questões político-culturais

Regina no país dos olavistas

Os 77 dias em que a atriz foi triturada pela polícia ideológica do governo Bolsonaro

João Gabriel de Lima
Regina, no mundo do bolsonarismo: afinal, como a atriz conseguiu se aproximar de um presidente que enaltece o torturador de uma de suas amigas? – eis a pergunta do ator Paulo Betti
Regina, no mundo do bolsonarismo: afinal, como a atriz conseguiu se aproximar de um presidente que enaltece o torturador de uma de suas amigas? – eis a pergunta do ator Paulo Betti ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES_2020

Selfies. Sorrisos. Mais selfies, mais sorrisos. Ainda mais selfies, ainda mais sorrisos. A atriz Regina Duarte, dona de uma carreira de quase seis décadas na televisão e no teatro, tinha certa dificuldade para caminhar entre os convidados no lançamento do novo canal de tevê a cabo, a CNN Brasil. Cinco dias antes, ela tomara posse como secretária especial da Cultura, o quarto nome a ocupar o cargo no governo de Jair Bolsonaro. Convidada para a função no dia 17 de janeiro, ela tomara todas as precauções possíveis antes de aceitar o convite. Esteve em Brasília duas vezes, fez um tour de reconhecimento pela secretaria, conversou demoradamente com o presidente e, depois de doze dias de avaliação, em 29 de janeiro, finalmente aceitou o convite. No dia 4 de março, numa cerimônia agitada pela presença do rosto famoso, mas com uma diminuta presença de artistas, Regina Duarte tomou posse e fez um discurso de quinze minutos. Anunciou que seu propósito era “a pacificação e o diálogo permanente”, lembrou que o presidente lhe prometera autonomia plena, com “porteira fechada, carta branca”, e disse a frase de efeito que virou meme: “Cultura é aquele pum produzido com talco espirrando do traseiro do palhaço.” Os críticos apelidaram sua posse de “pum do palhaço”.

Agora, cinco dias depois de assumir o cargo, Regina Duarte estava no Parque Ibirapuera, em São Paulo, prestigiando o lançamento da CNN Brasil. Na lanchonete ao lado da Oca, prédio que abrigava os 1 300 convidados do evento, ela chegou animada, sorridente e bem-disposta. Estava feliz com a nomeação de sua amiga de longa data, Maria do Carmo Brant de Carvalho, a Carminha, especialista em políticas públicas, para ser sua secretária da Diversidade Cultural. “Meu primeiro cargo em um governo foi no conselho do programa Comunidade Solidária, no governo Fernando Henrique Cardoso, e a Carminha estava lá comigo”, disse Regina, enquanto pedia licença para posar para mais uma selfie sorridente com uma fã angolana. Estava alegre porque havia vencido as dificuldades burocráticas com a nomeação da amiga. “Numa peça de teatro, você escolhe o elenco e marca os ensaios. Num ministério, há toda uma burocracia, você escolhe alguém e tem que passar por vários filtros.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

João Gabriel de Lima

Colunista de O Estado de S. Paulo, é professor do Insper e da Faap, e autor de O Burlador de Sevilha

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira