esquina

O silêncio do vereador

Uma semana com Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio

Tiago Coelho
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2019

Na manhã seguinte ao temporal que provocou a morte de seis pessoas na cidade do Rio de Janeiro, o vereador Carlos Bolsonaro tuitou às 10h22: “Alguém viu no JN algo sobre os cinco meses de tentativa de assassinato de Bolsonaro por ex-integrante do PSOL?” Seguidores do parlamentar no Twitter consideraram a mensagem descabida: “Esperava de você hoje, como primeiro tuíte, solidariedade ao povo do Rio”; “Sua cidade tá  destruída pela chuva. Você é vereador, pelo amor de Deus, faça algo pelo Rio! Esqueça a Globo, o Twitter.”

Dia 19 de fevereiro. Primeiro dia das atividades no plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. A sessão começa pontualmente às 14 horas, com pronunciamentos na Tribuna Marielle Franco. Naquela terça-feira, os primeiros discursos dos vereadores repercutem os desastres ocorridos na cidade nas semanas anteriores: o temporal no dia 6 de fevereiro e o incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo no dia 8.

Uma hora e quinze minutos depois da abertura da sessão, a grande porta de madeira do palácio neoclássico foi aberta, e entrou Carlos Bolsonaro, 36 anos, em sua quinta legislatura na Câmara. Ele correu os olhos pelo plenário. Evitou olhar para a imprensa, que o observava com atenção. Parou em um canto do salão, encostou-se na parede de mármore claro e ali permaneceu.

Enquanto seus colegas discursavam, Bolsonaro, do PSC, conversou com seus assessores, a cabeça levemente encurvada para baixo. Como estava próximo à porta, foi cumprimentado várias vezes. Não demorou até que se formasse em torno dele uma pequena aglomeração de assessores que pediam sua assinatura para tramitação de projetos e de vereadores que lhe davam tapinhas de boas-vindas nas costas.

Vinte minutos depois de sua chegada, Bolsonaro desencostou-se da parede para ir até sua mesa dar o voto a favor de uma proposta que concedia a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, honraria municipal, ao vice-presidente Hamilton Mourão.

Durou 22 minutos a presença de Bolsonaro no plenário. Repentinamente, ele seguiu rumo à antessala. Repórteres correram atrás para tentar entrevistá-lo – em vão. O vereador não saiu da antessala, à qual a imprensa não tem acesso.

Foi um início de semana tumultuado para a família Bolsonaro. O segundo filho mais velho do presidente estava no centro de uma crise que ele próprio criara, ao chamar de mentiroso o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, exonerado no dia 18. Bolsonaro voltou ao plenário poucos minutos antes do término da sessão, às seis da tarde, e assim que foi anunciado o fim dos trabalhos, partiu em disparada. Naquele horário, Bebianno dava uma entrevista à rádio Jovem Pan, acusando o filho do presidente de ter feito “uma macumba psicológica na cabeça do pai”, Jair Bolsonaro.

Apesar de discreto na Câmara, o vereador disparou várias postagens nas redes sociais naquele dia: doze no Twitter, duas no Instagram e quatro no Facebook. Um total de 923 palavras, que usou para criticar a imprensa, os adversários e elogiar decisões do pai no governo.

“Ele nunca foi muito de discursos e poucas vezes o vi na tribuna”, disse um vereador da esquerda que preferiu não ser identificado. “Antigamente ia ao microfone para refutar críticas ao pai e irmãos. Mas não sobe à tribuna para defender uma ideia ou um projeto.” Um funcionário da Câmara falou sobre a atuação de Bolsonaro no dia a dia: “Sempre ficou na dele, fala pouco, não se enturma muito. Passou a receber tapinhas nas costas depois que o pai entrou em campanha para a Presidência. Antes disso, ficava avulso no plenário.” Uma jornalista que frequenta a Casa diariamente contou: “Se eu ouvi a voz do Carlos Bolsonaro duas vezes ao microfone nos últimos quatro anos, foi muito.”

A despeito do comportamento taciturno de Bolsonaro, o vereador de esquerda fez uma ressalva: “De fato ele não é o mais comunicativo entre os parlamentares. Mas é preciso ser justo. Diferentemente da persona briguenta que ele assume nas redes sociais, é um sujeito afável e educado com os colegas.” À boca miúda, é chamado pelos parlamentares de Hello Kitty, personagem infantil japonês que não tem boca e, por isso, não fala.

Dia 20 de fevereiro. Segundo dia de trabalho da Câmara dos Vereadores. O plenário convulsionava com debates sobre a reforma da Previdência enviada pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso. Babá, do PSOL, proferiu palavras pesadas contra a reforma. Leandro Lyra, do Partido Novo, defendeu o projeto. O filho do presidente, porém, não acompanhou a maior parte da discussão, pois chegou às 16 horas. Aconchegou-se no seu cantinho, encostado à parede. Nos dez primeiros minutos em que ficou ali, recebeu dezenove cumprimentos. Um dos mais comuns entre alguns vereadores da bancada da bala é o beijo no rosto.

Naquele dia, Bolsonaro estava mais comunicativo. Passou mais de vinte minutos conversando com Alexandre Isquierdo e Carlo Caiado, ambos do DEM. Não desviou a atenção da conversa nem quando o nome do seu pai foi citado elogiosamente por Lyra ao microfone. Também conversou com Jones Moura, vereador pelo PSD, que defende o armamento da Guarda Municipal. No meio do papo, o celular de Bolsonaro tocou e ele saiu do plenário com passos apressados e uma expressão grave no rosto.

Quando voltou da ligação, Bolsonaro parecia meio aéreo. O falatório no plenário não despertava nele o menor interesse. Jones Moura tomou a palavra, e revelou a conversa que tivera com o filho do presidente. “Estava há pouco falando com o Carlos, e temos também o apoio do Flávio, para incluir os profissionais da segurança pública num esquema diferenciado de previdência.” Bolsonaro, sentado à mesa, olhava para o celular, como se o assunto não lhe dissesse respeito. A sessão terminou. Naquele dia, ele escreveu 474 palavras nas redes sociais.

Dia 21 de fevereiro. Terceiro dia de trabalho. Carlos Bolsonaro chegou às 15h54. Encostou-se na parede e observou a movimentação. Não foi exclusividade dele chegar àquela hora no plenário e perder os pronunciamentos na tribuna: mais da metade dos vereadores fez o mesmo.

Seria votado no dia o Projeto de Emenda à Lei Orgânica nº 25/2018, propondo que cada vereador tenha 0,06% do orçamento municipal à sua disposição para aplicar onde quiser, desde que metade desse valor vá para a área da saúde. Para a aprovação desse projeto que vai contra os interesses da prefeitura era preciso dois terços dos votos dos 51 vereadores, ou seja, 34 votos. Mas o projeto recebeu apenas trinta votos, inclusive o de Bolsonaro. Houve um bate-boca entre parlamentares, ao qual ele passou alheio, pois durante quarenta minutos não tirou os olhos do smartphone. O projeto foi arquivado. Às 18 horas, como sempre, a Câmara encerrou a sessão. Bolsonaro levantou-se rapidamente e foi embora. Naquele dia, despachou seis tuítes, quatro mensagens no Facebook e três no Instagram.

Durante a semana de três dias de trabalho da Câmara, quatro horas por dia, doze horas no total, Carlos Bolsonaro esteve dentro do plenário por cerca de três horas e quarenta minutos.

Tiago Coelho

Tiago Coelho é repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão