poesia

Poesias

Oito poemas de Hans Magnus Enzensberger traduzidos por Vinicius Dantas

A MERDA

como sempre ouço falarem dela
como se a culpa de tudo fosse sua.
vejam só, quão suave e modesta
ela toma seu lugarzinho embaixo de nós!
por que sujamos então
seu bom nome
e o concedemos
ao presidente dos estados unidos,
aos tiras, à guerra
e ao capitalismo ?

quão transitória ela é,
mas como dura
tudo aquilo que leva o seu nome!
ela, tão condescendente,
está na ponta da língua,
se o assunto é exploração.
ela, que esprememos,
ainda por cima deve exprimir
a nossa raiva ?

ela não nos aliviou ?
de consistência mole
e particularmente não-violenta
é de todas as obras do homem
provavelmente a mais pacífica.



o que foi então que ela nos fez ?

 

O NOVO HOMEM

Este novo homem
tem um jeito estranho.

Faz bem,
a cara que não tem.

“A cara do pai”.
Tomara que não.

Trabalha pesado,
barulhos produz.

Não adivinhamos
o que está querendo.

Respira, rumina,
rasteja, resmunga.

Hesitando, descobre
os dois lados da coisa.

Trepa nas palavras,
testando

gangorras, balanços,
ousadia, medo.

Um dia, mais esperto
que nós, nos espanta.

Então, enquanto aos poucos
morremos,

a sua cara vai ficando,
mais e mais, a nossa cara.

 

MÚSICA DO FUTURO

A que não agüentamos esperar
vai nos ensinar.

Brilha, é incerta, longe.

A que deixamos vir até nós,
não nos espera,
não vem até nós,
não volta a nós,
fica a caminho.

Não nos pertence,
não pergunta por nós,
nada quer saber de nós,
nada nos diz,
vem e não é para nós.

Não esteve,
não está nem aí para nós,
nunca esteve aí,
nunca está aí,
nunca está.

 

A ALEGRIA

ela não quer que eu fale dela
ela não pára no papel
ela não suporta profetas

ela põe abaixo tudo que é sólido
ela não mente
ela se amotina

ela só ela me justifica
ela é minha razão
ela não me pertence

ela é estranha e teimosa
eu a escondo
como uma vergonha

ela é fugaz
ninguém pode partilhá-la
ninguém pode guardá-la para si

eu nada guardo
eu partilho tudo com ela
ela parte para outra

um outro a esconderá
na sua fuga vitoriosa
através da mais longa noite.

 

CARCERI D’INVENZIONE

estas abóbodas
escuras claras escuras

relâmpagos sem céu
raios sem astro
nem dia nem noite

estas abóbodas
racionais e enigmáticas
estes alçapões e covis
nos acolhem
estas aberturas e galerias
nos acobertam
estes arcos e pontes
nos desnorteiam

ante estas armações
que nos sobrepujam
parecemos
mudos e diminutos
sonhadores insones
prisioneiros
não vencidos

estas masmorras
em que fervilha
em que impera o desamparo
estas abóbodas sonhadas
infinitamente escuras
infinitamente claras
infinitamente

impenetráveis
são
nossas cabeças cheias de sonho

 

O QUE FOI AÍ

Foi algo de bom,
passou,
por aí.
Pena,
que seja tão difícil
de lembrar
algo de bom.
Saber,
como realmente era.
Como foi real.

Foi, creio,
algo bastante comum,
fantástico.
Algo que
creio ter visto,
ou cheirado,
ou pegado.

Mas se era grande
ou pequeno,
novo ou velho,
claro ou escuro,
isso já não sei.

Só que era melhor
que o que aí está,
muito melhor,
isso ainda eu sei.

 

CARDÁPIO

numa tarde à toa, hoje
vejo em minha casa
pela porta aberta da cozinha
uma leiteira    um ralador de cebola
o pires do gato.
sobre a mesa tem um telegrama.
que eu não li.

num museu em amsterdã
vi num quadro antigo
pela porta aberta da cozinha
uma leiteira    uma cesta de pão
o pires do gato.
sobre a mesa tinha uma carta.
que eu não li.

numa datcha à margem do mosková
vi há algumas semanas
pela porta aberta da cozinha
uma cesta de pão    um ralador de cebola
o pires do gato.
sobre a mesa tinha o jornal.
que eu não li.

pela porta aberta da cozinha
vejo leite derramado
guerras de trinta anos
lágrimas nos raladores de cebola
mísseis anti-mísseis
cestas de pão
lutas de classes.

embaixo à esquerda bem no canto
vejo o pires do gato.

 

A FORÇA DO HÁBITO
O hábito torna belo o erro.
christian fürchtegott gellert

I
Gente comum comumente não se importa
com gente comum.
E vice-versa.
Gente comum acha fora do comum
que a achem fora do comum.
É que já não é gente comum.
E vice-versa.

II
Que a tudo a gente se habitue,
a isso a gente se habitua.
É o que habitualmente se chama
um processo de aprendizagem.

III
É doloroso,
quando a dor de hábito não vem.
Como se cansa a mente esperta
Da própria esperteza!
O cara simples aí acha difícil por exemplo
ser um cara simples,
ao passo que aquela personalidade complexa
desfia suas dificuldades
como a beata o rosário.
Por toda parte esses eternos principiantes,
em estado terminal faz tempo.
Mesmo o ódio é um hábito do peito.

IV
Estamos habituados
ao que não tem precedentes.
Temos o usucapião
do que não tem precedentes.
Um escravo de seus hábitos
topa na esquina de hábito
com um criminoso habitual.
Uma ocorrência inaudita.
A merda de hábito.
Os clássicos pegaram o hábito
de romanceá-la.

V
Suavemente o hábito da força repousa
na força do hábito.

Leia também

Últimas Mais Lidas

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Respirador dá fôlego a devedor

Ministério da Saúde contrata para fornecer ventiladores empresa que deve pelo menos 75 milhões de reais em impostos federais, estaduais e municipais

Foro de Teresina #110: Bolsonaro e o partido da boquinha

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
2

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

3

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

O paciente H.M.

Por trás dessas duas iniciais, a história de um filho de eletricista cujo cérebro recebe cuidados semelhantes aos de Einstein

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

8

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram