poesia

Quatro poemas de viagem

Julia de Souza

POEMA PARA ESGOTAR A CASA

impossível fossilizar a casa

manter os dentes sadios

contá-los um a um em sua boca



impossível conter o sorriso

mesmo sabendo que a casa

é uma outra

 

vontade que a casa anule

o mundo que a casa seja

o próprio mundo

 

que a casa seja um aquário

seja um museu

(do not disturb)

 

se conseguir atinar

a vastidão de seu presente

serei um recém-chegado crônico

 

já é impossível pensar

o mundo sem a mediação

da casa

 

(teria sido preciso esgotar o tema da casa)

 

não quero querer mas

quero de volta a impossível

casa autêntica

 

(a casa me dá saudade do lar)

 

é preciso interditar a casa

deixar que o mato a engula

cresça sem rodeios

dentro dos carros

forre a mesa de jantar esconda

a insistência dos remendos

 

a nossa casa castelo de cartas

ainda guarda restos de

qualquer coisa que foi embora cedo.

 

INVERNO

aos sábados assam

um porco em cada esquina

e lá fora todos pensam que nosotros

somos pobres

eu estava em qualquer outro lugar

menos onde pensei que estaria

you speak a very good english

disse o sri-lanko canadense manco

eu a única hóspede mulher

no hotel beira de estrada

fora as putas

dos canadenses com quem

às vezes elas se casam

e nem era temporada

anotei muitas vezes

lembrar-se de exceções e falsos

cognatos

a caminho da praia.

 

ESTRANGEIRO

jurou conhecer

cada lugar de

cada página da

national geographic

nem é tão frio no polo sul

no meu tempo se podia

viver acho que vim

de navio trinta dias ou

mais até o porto de

santos preciso parar e

lembrar tudo o que fiz.

por fim apontou o mar

e disse no meu tempo

tudo isso aí

era mato.

 

FOTOGRAFIA

os turistas não entenderam

por que aos onze anos

não quis entrar na tumba

no meio do deserto

fiquei no ônibus muito cética

aos cuidados do motorista

que riu do meu descaso

e me trouxe uma coca-cola

depois de tanta ruína

amarelo sobre amarelo

é difícil enxergar o extraordinário.

àquela altura eu não sabia

por milímetros não acertamos

nem um beijo na esfinge.

Julia de Souza

Julia de Souza, poeta paulistana, é autora de Covil, lançado pela 7Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina a jato

Contra a Covid-19, empresas e OMS analisam liberar produto com 60% de eficácia, mas pesquisadores debatem riscos éticos e sanitários

A Bíblia e a bala

Nas polícias, setores evangélicos pentecostais dão sustentação às posições mais radicais do bolsonarismo

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Dois trilhões de suspeitas

Documentos secretos do governo americano mostram como cinco bancos multinacionais ignoraram alertas e movimentaram dois trilhões de dólares de clientes investigados por crimes de todo tipo durante anos

Um calote de R$ 158 milhões

Grupo Schahin usou empresa de fachada para ocultar fortuna em processo de falência; documentos dos FinCEN Files organizados pelo ICIJ embasaram a reportagem

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

Juízes vão ganhar auxílio-greve

“Você já viu o preço de um megafone hoje em dia? Sabe quanto custa mandar fazer faixas, camiseta, alugar carro de som?” Com essas palavras o ministro Luiz Fux justificou a aprovação do auxílio-greve para juízes federais que farão parte da mobilização que tenta barrar o fim do auxílio-moradia aos magistrados

7

Pero sin perder la broma

A revista que inferniza a monarquia espanhola se adapta aos tempos de crise

10

Chiclete com Banana adere à gourmetização e muda nome para Shitake com Macadâmia

AMARALINA - Em reformulação desde a saída do vocalista Bell Marques, o grupo Chiclete com Banana resolveu dar uma guinada radical para se adequar aos novos tempos. "Se você é diferenciado / Vem dançar ao som do berimbau goumertizado / Se Caetano estacionou o carro no Leblon / Eu brindo a vida com Paleta e Chandon", cantarolou o novo vocalista da banda, João Doria Junior.