esquina

Sambódromo no Punjab

Jai Hindustan! Pakistan zindabad!

Felipe Marra
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

Cansado de fotografar a troca de guarda da rainha no Palácio de Buckingham? Sem ânimo para admirar novamente o ritual em memória ao soldado desconhecido no cemitério de Arlington, perto de Washington? Alternativa existe, e ela ganha de longe em exuberância. Só que fica um tanto fora de mão. Mais exatamente, fica em Wagah, vilarejo que abriga um histórico posto de fronteira que separa a Índia do Paquistão.

De Nova Delhi até Amritsar, a cidade de médio porte mais próxima de Wagah, são seis horas e 450 quilômetros de trem. De Amritsar até Wagah são outros trinta minutos de carro. E do estacionamento militar até o fim oficial da Índia naquele pedaço do Punjab, chega-se a pé.

Para aceder às arquibancadas do posto de fronteira, e ali assistir ao espetáculo que se realiza todo santo dia, há 52 anos, o visitante é revistado por soldados de bigodes imponentes, craques em organizar filas (apropriadamente) indianas.

O rigor da inspeção é explicável na cidade dividida durante a partilha de 1947, que marcou o fim do domínio britânico e a criação da Índia secular e do Paquistão muçulmano. O espetáculo encenado em Wagah serve de barômetro para as tensões entre as duas potências nucleares, e atrai perto de 8 mil pessoas em dias de semana. Num sábado ensolarado do mês passado, a plateia chegou perto de 30 mil.

Passada a meticulosa inspeção, o visitante é encaminhado para um, digamos assim, sambódromo de 200 metros de extensão, que faz as vezes de terra de ninguém, ou zona neutra. Do lado indiano, o acesso às arquibancadas se dá por meio de um arco. Mulheres se acomodam de um lado, homens do outro. O setor masculino é entrecortado por vestiários de soldados, e uma laje na qual ficam possantes caixas de som. O volume das caixas é regulado de forma a impedir a infiltração de qualquer música paquistanesa naquele pedaço de chão ainda indiano.

A infraestrutura do lado paquistanês é um pouco mais modesta, mas o entusiasmo das arquibancadas é semelhante. A separar as duas nações, e dividindo a passarela ao meio, dois portões de ferro, cada qual pintado e engalanado com as cores nacionais. No início da cerimônia eles estão abertos.

O público indiano é preparado para o espetáculo por um animador que não para de gritar slogans patrióticos, ecoados fervorosamente pelas arquibancadas. O grito de Jai Hindustan (“Viva a Índia!”) é imediatamente respondido por Pakistan zindabad (“Vida longa ao Paquistão!”).

Para estimular a participação do público, o animador escolhe algumas meninas das arquibancadas e as alinha na passarela, em fila dupla. Empunhando uma grande bandeira indiana, as duplas correm em direção ao Paquistão, param na faixa da fronteira pintada no asfalto, e agitam galharda e vigorosamente o pavilhão. O povoléu do lado indiano explode como se comemorasse um gol. Do lado paquistanês chovem vaias, como se as jovens tivessem marcado um gol em impedimento.

Em seguida são os guardas de cada país que entram em cena, estimulados pelos gritos de guerra vindos da assistência binacional. E é então que o turista fica atarantado. Enquanto as trocas de guarda em Londres e Arlington são feitas em respeito ao monarca local, ou aos mortos em guerras, a cerimônia de Wagah é uma provocação direta ao país vizinho. Feita em modo carnavalesco, com desdém coreografado.

De sobrancelhas franzidas e bigodes reluzentes, portando uniformes cáqui engomados, e com uma garrida crista vermelha na cabeça, os soldados indianos marcham rumo ao Paquistão num ritmo que um espectador distraído atribuiria a um mal intestinal súbito. Chegados à marca da fronteira, passam a balançar os braços em sincronia e produzem chutes voadores que aproximam o pé da cabeça. Alternadamente, bufam a plenos pulmões e batem os pés com vigor, mantendo os peitos inflados contra o inimigo vizinho. Evoluções semelhantes são repetidas pela soldadesca paquistanesa.

Houve época em que a coreografia incluía meneios de cabeça e sinais negativos com as mãos. Mas, com o intuito de melhorar as relações entre os dois países, foram arquivados de parte a parte.

 

O clímax do espetáculo é reservado para o final, quando os soldados começam a arriar as bandeiras. É de suma importância que elas desçam rigorosamente ao mesmo tempo. Quando ocorre alguma diferença milimétrica, o pandemônio se instala. Na cerimônia daquele sábado de março, o lado paquistanês entoou um urro uníssono de gáudio quando o pavilhão nacional pareceu estar ligeiramente acima da bandeira indiana. Às arquibancadas indianas só restou responder com loas à pátria. Ao fim, dois soldados, um indiano e um paquistanês, trocam um aperto de mãos sorrateiro, seguido de um sorriso envergonhado, logo camuflado pelo estrondo que acompanha o fechamento dos portões.

A cerimônia, que dura uma hora e meia, termina com o pôr do sol e encerra mais um dia de convívio áspero entre os dois vizinhos. Desde a partição da Índia britânica, mais de 1 milhão de pessoas morreram em confrontos entre hindus e muçulmanos. Mas um jovem indiano sentado na arquibancada disse não sentir nenhum ódio do país cujo nome não ousa pronunciar: “Não tenho nada contra as pessoas de lá, gostaria até mesmo de atravessar a fronteira algum dia.”

Conteúdo extra

Veja como é a troca de guarda

Felipe Marra

Felipe Marra é jornalista e editor brasileiro residente em Londres. 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo