chegada

Onde está Dilma?

A presidente perdida entre o ministério e o ajuste liberal

Fernando de Barros e Silva
FOTO: WILSON DIAS_AGÊNCIA BRASIL

“Juntos, chegaremos lá.” Era esse o slogan da campanha de Guilherme Afif Domingos, candidato à Presidência da República pelo então Partido Liberal em 1989. Foi o ano em que surgiu o “Lula lá”. “Brilha uma estrela, cresce uma esperança, o Brasil criança” – quem não se lembra? O chegou. Aqui estão eles, juntos.

Remanescente do primeiro mandato de Dilma Rousseff, Afif Domingos é um ministro periférico. Mal se pode notá-lo na foto oficial do gabinete interminável da presidente reeleita. Responsável pela pasta da Micro e Pequena Empresa, ele é tido como um militante incansável da causa liberal, um soldado do consumidor indefeso contra a voracidade do Estado. Voracidade, no caso, só a dele, que conseguiu a proeza de ser ao mesmo tempo vice-governador de Geraldo Alckmin e ministro de Dilma, transformando-se, na prática, em algo como um representante modelo flex do velho patrimonialismo, egresso ainda por cima da escola malufista.

Gilberto Kassab entrou para a política pelas mãos de Afif. Elegeu-se vereador no início dos anos 90 pelo mesmo PL do padrinho. Os dois foram secretários da prefeitura do finado Celso Pitta, mais uma obra de Paulo Maluf. Kassab ainda era um profissional obscuro da política quando José Serra o catapultou a uma altura que jamais poderia alcançar pelas próprias pernas. São Paulo ficou sob seu comando durante mais de seis anos. Foi a lástima que se sabe.

Quando Kassab saiu, sua popularidade estava lá embaixo, mas ele não tinha as mãos vazias. O cargo, entre tantas oportunidades, serviu-lhe para realizar um grande negócio: o Partido Social Democrático, que ele criou e comanda desde 2011. Tornou-se um político de peso. Quase não tem votos, mas isso pouco importa. O PSD conseguiu eleger a quarta maior bancada da Câmara. Resultado: o afilhado de Afif virou ministro das Cidades. Nascido no malufismo e cevado por Serra, já os deixou para trás – seu sustento agora está nas águas profundas do petismo. Ele também chegou lá.

O dublê de ministro e fazedor de partidos está agora empenhado em ressuscitar o PL. Quatro anos depois de conceber e parir o PSD em tempo recorde – um partido que segundo ele próprio não é nada, “nem de esquerda nem de centro nem de direita” –, Kassab articula outra legenda, em estágio avançado de gestação. A intenção é cooptar quadros da oposição e atrair políticos insatisfeitos da base governista para aumentar o seu cacife no comércio partidário – simples assim. O DEM e o PMDB são os principais alvos do assédio. A manobra tem a simpatia do Planalto, que vê a possibilidade de diminuir sua dependência do partido de Eduardo Cunha – em relação ao qual Kassab e o PSD já operam como uma espécie de medicamento genérico.

O líder ruralista Ronaldo Caiado não se conteve diante de tamanha disposição para procriar. Com a sinceridade rude do homem do campo, o senador pelo DEM goiano afirmou que Kassab, “em vez de se comportar como ministro, adota postura de cafetão e acha que deputados são garotas de programa”. Quando vingar, o novo-velho Partido Liberal será a 33ª legenda do país – uma prova viva de que na política brasileira tudo se cria, tudo se perde e nada se transforma.

 

O PL desapareceu oficialmente em 2006, ano em que se fundiu ao Prona de Enéas para dar origem ao Partido da República. Seu presidente era Valdemar Costa Neto, um dos peixes graúdos condenados no mensalão, na cadeia até outro dia. Desde que Lula chegou ao poder, em 2003, o PL/PR está instalado no Ministério dos Transportes. Descobriu-se em 2011, enfim, que havia algo de podre no feudo. O ministro Alfredo Nascimento acabou afastado por Dilma Rousseff. A crônica política, à época encantada com a seriedade e os modos circunspectos da nova mandatária, aplaudiu nos jornais o empenho pela ética. Dilma foi logo batizada de “faxineira” (era, em certo sentido, um sinal de boas-vindas da elite local à empregada eficiente e discreta que chegava para substituir aquele abusado sem educação).

O ministro caiu, mas o PR continuou lá. Quatro anos depois, eis que a presidente coroa a pantomima da limpeza nomeando o republicano Antonio Carlos Rodrigues para o cargo. O novo titular dos Transportes chegou ao Senado na garupa do PT, como suplente de Marta Suplicy. Nascido em berço malufista (também ele), liderou durante anos um agrupamento multipartidário da vereança paulistana que se intitulava Centrão Futebol Clube. Era um time da várzea da política. Aguerrido e numeroso o bastante para negociar o placar de cada jogo no Legislativo municipal travado contra ou a favor do governo de turno. É essa a expertise que o craque dos Transportes agrega à seleção escalada por Dilma Rousseff.

A trajetória desses personagens de rodapé pode parecer ociosa, mas serve, no mínimo, para ilustrar como a política vem se remendando na prática enquanto suas lideranças, a cada escândalo ou período eleitoral, procuram embromar a plateia com a conversa fiada sobre a urgência de reformá-la. No que depender do governo e seus sócios, não há reforma no horizonte. O que existe é a foto acima.

 

“Venceu o sistema de Babilônia e o garção de costeleta.” A fórmula de Oswald de Andrade continua atualíssima. Kátia Abreu, em seu modelo verde-pamonha, está aí para não deixar o modernista falar em vão. Já em seu discurso de posse, a agroministra decretou que não existe latifúndio no Brasil. Aldo Rebelo, seu colega comunista, foi além. O aquecimento global, segundo ele, é como o latifúndio – não existe. “Não há comprovação científica das projeções do aquecimento global, e muito menos de que ele estaria ocorrendo por ação do homem”, escreveu o novo ministro da Ciência e Tecnologia em 2010, no curso de uma polêmica sobre o Código Florestal. Para não deixar dúvidas, dizia ainda que “o chamado movimento ambientalista internacional nada mais é, em sua essência geopolítica, que uma cabeça de ponte do imperialismo”. Entre as suas novas atribuições, Rebelo terá que assinar os relatórios que o governo encaminha ao Painel de Mudanças Climáticas das Nações Unidas, responsável pelo monitoramento do problema em âmbito global. Mas podemos dormir tranquilos: tudo não passa de panfletagem a serviço de Tio Sam e seus satélites. Sistema de Babilônia é isso.

George Hilton, por exemplo, apesar do nome, que pode evocar alguma cadeia de hotel inspirada no federalismo americano, pertence ao Partido Republicano Brasileiro, mas representa na verdade a bancada evangélica no governo. Foi escolhido ministro por ser pastor da Igreja Universal. Calhou de ficar com os Esportes. Em 2005, a Polícia Federal o flagrou com 600 mil reais em espécie no aeroporto de Belo Horizonte. Sua familiaridade com o universo olímpico resume-se a essa modalidade de carregamento. O feito lhe rendeu a expulsão do PFL. O STF, registre-se, depois arquivou o caso.

O Ministério da Pesca (o peixinho feio da Esplanada) foi concedido a Helder Barbalho, filho de Jader, um dos quadros notórios do PMDB, cuja especialidade eram as rãs. A lista de sapos do gabinete é inesgotável. Os disparates se acumulam em compromissos com o atraso, figuras ineptas, conveniências da pior espécie – a sensação de que chegou a hora da xepa é incontornável diante do retrato oficial do ministério. De fato, quase tudo aqui soa como ridicularia. Mas é difícil saber o que é periférico e o que é central quando a própria presidente dá a impressão de habitar o escalão inferior de seu governo.

 

Dilma não formou uma equipe; parece, antes, conformada (ou deformada) por ela. Cercada de amigos da onça por todos os lados, provavelmente nunca esteve tão só. Em artigo para a Folha, o cientista político André Singer escreveu, ainda sob o primeiro impacto da divulgação do ministério: “A presidente parece uma personagem de Kafka, condenada a cumprir papel que sabe não ter sentido.” A questão talvez seja saber se Dilma ainda tem alguma noção de seu papel – e qual é ele.

As concessões aos partidos que parasitam o Estado se explicariam pela necessidade de criar um cordão político capaz de preservar a presidente o mais distante possível do escândalo do petrolão. O ministério é uma estrutura montada em boa medida para resolver as demandas do próprio governo, e não para enfrentar problemas do país. Quanto mais vulnerável for a presa, no caso Dilma, maior é a ousadia dos predadores. É assim que funciona. E todos, inclusive os predadores, estão sob ameaça. Em parte porque o ecossistema alimentado pelo lulismo chegou ao limite de sua capacidade. Em parte, também, porque há muita gente aliada ao governo implicada na pilhagem bilionária da Petrobras. O cerco vai apertar, todos sabem.

A hostilidade aberta que Dilma enfrenta dentro do próprio PT é inédita. Em direções opostas, contra e a favor da nova política econômica, gente como José Dirceu e Marta Suplicy cospem fogo na presidente. Alguém dirá que o primeiro é um condenado pela Justiça e a segunda é uma estrela cadente no céu do petismo. Tudo bem. Mas se o presidente fosse Lula seria impensável ouvir da boca de figuras como eles (ou de peso político equiparável) a décima parte do que disseram.

Dilma entrincheirou-se no Planalto com sua patota do PT gaúcho, à qual se junta Aloizio Mercadante, o cavaleiro do bigode solitário. Ao contrário do que se disse, ao expelir do núcleo físico do poder os remanescentes do lulismo e transplantar a sua aldeia gaulesa dos pampas para Brasília, Dilma paradoxalmente reforça a sensação de acuamento. Eles de fato estão em minoria no PT e não há poção mágica de João Santana capaz de dar conta do recado. O constrangimento e a tensão da presidente, sua dificuldade de elocução na primeira reunião ministerial, mesmo no ambiente controlado de um pronunciamento oficial, foram muito mais significativos do momento atual do que as palavras burocráticas e ocas que ela conseguiu proferir diante de uma plateia igualmente desconfortável.

 

O maior incômodo de Dilma, entre tantos, está na percepção generalizada de que virou coadjuvante do ministro da Fazenda. Ou, talvez, menos do que isso, personagem secundária, cuja principal qualidade seria justamente a de não interferir onde não é chamada. O regozijo diante da rendição da petista, até anteontem estatólatra, ao programa liberal do candidato tucano, de quem Joaquim Levy era colaborador, está estampado diariamente nos jornais. Revive-se em certa medida a fantasia da faxina de 2011, agora em relação ao saneamento da economia.

E assim o estranho no ninho petista se vê convertido em dono do ninho. Apontado pela gerente-geral do FMI como um perfeito Davos man, Joaquim Levy arrancou suspiros aliviados da seleta plateia dos Alpes suíços ao frisar que sua missão é “restaurar a confiança” no Brasil. Confiança – nem foi preciso dizê-lo – que a política econômica ruinosa sustentada na marra pela presidente durante o primeiro mandato tratou de destruir. Ela foi inclusive orientada a não ir a Davos. Para não atrapalhar os negócios, bem entendido.

Enquanto Levy falava ao PIB global, Dilma também enfrentava o ar rarefeito das grandes altitudes, mas em La Paz, onde prestigiou a posse do terceiro mandato de Evo Morales. “Na Bolívia, não mandam os Chicago Boys”, disse o líder bolivariano, punhos cerrados ao lado da presidenta. O Brasil está entregue a um deles, justamente. Afinal, aqui também a candidata de esquerda venceu a eleição, e fazendo da luta de classes o seu mote principal.

 

O novo operador das finanças brilha por contraste. É uma espécie de liberal no zoológico. Experimenta mais uma vez o sucesso que teve na gestão austera de Sérgio Cabral, o homem do guardanapo. O salvador da pátria está, na verdade, mais para funileiro ou síndico de falências: seu trabalho lembra o daqueles profissionais que recebem a carcaça de empresas quebradas e as remodelam para torná-las novamente atraentes ao mercado. Às vezes, quando é possível, recupera-se a massa falida. Outras vezes o melhor a fazer é negociar as partes desmembradas do monstrengo.

Quando iniciou, em 2003, seu ajuste fiscal, um dos mais severos da história brasileira, Lula tinha muito cacife político. O mensalão não existia, ele contava com enorme respaldo social e acreditava, além disso, na necessidade do que fazia. Joaquim Levy, o Mão de Tesoura, à época pertencia ao segundo escalão – era só um Palocci boy.

Dilma não tem quase nenhum cacife político. O PT é um partido coberto de óleo, moralmente corrompido. A presidente não tem nenhuma convicção de suas ações, entrou à força num enredo que não sabe representar. E Joaquim Levy virou galã. Tudo, no ajuste atual, lembra um filme B, uma versão degradada do original.

Recessão, apagão, falta d’água, Lava Jato – difícil, por ora, diante do caldo social que engrossa a cada dia, acreditar que a presidente terá condições de evitar o desmanche em curso. Saberemos melhor quando chegar a hora da revenda do país, em 2018. Talvez antes.

Fernando de Barros e Silva

Fernando de Barros e Silva é diretor de redação da piauí desde janeiro de 2012 e autor de Chico Buarque (2004), da PubliFolha

Leia também

Últimas Mais Lidas

A indústria que é brasileira na propaganda

Vídeo da Confederação Nacional da Indústria desenha um mundo em que o Brasil fabrica “possibilidades” em forma de drones, tablets e turbinas de avião

Tereza Cristina responde a cinco ações por dívidas

Além de disputa com JBS, ministra da Agricultura de Bolsonaro acumula calotes com Banco do Brasil e fundos de investimento

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

5

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

6

Tereza Cristina responde a cinco ações por dívidas

Além de disputa com JBS, ministra da Agricultura de Bolsonaro acumula calotes com Banco do Brasil e fundos de investimento

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

Em águas turvas

A substituta de Sérgio Moro

9

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário