tempos da peste

A dor é aqui

“Nas minhas caminhadas, vi a morte, vi o medo, vi a realidade que não sai na imprensa”

Marcelo Rocha
Paraisópolis, 20 de maio de 2020, 17h50
Paraisópolis, 20 de maio de 2020, 17h50

Desde o começo da pandemia no Brasil, minha preocupação maior era a seguinte: O que vai acontecer quando o vírus chegar às quebradas e periferias, onde o abandono é apenas uma das diversas violências cotidianas que sofremos? Então decidi registrar a forma como nosso povo está sendo afetado, em toda a sua diversidade. Sim, diversidade, porque favela não é uma coisa só – são vários, são muitos os recortes.

Nas fotos que publico nestas páginas da piauí, dou atenção especial a dois territórios que me marcaram muito nos últimos dias: Paraisópolis, em primeiro lugar, e Brasilândia, duas comunidades de São Paulo que têm lutado arduamente para impedir o crescente número de mortos do novo coronavírus. Nas minhas caminhadas pelos bairros, vi a morte, vi o medo, vi a realidade que não sai na imprensa, de gente que mora em casas onde muitas vezes é simplesmente impossível fazer isolamento de forma adequada.

É a realidade da pandemia, mas não só da pandemia.

Nas comunidades do meu povo, morre-se de Covid-19, como aconteceu com a doméstica Cleonice Gonçalves, a primeira vítima no Rio de Janeiro, mas também se morre de violência policial, como ocorreu com o garoto Guilherme Guedes, de 15 anos, morto com dois tiros na cabeça na Vila Clara, em São Paulo. Morre-se de fome. Morre-se de abandono.

Nestas fotografias, eu preferia trazer notícias sobre nossas potências, mas, neste momento, a marca maior é a dor. É tanta dor que tenho visto levantes de desespero em busca da fé. Claro: quando nossa condição de cidadão e de ser humano é ignorada, só o sagrado pode responder. Vi cultos evangélicos, missas e festas de candomblé. Tudo acontecendo normalmente. É duro retratar isso, mas nossas histórias precisam ser contadas. Quem sabe as imagens ajudem a questionar os privilégios de uma sociedade que continua matando – e o alvo, o alvo dessa morte, continua sendo o mesmo.

Cemitério Vila Formosa, 5 de junho de 2020, 10h
Cemitério Vila Formosa, 5 de junho de 2020, 10h
Morro Grande, 23 de maio de 2020, 14h
Morro Grande, 23 de maio de 2020, 14h
Ocupação 9 de julho, 4 de junho de 2020, 15h10
Ocupação 9 de julho, 4 de junho de 2020, 15h10
Vila Andrade, 21 de maio 2020, 16h15
Vila Andrade, 21 de maio 2020, 16h15
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 20h50
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 20h50
São Mateus, 23 de maio de 2020, 21h
São Mateus, 23 de maio de 2020, 21h
Vila Andrade, 21 de maio de 2020, 15h30
Vila Andrade, 21 de maio de 2020, 15h30
Favela da Capadócia, 12 de junho de 2020, 12h00
Favela da Capadócia, 12 de junho de 2020, 12h00
Brasilândia, 12 de junho de 2020, 13h10
Brasilândia, 12 de junho de 2020, 13h10
Vila Clara, 21 de junho de 2020, 17h
Vila Clara, 21 de junho de 2020, 17h
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 14h40
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 14h40
Paraisópolis, 18 de maio de 2020, 9h
Paraisópolis, 18 de maio de 2020, 9h

Marcelo Rocha

É fotógrafo e ativista em educação, negritude e mudanças climáticas. Foi curador da mostra Humano Cidade: Olhares Além da Medida

Leia também

Últimas

Celebridade versus Mito

Trupe de artistas e influencers contra Bolsonaro cresce nas redes, faz barulho e amplia a base de oposição

A importância do cinema brasileiro

Patrimônio merece ser preservado e protegido, não destruído

Desiguais até na infelicidade

Entre os 40% mais pobres da população brasileira, sensação de bem-estar geral caiu mais; para os 20% de renda mais alta, sentimento é de que a vida até melhorou

Lugar de militar é no quartel

Emenda que barra militares da ativa na administração pública é insuficiente, mas um bom começo para tirar Forças Armadas da política

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Mais textos