esquina

Sherlock vai às compras

Uma rede de lojas na Espanha onde nada é o que parece

Flávia Mantovani
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

A crise econômica elevou as vendas de livros em uma rede de lojas da Espanha. Os clientes levam para casa títulos tão diversos como o Nuevo Diccionario Español, a novela americana Sister Mine [Irmã Minha] ou White Protestant Nation [Nação Branca Protestante], um calhamaço sobre o conservadorismo nos Estados Unidos. Mas, por favor: ninguém conclua que os espanhóis estão investindo em livros para combater o desemprego. Os volumes em questão são ocos. Sua função é servir de esconderijo insuspeito para joias, dinheiro e outros bens.

Os livros secretos são feitos com obras genuínas, comercializadas no mercado. As páginas iniciais são deixadas intactas, e a caixa só aparece depois de começado o primeiro capítulo. Estão à venda na Tienda del Espía [Loja do Espião], rede especializada em artigos de segurança e investigação. Dividem a vitrine com falsos potes de laquê, caixas de cereais e latas de refrigerante. Com a frágil situação do sistema financeiro espanhol, o mercado para a linha de recipientes ocultos ganhou impulso. “As pessoas já não confiam nos bancos”, explicou Antonio Durán, proprietário da loja. “Muitas estão tirando o dinheiro da conta para guardá-lo em casa.”

Na vitrine, nada é o que parece. Por trás de relógios, óculos, cintos, colares e até um capacete de ciclista, há câmeras ou gravadores escondidos. É o caso de uma calculadora que, além de fazer contas, grava até 33 horas de conversa. Ou de uma discreta caneta que pode registrar seis horas de vídeo.

Os pen drives vendidos ali também costumam esconder gravadores, quando não algo ainda mais sofisticado: programas para controlar computadores ou celulares a distância. “Serve para fiscalizar os filhos, o companheiro ou os funcionários”, exemplificou Yolanda Porras, braço direito do dono da loja. “É o máximo!”

Outro produto muito procurado é o sistema de escuta ambiental, que transmite as conversas de um recinto. “Se seu marido viaja muito, você pode colocar o aparelho no carro, debaixo do assento, e escutar tudo o que é dito lá dentro, em tempo real e sem que ele perceba”, sugeriu Antonio.

O acervo da loja inclui ainda estetoscópios para auscultar paredes, binóculos com visão noturna, óculos escuros com sistema retrovisor para enxergar o que acontece atrás do usuário e outros dispositivos que permitem “ouvir, ver e gravar”, lema da empresa.

 

Espera-se discrição de uma loja de produtos de espionagem – estabelecimentos convencionais costumam usar salas escondidas para se instalar ou limitam suas operações à internet. Nada mais diferente da Tienda del Espía. Suas filiais ficam em ruas movimentadas e têm vitrines chamativas. Na entrada, vê-se um manequim vestido de detetive e cartazes com frases como “Quem é a ovelha negra da sua empresa?” ou “Saiba quem utiliza sua cama na sua ausência”.

O espalhafato se justifica pelo público-alvo do estabelecimento. “Nossa loja é para o público em geral e tem que estar próxima das pessoas”, justificou o proprietário. De fato, há poucos detetives profissionais entre os clientes da Tienda del Espía. “Somos concorrência para eles”, observou Yolanda. “Aqui o leigo faz tudo sozinho.”

Quando fundou a empresa, há 22 anos, Antonio Durán trabalhava numa agência de cobranças, na qual precisava investigar o endereço de devedores ou gravar conversas que mantinha com eles. Soube que havia lojas de espionagem nos Estados Unidos e decidiu abrir um negócio nesse ramo. Hoje, além da matriz e de uma filial em Madri, a empresa tem unidades em Barcelona, Bilbao e Valência.

Possui também uma loja virtual, mas ela não traz muito retorno. “Isso aqui não é como servir um sorvete. É um produto que requer atenção personalizada”, disse o dono.

“Queremos que os clientes venham a nós, porque damos as soluções para seus problemas. Eles nos contam sua história, que normalmente é muito pessoal”, completou Yolanda.

 

Boa parte da clientela da Tienda del Espía é familiar. Entre os compradores habituais há cônjuges desconfiados e pais que querem controlar os filhos ou suas babás. Para os maridos cismados, até pouco tempo atrás havia um exame que detectava a presença de sêmen na roupa íntima da mulher. Muito propagandeado, o teste de infidelidade não teve o retorno esperado. Encalhou e foi retirado do catálogo.

O mundo corporativo com suas intrigas e traições também oferece terreno fértil para o mercado da espionagem. Funcionários costumam comprar gravadores e câmeras para registrar episódios de assédio moral. Nem sempre as provas obtidas por esse meio podem ser usadas judicialmente, mas cada vez mais consumidores chegam à loja por indicação de um advogado.

Já os patrões procuram dispositivos para descobrir desde o vazamento de segredos industriais até o mau uso de telefones e computadores. A própria loja recorre a esse expediente para fiscalizar seus funcionários, e não faz segredo disso. “Qualquer movimentação do caixa ou e-mail enviado na filial de Valência chega para nós aqui”, exemplificou Antonio.

Para os clientes mais paranoicos, a loja vende um produto de contraespionagem – um sistema de análise radioelétrica que localiza câmeras e gravadores escondidos e permite detectar se uma pessoa está sendo vítima de espionagem. Antonio não vê contradição nisso. “Quem melhor do que nós para procurar o que vendemos?”, questionou. Se nenhum dos produtos resolver seu problema e o cliente precisar recorrer aos serviços de um profissional, ele pode se aconselhar na própria loja, que tem convênio com uma agência de arapongas.

Tanto mistério atrai bastante gente. No fim de uma manhã de julho, a matriz madrilena foi visitada em menos de uma hora por dois senhores, um pai com duas crianças, dois jovens e um homem de meia-idade que saiu com a sacola cheia de recipientes secretos. Duas mulheres entraram em busca de uma câmera escondida para vigiar uma caseira. Sem descanso, a vendedora comentou: “Hoje em dia não dá para confiar em ninguém.”

Flávia Mantovani

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

A carteira de trabalho como alvo

As idas e vindas de uma jovem repórter para conseguir o documento, enquanto direitos trabalhistas são cada vez mais ameaçados pelas medidas de Bolsonaro e pela crise, em meio à epidemia de coronavírus

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável