vultos da literatura

Triste nos trópicos

A visita de Albert Camus ao Brasil em 1949

Alejandro Chacoff
Camus, gripado no Rio: suas categorias mediterrâneas aplicadas ao Brasil seriam limitadoras, e cabe perguntar se a limitação não é um defeito mais do olhar do artista do que do lugar em si
Camus, gripado no Rio: suas categorias mediterrâneas aplicadas ao Brasil seriam limitadoras, e cabe perguntar se a limitação não é um defeito mais do olhar do artista do que do lugar em si CRÉDITO: KLEBER SALES_2020

Albert Camus tinha certa dificuldade com a grafia de nomes em português. No diário e caderno de anotações que manteve durante a sua passagem pelo Brasil, em julho e agosto de 1949, Murilo Mendes aparece como Murillo Mendès; Manuel Bandeira como Bandera; Augusto Frederico Schmidt é Federico. Nem o jornalista João Batista Barreto Leite Filho, que recebe Camus no porto do Rio de Janeiro e o acompanha e entretém durante parte de sua estadia, escapa do deslize linguístico: no diário ele é Barleto, ou simplesmente B. Já Oswald de Andrade tem o seu sobrenome grafado corretamente. O acerto, porém, tem o mesmo ar casual e indiferente dos erros – não parece ser qualquer espécie de homenagem ao poeta brasileiro.

Um pouco antes de conhecer Camus pessoalmente, Oswald havia demonstrado alguma ansiedade em agradar o autor franco-argelino, em recebê-lo bem. “A natureza do Rio, espécie de cartão de visita do país, não pode satisfazer a solidão de Camus, ávida de geografia e de povo”, o poeta escrevera na coluna Telefonema, que assinava no jornal carioca Correio da Manhã. Enfatizava a necessidade de trazer o autor a São Paulo e apresentar-lhe uma das festas folclóricas do interior do estado, para assim lhe mostrar o Brasil verdadeiro, aquele “que está por detrás das montanhas que emparedam a capital asfaltada. E o clima de absurdo, que é o clima de sua obra, encontraria o apoio de nossas florestas sensacionais, de nossos rios sem destino, de nossa gente pré-histórica”.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Alejandro Chacoff

É escritor, ensaísta e crítico literário da piauí. Autor do romance Apátridas (Companhia das Letras)

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos