só no site

Os órfãos de Cristina

Josefina Licitra
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

No domingo passado, quando ocorreu o segundo turno das eleições argentinas, a contagem dos votos foi acompanhada por um multidão subdividida em três grandes grupos. Milhares de pessoas se apinhavam no bunker do Cambiemos [mudemos], a coalizão de oposição ao governo, cuja sede havia sido montada na Costanera Norte, a nobre avenida beira-rio da capital. Outros milhares estavam na Praça de Maio, a poucos metros do hotel onde o núcleo duro da candidatura kirchnerista aguardava os primeiros resultados. E milhões de cidadãos, entre os quais me incluo, integrávamos uma cena íntima e ao mesmo tempo coletiva: esperávamos a divulgação dos dados em casa, na frente de uma televisão com a tela dividida ao meio. De um lado, os canais mostravam os balões coloridos do Cambiemos. Do outro, as bandeiras argentinas da Frente Para la Victoria (FPV).

Em casa, o clima era estranho. Meu companheiro e eu temos diferenças políticas – e isso, numa Argentina polarizada, é uma coisa bem delicada. Eu votei nulo. Integro o minúsculo grupo de pessoas – apenas 305 229, ou 1,19% do eleitorado – que impugnou o próprio voto por não concordar com nenhum dos dois candidatos. Mas meu companheiro, Gustavo Nielsen – escritor e arquiteto –, apoiou Daniel Scioli. Poucos dias antes, inclusive, ele havia assinado uma carta aberta, publicada no jornal governista Página/12, em que parte do espectro intelectual declarava dar respaldo ao candidato kirchnerista. Embora muitos tivessem ressalvas em relação a Scioli, apoiaram a candidatura oficialista para manifestar seu desejo de continuidade do modelo vigente nos últimos doze anos.

Milhões de pessoas, ainda hoje, continuam a amar Cristina Kirchner. Na mesa de trabalho de Gustavo há um pequeno altar com uma foto da presidente rodeada de bonequinhos de super-heróis. Aprendi a achar graça nessa brincadeira, mas foi isso mesmo: um aprendizado. Um exercício de tolerância que tem sua contrapartida – os kirchneristas, às vezes, precisam suportar argumentos absurdos da oposição – e que me obrigou a pensar nas razões pelas quais, passada mais de uma década, quase metade da população continua apoiando o kirchnerismo. Em linhas gerais, os motivos são os seguintes: ampliação dos direitos sociais (como o Subsídio Universal por Filho, uma ajuda mensal – equivalente a cerca de 50 dólares – destinada às famílias mais pobres, hoje beneficiando mais de 3,5 milhões de crianças e adolescentes); política de direitos humanos (que, entre outras coisas, reabriu os processos por crimes de lesa-humanidade durante o terrorismo de Estado da década de 1970 e, entre 2006 e 2015, condenou 592 repressores); recuperação da soberania econômica (com medidas controversas como a restrição às importações e a recusa em pagar aos “fundos abutres”); investimento em ciência e educação (entre 2003 e 2010 foram criadas, ainda que com falhas, nove universidades federais e há 51 universidades financiadas com recursos públicos); estatização, entre outros, dos fundos de pensão e aposentadoria (AFJP), da companhia petrolífera YPF e das Aerolíneas Argentinas; e uma polêmica economia com dólar desdobrado que manteve rebaixados os preços do consumo interno.

Os antigovernistas leem esses avanços em letra miúda, relativizando e problematizando muitas das vitórias alardeadas pelo governo. Mas isso é irrelevante quando se pensa nos eleitores K, que defenderam Scioli até as raias do fanatismo – o ator Gerardo Romano, por exemplo, comparou Macri a Hitler e disse que, se o oposicionista ganhasse, ele se mataria… Agora tem gente pedindo que ele cumpra a promessa – e assistiram à vitória de Mauricio Macri como se ela marcasse o início de uma orfandade. Assim que os números definitivos foram anunciados, na Praça de Maio, os militantes de La Cámpora – a juventude kirchnerista – e do Movimiento Evita se abraçaram aos prantos. Em casa, primeiro houve silêncio e, depois, uma piada. “Amanhã vou começar as aulas de escultura com balões. Já sei fazer o cachorrinho”, escreveu Gustavo nas redes sociais, numa referência aos balões coloridos – principalmente amarelos – que a coalizão Cambiemos usou em sua campanha. Mas também houve comentários mais bombásticos de outros kirchneristas: “Vou dormir. Me acorda em janeiro de 2020”; “Já chorei, agora vou vomitar”; “As ruas são nossas, e o amor também”. Frases como essas começaram a tomar conta da Web.

Foi uma noite difícil, seguida de uma manhã sombria. No dia seguinte à eleição, o jornal La Nación – de oposição ao governo – causou escândalo ao publicar um editorial que, de certo modo, justificava o terrorismo de Estado dos anos 70. Com o título “Chega de vingança”, um texto sem assinatura, pois expressava a linha ideológica do jornal, pedia a libertação de alguns genocidas presos e equiparava os crimes de Estado com a atuação da esquerda armada durante a ditadura. “Olha aí, já Cambiamos”, ironizou Gustavo depois de ler o texto. Muitos fizeram o mesmo e lançaram a boa parte dos cidadãos – não só entre os eleitores kirchneristas –, uma pergunta crucial: Cambiemos integra a “nova direita”, conservadora mas democrática, ou é a reencarnação de um velho monstro que momentaneamente havia trocado de roupa? No fim das contas, seríamos todos órfãos da Cristina?

Nesse mesmo dia – segunda-feira, quando eu ainda escrevia artigo – surgiram as primeiras respostas. Mauricio Macri rompeu uma tradição de anos e deu uma entrevista coletiva como presidente eleito – fazia muito tempo que Cristina não se expunha às perguntas dos jornalistas –, afirmando, entre outras coisas, que daria continuidade aos julgamentos de crimes de lesa-humanidade. E, num gesto sem precedentes, os empregados de La Nación se organizaram para divulgar um comunicado de repúdio ao editorial do diário. Recorrendo a um expediente insólito, o jornal cedeu suas páginas para seus funcionários publicarem o texto. Com essa decisão, deu uma guinada simbólica que talvez nos permita acreditar numa mudança positiva. Que não é um slogan de campanha, mas uma profunda transformação coletiva que vem de muito antes, continua agora e segue em direção ao futuro: esse único mistério que é de todos e ao mesmo tempo de ninguém.

Josefina Licitra

Josefina Licitra, jornalista argentina, é autora de El Agua Mala: Crónica de Epecuén y las Casas Hundidas, da editora Aguilar

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

4

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

5

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

6

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana