tempos da peste

A dor é aqui

“Nas minhas caminhadas, vi a morte, vi o medo, vi a realidade que não sai na imprensa”

Marcelo Rocha
Paraisópolis, 20 de maio de 2020, 17h50
Paraisópolis, 20 de maio de 2020, 17h50

Desde o começo da pandemia no Brasil, minha preocupação maior era a seguinte: O que vai acontecer quando o vírus chegar às quebradas e periferias, onde o abandono é apenas uma das diversas violências cotidianas que sofremos? Então decidi registrar a forma como nosso povo está sendo afetado, em toda a sua diversidade. Sim, diversidade, porque favela não é uma coisa só – são vários, são muitos os recortes.

Nas fotos que publico nestas páginas da piauí, dou atenção especial a dois territórios que me marcaram muito nos últimos dias: Paraisópolis, em primeiro lugar, e Brasilândia, duas comunidades de São Paulo que têm lutado arduamente para impedir o crescente número de mortos do novo coronavírus. Nas minhas caminhadas pelos bairros, vi a morte, vi o medo, vi a realidade que não sai na imprensa, de gente que mora em casas onde muitas vezes é simplesmente impossível fazer isolamento de forma adequada.

É a realidade da pandemia, mas não só da pandemia.

Nas comunidades do meu povo, morre-se de Covid-19, como aconteceu com a doméstica Cleonice Gonçalves, a primeira vítima no Rio de Janeiro, mas também se morre de violência policial, como ocorreu com o garoto Guilherme Guedes, de 15 anos, morto com dois tiros na cabeça na Vila Clara, em São Paulo. Morre-se de fome. Morre-se de abandono.



Nestas fotografias, eu preferia trazer notícias sobre nossas potências, mas, neste momento, a marca maior é a dor. É tanta dor que tenho visto levantes de desespero em busca da fé. Claro: quando nossa condição de cidadão e de ser humano é ignorada, só o sagrado pode responder. Vi cultos evangélicos, missas e festas de candomblé. Tudo acontecendo normalmente. É duro retratar isso, mas nossas histórias precisam ser contadas. Quem sabe as imagens ajudem a questionar os privilégios de uma sociedade que continua matando – e o alvo, o alvo dessa morte, continua sendo o mesmo.

Cemitério Vila Formosa, 5 de junho de 2020, 10h
Cemitério Vila Formosa, 5 de junho de 2020, 10h
Morro Grande, 23 de maio de 2020, 14h
Morro Grande, 23 de maio de 2020, 14h
Ocupação 9 de julho, 4 de junho de 2020, 15h10
Ocupação 9 de julho, 4 de junho de 2020, 15h10
Vila Andrade, 21 de maio 2020, 16h15
Vila Andrade, 21 de maio 2020, 16h15
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 20h50
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 20h50
São Mateus, 23 de maio de 2020, 21h
São Mateus, 23 de maio de 2020, 21h
Vila Andrade, 21 de maio de 2020, 15h30
Vila Andrade, 21 de maio de 2020, 15h30
Favela da Capadócia, 12 de junho de 2020, 12h00
Favela da Capadócia, 12 de junho de 2020, 12h00
Brasilândia, 12 de junho de 2020, 13h10
Brasilândia, 12 de junho de 2020, 13h10
Vila Clara, 21 de junho de 2020, 17h
Vila Clara, 21 de junho de 2020, 17h
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 14h40
Paraisópolis, 21 de maio de 2020, 14h40
Paraisópolis, 18 de maio de 2020, 9h
Paraisópolis, 18 de maio de 2020, 9h

Marcelo Rocha

É fotógrafo e ativista em educação, negritude e mudanças climáticas. Foi curador da mostra Humano Cidade: Olhares Além da Medida

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

9

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA