esquina

O padre veste verde

Jesus era palmeirense

Rafael Moura
ANDRÉS SANDOVAL_2018

Quem examinar com atenção A Última Ceia que decora a igreja Nossa Senhora dos Navegantes, em Diadema, na Grande São Paulo, notará que Jesus Cristo veste um manto verde e branco, e não vermelho e azul, como Leonardo da Vinci imortalizou há cinco séculos. O toque especial foi ministrado por Odair Angelo Agostin, o padre que por quase três décadas esteve à frente da paróquia do Eldorado.

A artista italiana a quem Agostin encomendara a sequência de quadros que retratam a Paixão de Cristo ficou encasquetada – ela nunca vira o filho de Deus vestindo verde. O padre lhe disse para não se preocupar. “Na verdade, ninguém sabe a cor da roupa que ele usava naquele dia, então fica ao gosto do freguês”, ele explicou, enquanto admirava o resultado final. “Se alguém provar que roupa ele usava, eu troco.”

À medida que promovia pequenas reformas na igreja, Agostin salpicava aqui e ali outros detalhes inspirados por seu fervor pela Sociedade Esportiva Palmeiras. As paredes brancas ganharam toques verde-limão e verde-musgo. Certa vez um devoto observou que azul seria uma cor mais adequada para uma igreja, mas o padre bateu pé: “Aqui é tudo verde.”

Odair Agostin é um senhor alto e rechonchudo de 66 anos que usa óculos grandes e um relógio dourado no pulso. Filho de um lavrador e neto de italianos, foi batizado em homenagem a um ponta-direita do Palmeiras nos anos 50. “Eu já era palmeirense antes de ser cristão”, ele conjectura. E vai além: “Se o verde é a esperança e o branco significa paz, e Jesus veio trazer a paz e a esperança para o mundo, então ele é palmeirense.” Mas por que Judas Iscariotes veste preto e branco na Última Ceia encomendada por ele? “Fui eu que escolhi, já que ele é o traidor”, contou o padre.

Em sua casa, no Eldorado, a decoração também segue as cores do time, a ponto de a cama trazer um brasão do clube. Na carteira de couro (verde), Agostin sempre leva duas carteirinhas, a de sócio e a de cônsul do time, a qual lhe garante um ingresso a cada partida. “Em Diadema só há dois cônsules, e sou um deles.”

 

Quando, aos domingos, o horário da missa coincide com um jogo decisivo do Palmeiras, o sacerdote recorre a uma artimanha para se inteirar do resultado. Além de deixar um rádio ligado na sacristia, seus ministros auxiliares – apenas os palmeirenses – o informam das mudanças no placar por meio de sinais, como num jogo de truco. Polegares para cima e para baixo sinalizam os gols; punhos juntos cerrados indicam empate; braços cruzados no peito anunciam o fim da partida. O padre às vezes compartilha com os fiéis o resultado da partida. “Podem ficar tranquilos que o Palmeiras ganhou”, dirá ele num dia de vitória.

Em abril deste ano, seu time saiu derrotado da final do Paulistão numa decisão polêmica, com um pênalti contra o Corinthians anulado num lance que os palmeirenses sustentaram receber interferência externa. Abalado com o desfecho, ele anunciou, do púlpito: “Hoje não vou conseguir me alongar muito na homilia, estou com a cabeça pesada depois do roubo que aconteceu em São Paulo.” Os fiéis riram, solidários.

Foi justamente numa final contra o Corinthians, em 1993, que a fama de torcedor roxo começou a circular. Com a vitória contra os arquirrivais, o Palmeiras ganhou o Campeonato Paulista e saiu de uma fila que já durava dezessete anos. A decisão ocorreu no Dia de Santo Antônio, num sábado em que Agostin celebraria sete casamentos. “A cada cerimônia que terminava eu corria para ver como estava o jogo”, ele lembrou.

O último casamento daquele sábado celebraria a união de dois corintianos que pretendiam subir ao altar trajando uma indumentária preta e branca. Com a vitória certa do Verdão por 4 a 0 antes do matrimônio, o padre decidiu vestir o uniforme do time sob a túnica. Mas não contava com a transparência do tecido, que acabou revelando à audiência a marca da Parmalat, patrocinadora do time. “Foi um fuzuê, saiu em jornais que eu rezava missas com a camisa do Palmeiras”, lembrou Agostin.

O sacerdote faz troça do padroeiro do Timão. “Alguns nem consideram que São Jorge seja santo”, afirmou. “Para ele eu não rezo nem uma Ave-Maria. Prefiro San Gennaro.” Agostin não perde uma oportunidade de espezinhar seus colegas corintianos e não hesita em devolver a provocação, mesmo que para tanto precise relaxar o preceito cristão de oferecer a outra face. “No futebol, não”, brincou. “Aqui, bateu, levou. No altar sou profeta, no confessionário sou pastor e fora da igreja sou torcedor.”

 

Em janeiro de 2017, o padre Odair deixou a igreja Nossa Senhora dos Navegantes e passou a rezar missas como titular da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no bairro Casa Grande, também em Diadema. Recém-instalado, já foi decorando o local a seu jeito. “Quando cheguei faltavam duas cruzes para pregar nas paredes, aproveitei e já botei verde”, contou. Em outubro, mandou pintar a fachada da nova igreja de verde e branco. “O pessoal já sabia da minha fama”, disse o sacerdote. “Eles até disseram: ‘E não é que ficou bom?’”

Em grande fase no segundo semestre, o Palmeiras lidera o Campeonato Brasileiro e disputa um lugar na final da Copa Libertadores. “O mínimo que espero é que ganhemos os dois canecos”, disse Agostin. “O grito de campeão está entalado na garganta.” Mas a felicidade com o desempenho do time não tira do coração do padre o rancor com as mágoas recentes. “Ainda não ganhamos nada este ano, e a Copa do Brasil também foi garfada”, praguejou, aludindo a um lance polêmico na semifinal em que o Verdão foi eliminado pelo Cruzeiro.

O padre também celebra quase todo dia missas de falecimento no cemitério Vale da Paz, em Diadema. “É o meu arroz com feijão”, ele costuma brincar com os colegas de igreja. “Hoje rezei no velório de três defuntos”, disse numa manhã de sábado, mostrando o jazigo que adquiriu naquele campo-santo. “Sempre que passo aqui, digo ‘espera mais um pouco’”, troçou. Falta comprar o caixão verde com o brasão do Palmeiras em que pretende ser enterrado. Estará com o uniforme por baixo da batina. “Senão eu levanto para buscar.”

Rafael Moura

Leia também

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão