esquina

Rádios hermanas

Ondas latinas em São Paulo

Leandro Aguiar
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2019

Eram quase cinco da tarde, e Miguel Angel Ahumada revisava apressadamente suas anotações. Naquele domingo, 9 de junho, o locutor do programa Latinoamerica no Ar pretendia inteirar os ouvintes dos principais temas tratados no 5º Simpósio Internacional sobre Religião e Migração, realizado na semana anterior, na PUC-SP. Com as flautas andinas da vinheta soando como fundo musical, o jornalista chileno destacou aquele que considera o maior desafio atual para os deslocamentos humanos, que “nunca, na história, deixaram de acontecer”: o avanço da extrema direita.

“A extrema direita usa o populismo para tratar da questão migratória, sem apresentar soluções efetivas”, disse o radialista de 54 anos, em português carregado de sotaque. “Dialogar é a melhor forma de chegar a um denominador comum”, completou, citando como exemplo a postura do papa Francisco, de quem é admirador confesso. Em seguida, Ahumada mandou tocar El Reloj, na interpretação de seu compatriota Lucho Gatica, que encerrou o primeiro bloco do programa. 

Latinoamerica no Ar começou a ser transmitido em 2010, sempre às cinco da tarde de domingo, pela 9 de Julho, “a rádio da Igreja de São Paulo” (AM 1600 kHz). Como as emissoras prestam pouca atenção aos estrangeiros que vivem no Brasil, a Pastoral do Migrante, por intermédio do padre Mário Geremia, resolveu propor à Arquidiocese de São Paulo que abrisse um horário para os hermanos. Ahumada e Patrícia Rivarola, filha de mãe paraguaia e pai cearense, estão à frente da iniciativa desde o início. 

O programa dura uma hora, com cardápio extenso: anuncia festas típicas, homenageia aniversariantes, noticia sobre missas em espanhol, transmite música e os comentários engajados de Ahumada. É um ponto de encontro de imigrantes vindos de diferentes países – são mais de 385 mil em situação regular apenas na cidade de São Paulo, segundo dados de junho de 2016, da Polícia Federal. “O rádio é um meio direto e prático para trabalhar em conjunto com os imigrantes e acolhê-los, abordando as necessidades de cada uma das comunidades”, resumiu o locutor.

Quando o relógio se aproximava das seis da tarde, Ahumada, depois de ler uma nota das Nações Unidas sobre os venezuelanos que deixaram seu país – mais de 4 milhões desde o fim de 2015 –, reafirmou a necessidade de os governos acolherem essas populações “vítimas de desequilíbrios econômicos sem precedentes”. E exortou, em castelhano, os venezuelanos residentes em São Paulo a constituir uma associação para reivindicar seus direitos: Una persona sola no consigue casi nada.

 

Chileno de Santiago, Ahumada busca manter pulsante sua veia de comunicador desde que imigrou para o Brasil em 1990. Nos primeiros anos, entretanto, além de penar para aprender português, teve de se afastar do jornalismo para embrenhar-se na epopeia burocrática dos imigrantes latinos em busca de regularização no país. Enquanto providenciava a nova documentação e a revalidação de seu diploma (ele é formado pela Universidade do Chile), fez um pouco de tudo. Chegou, inclusive, a integrar a enorme indústria têxtil que absorve boa parte da mão de obra imigrante: tornou-se vendedor ambulante de linhas de costura.

Vencidas as dificuldades iniciais, Ahumada rumou para o interior de São Paulo, no encalço de oportunidades. Em 1994, foi convidado por amigos brasileiros para ocupar a faixa da noite na Rádio Coluna FM, em São Roque (SP). Passou a conduzir o programa Os Grandes Clássicos, dedicado não exatamente a Bach, Beethoven e Brahms, mas aos imortais do rock, como Led Zeppelin e The Doors.

Nessa época, várias rádios em espanhol começaram a operar clandestinamente em São Paulo, como a Expressão Latina e a Sudamérica, hoje extintas. Locutores em sua maioria bolivianos e peruanos passaram a frequentar as ondas FM e a transmitir notícias sobre crimes contra imigrantes, resenhas do futebol latino-americano, recados amorosos e sorteios de brindes. Nos intervalos, entre cúmbias e reggaetons, espalhavam-se as cobiçadas propagandas de lojas e indústrias de confecções.

 

A popularização da internet possibilitou na última década a criação das rádios online, que têm a vantagem de não serem importunadas pela polícia como são as emissoras piratas am ou fm

Até mesmo os padres scalabrinianos, que se dedicam a apoiar os imigrantes, dispõem de uma rádio online. Chama-se Migrantes, foi criada com a ajuda de Ahumada e Rivarola e apresenta desde programas sobre o estilo de vida dos bolivianos no Brasil (Falando Portunhol) até debates com professores universitários (Travessia Sonora). Diariamente, o padre Paolo Parise, em um português com discreto sotaque italiano, faz uma análise dos fatos em Coyuntura de la Semana

Produzida por radialistas voluntários de diversas nacionalidades, a programação da Migrantes é transmitida majoritariamente em espanhol, mas também apresenta locuções em português e, para alcançar a comunidade haitiana, em francês. O próximo objetivo é investir na onda dos podcasts.

Mas nem só de notícias e debates vivem os ouvintes latinos. Saudosa das canções em espanhol, a comunidade imigrante em São Paulo providenciou uma penca de rádios online, como a Bolívia, a Infinita, a Mega Fox, a Okey, a Gigante Musiquero e a Invasion, voltadas para a transmissão de músicas. É nos grupos de WhatsApp dessas emissoras, aliás, que se decide parte da vida social da juventude imigrante, com convocatórias para festas e shows, nos quais locutores e ouvintes confraternizam.

Um dos apresentadores mais conhecidos da Radio Bolívia FM é Emerson Pairumani Salcedo, de 26 anos, nascido em La Paz, idealizador, produtor, roteirista, editor e locutor do programa Ritmo Virtual, com atrações do pop latino. Como não dá para viver só de rádio, Pairumani também é locutor de lojas, DJ, animador de eventos e cantor. 

Engravatado, ele costuma se apresentar em um amplo salão de festas nas cercanias da rua Coimbra, a “rua dos bolivianos”. Tenemos que aprender a conocernos, asi que esa música va para todos, disse ele a uma plateia de cerca de duzentas pessoas numa noite de sábado. Uma chorosa sanfona da banda de covers latinos Agrupación Prodigo emendou a canção Cómo Te Voy a Olvidar, clássico da cúmbia. E Pairumani entoou: Amor, amor, amor/Quiero volver a besar tus labios rojos… A plateia, emocionada, também soltou a voz.

Leandro Aguiar

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

4

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

5

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

6

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana