poesia

Seis poemas de Wallace Stevens

Wallace Stevens e Paulo Henriques Britto
FREER GALLERY OF ART_SMITHSONIAN INSTITUTION_WASHINGTON, D.C._TRANSFER FROM THE UNITED STATES CUSTOMS SERVICE_DEPARTMENT OF THE TREASURY_FL980.112C

Vida de poeta foi algo que Wallace Stevens (1879–1955) definitivamente não teve: rico, eleitor do Partido Republicano, quase sempre de terno e gravata nas fotos, trabalhou desde 1916 numa grande companhia de seguros em Hartford, Connecticut, chegando a tornar-se vice-presidente da firma. Viajava principalmente a trabalho – nunca foi à Europa – e, quando fazia uma viagem de lazer, ia principalmente à Flórida, sem a mulher, onde pescava, bebia (ela não o deixava beber em casa) e brigava (uma vez com Hemingway, de quem levou uma surra).

Só começou a escrever seus poemas importantes quando já tinha 35 anos, e continuou a produzir peças da maior qualidade depois dos 70. Sua poesia, que dialoga com os pintores e os filósofos modernos, desenvolve uma reflexão sobre o significado da arte, que para Stevens – como ele afirma numa de suas muitas obras-primas, “Sunday morning” – é o que nós, modernos, temos para pôr no lugar da religião. É de “Sunday morning”, aliás, um de seus versos lapidares: Death is the mother of beauty (“A morte é a mãe da beleza”). Um dos poemas em que tematiza as possibilidades da poesia moderna, “The poems of our climate”, contém este verso: The imperfect is our paradise (“O imperfeito é nosso paraíso”); no entanto, Stevens é dos que chegam mais perto da perfeição possível no trabalho poético. Foi um dos maiores poetas da língua inglesa num século que contou com Yeats, Eliot, Pound e Williams, o que não é pouca coisa.

Quase todos os poemas selecionados aqui saíram no primeiro livro de Stevens, Harmonium, em 1923. A exceção é o encantador “Song”, escrito em 1916 e publicado em Others: A Magazine of the New Verse, revista de poesia de vanguarda que circulou em Nova York entre 1915 e 1919; o poema não foi incluído por Stevens em nenhum de seus livros. “Tattoo” e “The worms at Heaven’s gate” foram traduzidos anteriormente por Augusto de Campos (em Poesia da Recusa, publicado em 2006 pela Perspectiva).

PAULO HENRIQUES BRITO

TATTOO

 

The light is like a spider.

It crawls over the water.

It crawls over the edges of the snow.

It crawls under your eyelids

And spreads its webs there –

Its two webs.

 

The webs of your eyes

Are fastened

To the flesh and bones of you

As to rafters or grass.

 

There are filaments of your eyes

On the surface of the water

And in the edges of the snow.

 

TATUAGEM

A luz lembra uma aranha.

Caminha sobre a água.

Caminha pelas margens da neve.

Penetra sob as tuas pálpebras

E espalha ali suas teias –

Duas teias.

 

As teias de teus olhos

Estão atadas

À carne e aos ossos teus

Como a um caibro ou capim.

 

Há filamentos de teus olhos

Na superfície da água

E nas margens da neve.

 

OF HEAVEN CONSIDERED AS A TOMB

What word have you, interpreters, of men

Who in the tomb of heaven walk by night,

The darkened ghosts of our old comedy?

Do they believe they range the gusty cold,

With lanterns borne aloft to light the way,

Freemen of death, about and still about

To find whatever it is they seek? Or does

That burial, pillared up each day as porte

And spiritous passage into nothingness,

Foretell each night the one abysmal night,

When the host shall no more wander, nor the light

Of the steadfast lanterns creep across the dark?

Make hue among the dark comedians,

Halloo them in the topmost distances

For answer from their icy Élysée.

 

O CÉU CONCEBIDO COMO UM TÚMULO

Que me dizeis, intérpretes, dos que

No túmulo do céu andam à noite,

Fantasmas negros da comédia finda?

Creem, talvez, que vagarão pra sempre

No frio, no escuro, com lanternas altas,

Libertos da morte, a buscar sem trégua

O que quer que busquem? Ou a lembrança

Do enterro, portão da espiritual

Chegada ao nada, é antevisão diária

Daquela noite única e abissal

Em que as hostes não mais caminharão,

Nem mais lanternas riscarão a treva?

Gritai essa pergunta aos céus, que a ouçam

Os sombrios comediantes, e a respondam

Do seu longínquo e gélido Élysée.

 

SONG

There are great things doing

In the world,

Little rabbit.

There is a damsel,

Sweeter than the sound of the willow,

Dearer than shallow water

Flowing over pebbles.

Of a Sunday,

She wears a long coat,

With twelve buttons on it.

Tell that to your mother.

 

CANÇÃO

Há coisas esplêndidas acontecendo

No mundo,

Coelhinho.

Há uma donzela,

Mais doce que o som do salgueiro,

Mais suave que água rasa

Correndo sobre seixos.

No domingo,

Ela veste um casaco longo,

Com doze botões.

Conta isso à tua mãe.

 

GUBBINAL

That strange flower, the sun,

Is just what you say.

Have it your way.

 

The world is ugly,

And the people are sad.

 

That tuft of jungle feathers,

That animal eye,

Is just what you say.

 

That savage of fire,

That seed,

Have it your way.

 

The world is ugly,

And the people are sad.

 

PARVOÁLIA

Essa flor estranha, o sol,

É o que você diz que é.

Se é assim que você quer.

 

O mundo é feio,

E ninguém é feliz.

 

Esse tufo de plumas de bugre,

Esse olho animal,

É o que você diz que é.

 

Esse selvagem de fogo,

Essa semente,

Se é assim que você quer.

 

O mundo é feio,

E ninguém é feliz.

 

DEPRESSION BEFORE SPRING

The cock crows

But no queen rises.

 

The hair of my blonde

Is dazzling,

As the spittle of cows

Threading the wind.

 

Ho! Ho!

 

But ki-ki-ri-ki

Brings no rou-cou,

No rou-cou-cou.

 

But no queen comes

In slipper green.

 

DEPRESSÃO ANTES DA PRIMAVERA

O galo canta,

Mas rainha alguma se levanta.

 

Minha loura tem cabelos

Deslumbrantes,

Como o cuspo das vacas

Costurando o vento.

 

Uô! Uô!

 

Mas cocoricó

Não traz curru nenhum,

Nenhum curru-curru.

 

Mas rainha alguma vem

Com verde chinelinha.

 

THE WORMS AT HEAVEN’S GATE

Out of the tomb, we bring Badroulbadour,

Within our bellies, we her chariot.

Here is an eye. And here are, one by one,

The lashes of that eye and its white lid.

Here is the cheek on which that lid declined,

And, finger after finger, here, the hand,

The genius of that cheek. Here are the lips,

The bundle of the body and the feet.

. . . . . . . . . . .

Out of the tomb we bring Badroulbadour.

 

OS VERMES AOS PORTÕES DO PARAÍSO

Da tumba, trazemos Badrulbadur,

Em nossos ventres, sua carruagem.

Eis um olho. E eis aqui, um por um,

Os cílios desse olho e a alva pálpebra.

Eis a face em que a pálpebra descia,

E aqui, dedo após dedo, eis a mão,

O gênio dessa face. Eis os lábios,

Eis o fardo do corpo, mais os pés.

. . . . . . . . . . .

Da tumba trazemos Badrulbadur.

Wallace Stevens

Wallace Stevens (1879–1955), poeta norte-americano, publicou, entre outros livros, Harmonium (Faber & Faber) e The Man with the Blue Guitar (Knopf). No Brasil, a Companhia das Letras lançou a coletânea Poemas.

Paulo Henriques Britto

Paulo Henriques Britto é escritor e tradutor. Seu livro de poesia mais recente é Formas do Nada, lançado pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira