esquina

Pig Brother

Porcos viram celebridades antes de virar linguiça

Tamine Maklouf
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

Uma votação incomum mobilizou 124 usuários do Facebook em janeiro. A partir de um punhado de fotos, eles tiveram que escolher um porco num universo de cinco concorrentes. O que diferenciava os candidatos eram detalhes como uma pinta preta ou uma orelha torta. A votação foi acirrada: ganhou um suíno malhado, com 35 votos, três à frente do segundo colocado. Desde então, os eleitores podem monitorar online a vida do escolhido até o dia em que vier a óbito e virar um apetitoso toucinho. Após o abate, é facultada aos interessados a aquisição de embutidos e derivados feitos com a suculenta carne do mamífero em questão, devidamente rotulados com a sua foto, data de nascimento e morte.

A ideia de vender “linguiças com rosto” é de Dennis Buchmann, um estudante de Berlim de 34 anos. Com o projeto Meine kleine Farm [Minha Fazendinha], idealizado durante sua pós-graduação em políticas públicas, ele pretende alertar para o consumo exagerado de “carne anônima”. Não se trata de humanizar os bichos que viram refeição, como faria Walt Disney. Os suínos comercializados por ele são identificados apenas por números – o animal eleito ficou conhecido como #2. “Meus porcos não são animais de estimação”, esclareceu o estudante. “Estão ali para ser comidos.”

Buchmann é alto, ruivo e fala depressa. Na sua avaliação, os alemães querem uma pecuária cada vez mais transparente. Para atender à nova e bestial Weltanschauung, nada mais apropriado que dar aos teutônicos a oportunidade de conhecer o leitão que vão deglutir, sua procedência, hábitos alimentares, características físicas e a maneira como foi criado. Alguns críticos acusaram-no de alimentar um fetiche mórbido. “Ora, o mínimo que se espera de alguém que queira comer carne é que seja capaz de olhar na cara do animal”, reagiu, impaciente. “Quem não aguentar que vire vegetariano.”

Pelo site do projeto, o interessado pode escolher um porco e encomendar seus derivados, quitutes que vão do patê de fígado ao chouriço. Um blog apresenta informações detalhadas sobre o cotidiano dos mimosos animais e uma ficha com peso, data de nascimento e abate. A procura é tão grande que, mesmo antes de sua morte, os derivados do #2 já estavam todos vendidos. Os 15 euros cobrados por um belo salsichão defumado – quase o triplo do que se paga por um equivalente produzido convencionalmente – parecem não assustar o boche urbanoide, que valoriza a alimentação orgânica e cultua uma romântica nostalgia da roça.



Um comentarista anônimo do blog pediu a Buchmann detalhes sobre o próximo animal a ir para a faca: “A vida do porquinho #6 foi tão boa quanto a do #5? Por favor, preciso contar a meus filhos mais detalhes sobre a vida desse porco, senão vão ficar decepcionados. Será que você poderia subir mais algumas fotos do #6?” Wunderbar!

A fazenda em que a bicharada pouco asseada vive é tocada por Bernd Schulz, um tipo falante e bonachão que virou ícone do nicho da suinocultura teuto-orgânica. Sua propriedade tem 53 hectares e fica numa cidadezinha de uma rua só chamada Gömnigk, a 75 quilômetros de Berlim. Lá é criada uma vara de 300 porcos, à base do bom e do melhor em matéria de centeio, cevada, trigo e feno – tudo orgânico (sim: como aprendemos nos bancos escolares, mas usamos só no vestibular, o coletivo de porcos é “vara”).

Quem visita a fazenda pode atestar que a porcaria de fato vive num ambiente assaz bucólico e familiar, para não dizer idílico – nada que lembre os hediondos chiqueiros com piso de cimento em que são confinados os pobres suínos fadados ao nefando manejo industrial.

Para saciar o suíno-voyeurismo dos compradores, foram instaladas na granja câmeras que transmitem em tempo real a rotina dos rabicós. É um Pig Brother. Uma das câmeras fica posicionada sobre um contêiner cheio de feno, direcionada para o guapo porcalhão escolhido pelos internautas. A imagem, que lembra o estilo nervoso de Fassbinder em O Assado de Satã, permite acompanhar a criatura de rosto triangular e 44 dentes enquanto chafurda na terra com suas patinhas curtas, agita com alegria o rabicho, confabula gravemente com seus pares, emporcalha o focinho cartilaginoso na lama e em seguida balança sensualmente a cabeça à la Gisele Bündchen, como se estivesse num comercial de xampu.

Dennis Buchmann acompanha o álacre refocilar de casa, em Berlim, onde divide o seu tempo entre o emprego de redator numa agência de comunicação, a gestão do Meine kleine Farm a redação de biografias das cobaias do projeto. O abate do animal #1 (“Um porco ótimo, nunca reclamou de nada”) foi descrito nos seguintes termos: “Em seu último dia de vida, quando Bernd foi buscá-lo com o caminhão, #1 subiu sozinho na rampa, feliz da vida. Nem precisamos insistir. Outros porquinhos vieram atrás e fizeram igual, seguindo-o quase saltitantes.”

Naquela noite, #1 dormiu no celeiro de Schulz e fez um jejum de sete horas. No dia seguinte, a caminho do abatedouro, tolinho, não imaginava o destino infausto que o aguardava. Chegando lá, refestelou-se ingenuamente no chão e deixou que lhe dessem um prazeroso banho de mangueira. Comportado e sem grunhir, recebeu o chamado abate humanitário, no qual o ser para a morte suíno-heideggeriano é insensibilizado por eletronarcose. Anestesiado e inconsciente, foi suspenso por uma perna e – Zack! – degolado sem apelação. Quando sua morte foi anunciada na internet, logo em seguida, apareceu um comentário: “Nunca esqueceremos de ti, #1.”

Ao todo, #1 rendeu 123 quilos de carne, distribuídos em 250 vidros de embutidos e 320 salsichões de dar água na boca. Dennis Buchmann recolhe pessoalmente a mercadoria e leva de carro até sua casa, de onde comanda a logística de envio aos compradores. “Ainda tenho que limpar todos os vidros e colar as etiquetas. Faço tudo sozinho”, disse o estudante. Gierigsten, separa o filé e as costelas para si.

Tamine Maklouf

Tamine Maklouf é jornalista e ilustradora.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

8

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

9

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

10

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer