas escolhas sobre temas complexos abordados na ciência? Lidar com evidências, manejar dados e experimentos, dominar bibliografias e estabelecer colaborações são ingredientes da prática científica que exigem treino, protocolo e dedicação. Por isso, é difícil compartilhar todos esses processos com não iniciados. Simplificando as coisas, o desejo de participação, expresso na pesquisa, pode não ser o de opinar em todas as etapas da produção científica. Talvez reflita uma demanda por mais informação a respeito das consequências das escolhas dos cientistas, permitindo a um público mais amplo interferir na avaliação de prioridades.

A reivindicação por mais participação nas decisões é um indício de que a desconfiança na ciência está ligada à crise da democracia. Durante muito tempo, cientistas tiveram uma espécie de carta branca para enunciar verdades a partir de métodos aos quais poucos têm acesso. É como se existisse um acordo tácito: “Acreditem, pois possuímos os atributos necessários para a realização de verificações consistentes.” Esse acordo não está mais funcionando, ao menos não como antes.

Ocorre algo similar com diferentes profissionais da verdade, cujas afirmações costumavam ser legitimadas a priori, com base na autoridade para lidar com informações não acessíveis a todos. Além de cientistas, jornalistas, intelectuais, professores e experts têm sido questionados, dificultando sua atuação como mediadores entre o poder político e o público em geral. Intermediários sempre tiveram um papel importante no sistema de pesos e contrapesos que faz com que a democracia funcione, o que vai além dos momentos eleitorais.

Atualmente, lideranças desprovidas de qualquer credencial técnica ou acadêmica reivindicam autoridade para enunciar verdades, pois o contato direto com o público, favorecido pelas redes sociais, dispensa mediações. É assim que novos formadores de opinião conquistam seguidores e disputam a prerrogativa de influenciar o poder público. No Brasil, como vimos, chegam a participar ativamente do governo.

Disputar espaço com esses novos atores usando diplomas ou reconhecimento acadêmico não parece a melhor estratégia. A fragilização da democracia decorre também da descrença em soluções tecnocráticas, vistas como elitistas e pouco permeáveis à opinião das pessoas comuns. Portanto, reafirmar verdades científicas a partir de posições de autoridade pode ser um tiro no pé.

O desafio de fazer mais e melhor divulgação científica ganha relevância estratégica em tempos de emergência climática. Entender que há uma desconfiança legítima – que atinge boa parte da população – é essencial para acolher as dúvidas e iniciar uma conversa com quem ainda não se mobiliza pela questão ambiental. O diagnóstico da crise mundial de confiança na ciência, discutido no início deste artigo a partir da pesquisa Wellcome Global Monitor, não menciona as mudanças climáticas. Contudo, os resultados fornecem pistas valiosas sobre os caminhos a seguir. Insistir apenas na reafirmação do consenso científico sobre o aquecimento global antrópico é insuficiente. Ao fragilizar a imagem da ciência – vista como pouco dedicada a obter benefícios para os problemas cotidianos dos cidadãos –, a desconfiança gera dificuldades para a agenda climática.

 

Depois de décadas realizando encontros e participando ativamente da costura de acordos internacionais pelo clima, é preocupante que a causa ambiental não seja popular no Brasil. Culpar os atuais governantes não basta. O desinteresse de governos, mesmo progressistas, em relação ao tema reflete a indiferença da maior parte da população, confirmada pela ausência desse debate nas campanhas eleitorais. Não é por falta de conhecimento científico que a agenda ambiental não mobiliza os brasileiros. Mesmo entre as organizações que lutam há tempos pela preservação do meio ambiente, nota-se uma dificuldade de tornar essa pauta mais abrangente.

Medidas para evitar o colapso climático precisam ser vinculadas a valores mais amplos do que a preservação da vida no planeta. É essencial que essa agenda consiga apontar saídas para as aflições do presente: só assim poderá ser vista como uma aposta interessante. O papa Francisco, cujo pontificado tem sido marcado pela preocupação ambiental, tem um diagnóstico elucidativo sobre a anestesia que envolve o tema: “Este comportamento evasivo serve-nos para mantermos os nossos estilos de vida, de produção e consumo”, escreveu Francisco em Laudato Si’, sua encíclica de 2015 dedicada à causa ambiental. “É a forma como o ser humano se organiza para alimentar todos os vícios autodestrutivos: tenta não os ver, luta para não os reconhecer, adia as decisões importantes, age como se nada tivesse acontecido.”

Talvez a ofensiva da extrema direita abra caminho para ações mais efetivas também dos setores da sociedade que não se alinham com o governo. Estratégias de divulgação científica, especialmente no caso da mudança climática, precisam partir de novas premissas e abordagens, abertas à constituição de uma imagem da ciência distinta daquela que habitou nosso imaginário durante as últimas décadas. Em outros momentos históricos, a ciência não adquiriu legitimidade de modo automático. A percepção dos benefícios científicos e tecnológicos ajudou a moldar a relação do público com os cientistas. O século XX, por exemplo, com suas bombas atômicas e naves espaciais, associou à ciência uma imagem de força e poder – inicialmente destrutivo, mas logo associado à promessa de um futuro melhor. Já a climatologia tem uma natureza bem distinta, pois lida com simulações de cenários pessimistas para as próximas décadas, construídas por modelos diversos e dependentes de muitas variáveis. Além de ser uma área recente.

O climatologista francês Hervé Le Treut admite que o negacionismo climático desenvolveu-se a partir de fragilidades reais da ciência do clima. “Digamos que a ciência, porque segue uma ética – o que também é sua força –, é fácil de contestar”, afirmou o pesquisador em setembro passado ao jornal francês Le 1. Ou seja, a ciência só afirma algo quando tem certeza absoluta, e a climatologia levou alguns anos para obter resultados seguros. Enquanto havia apenas presunção das mudanças climáticas antrópicas, os cientistas foram cautelosos em suas afirmações, o que é correto, mas tal atitude abriu espaço para a ação dos negacionistas. Mais tarde, entre o final dos anos 1990 e início dos 2000, quando as provas já eram robustas, não foram suficientes para “convencer atores que não queriam ser convencidos”.

A maior riqueza da ciência não são as certezas produzidas ao fim do processo de investigação, e sim o modo qualificado de tratar as dúvidas durante esse processo. Ser cético é o que se exige de todo cientista. Por isso, “ceticismo” é um termo desvirtuado para designar os negacionistas, e a ciência precisa reivindicá-lo. Incertezas, perguntas, problemas e questões em aberto são matérias-primas da ciência e podem ser usadas para valorizar o ceticismo. Faz falta, contudo, explicitar melhor os processos que permitem à ciência extrair, das dúvidas iniciais, algumas certezas.

Em novo livro publicado no final de 2019, Why Trust Science? (Por que confiar na ciência?), sem edição em português, Naomi Oreskes sugere que a confiança na ciência deve ser reconquistada por seu caráter consensual, mais do que por sua autoridade. O método científico e as evidências empíricas são insuficientes: cientistas se autocriticam e criticam uns aos outros antes de tirar conclusões. Por isso, o grau de diversidade e de abertura de uma comunidade é essencial para garantir a confiabilidade do conhecimento obtido. A capacidade de se autocorrigir depende do trabalho coletivo e da possibilidade de desenvolver experiências e simulações reprodutíveis em culturas e contextos diversos. Esses atributos diminuem o peso da autoridade e podem ajudar a mobilizar mais pessoas para apreciar a ciência do clima, para além da comunidade de iniciados.

Ao mesmo tempo, será necessário reforçar os desdobramentos políticos ligados à agenda ambiental. No fim das contas, é preciso que as pessoas efetivamente se importem com o colapso climático para que considerem modificar seus modos de vida, mas também para que vislumbrem desde já algum ganho que compense o esforço. Como a vida não está nada boa para a maioria das pessoas, não parece impossível convencê-las de que vale a pena uma aposta inovadora. Momentos de crise podem suscitar novos arranjos políticos que tenham impacto no presente e ajudem a lidar com os desafios que temos diante de nós. Ações coletivas podem ser mais eficazes do que certezas e verdades contra o negacionismo. Por isso, estratégias científicas e políticas precisam andar de mãos dadas.

Tatiana Roque

É professora de matemática, história das ciências e filosofia da UFRJ, e coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura. Também é filiada ao Psol

Leia também

Últimas Mais Lidas

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

3

Molho rápido de atum

Hoje o almoço precisava sair num relâmpago e optamos por um clássico do tempo apertado, o molho de atum. As quantidades da receita abaixo podem ser dobradas e temos uma população flutuante – e hoje foram dezesseis pessoas. Usamos quatro latas de atum sólido para quase dois pacotes de massa. Mas bem que poderíamos ter usado cinco ou seis, pois quanto mais atum, melhor.

4

Sem almoço no FT

Martin Wolf alerta para os perigos da aliança entre a classe trabalhadora e a direita xenófoba

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

Deodoro desabafa com Floriano

Nesta carta de 21 de Agosto de 1890, dirigida a Floriano Peixoto, uma das mais contundentes e irônicas da correspondência conhecida entre os dois grandes líderes militares dos primórdios da República, marechal Deodoro da Fonseca deixa transparecer claramente seu aborrecimento.

9

A igreja de Warren Buffet

Fé e fundamentos em Omaha

10

Nota sobre o calabouço

Brás Cubas e os castigos aos escravos no Rio