poesia

Pequena enciclopédia dos seres híbridos

Maria Esther Maciel
CREDITO: JULIA PANADÉS_2020

CÁGADO-TIGRE-D’ÁGUA (Trachemys dorbigni)

É um réptil que os humanos insistem em levar para casa, como se fosse adestrável. Mesmo não sendo peixe, sente-se à vontade nos rios, lagos e açudes. O que não o impede de também gostar de terras áridas. Cresce com certa rapidez, logo perdendo o ar de bichinho pet, que tanto atrai a criançada. Seu lado tigre está na cor e nas listras, embora, às vezes, o amarelo rajado da cabeça se aparente com o da abóbora. Agora há pouco, vi um na vitrine de uma loja. Boquiaberto, não tinha a mínima ideia do que fazia ali, naquele cárcere.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Maria Esther Maciel

É escritora, diretora da revista Olympio: Literatura e Arte e autora de Longe, Aqui. Poesia Incompleta 1998-2019

Leia também

Últimas

A linha cruzada de Max

Como um empurrão de Flávio Bolsonaro ajudou a minúscula telecom do dono da Precisa Medicamentos – e por que a Xis está no jogo bilionário do 5G

Cinemateca Brasileira em chamas – II

Foi preciso um fogaréu para comover quem ignorou o abandono da instituição

Garras olímpicas

Mais presentes nos pódios brasileiros do que em edições passadas, unhas decoradas também são parte da história dos jogos

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

Mais textos