esquina

Túlio tenta

Pelos 1 001, aos 49

Luigi Mazza
ILUSTRAÇÃO_ANDRÉS SANDOVAL_2018

A bola já corria havia 21 minutos quando Túlio Maravilha a recebeu pela primeira vez. Com a braçadeira de capitão e chuteiras verde-néon, o jogador de 49 anos era a estrela do Atlético Carioca, que disputava a série C do Campeonato Carioca, a quarta divisão estadual. Seu time perdia de 2 a 0 do Paduano Esporte Clube, o chamado Trovão Azul. Num contra-ataque rápido, o volante Galvane serviu o atacante João Victor, que cabeceou na direção de Túlio. Um zagueiro chutou o vento quando a bola passou por seus pés e ela sobrou para o centroavante, agora com o caminho livre para o gol. O veterano se deslocou com lentidão e ajeitou-a com o pé direito. Antes que pudesse dar um novo toque, foi cercado por dois adversários e caiu desajeitadamente. O lance durou cerca de cinco segundos.

O tombo do ídolo alvoroçou a torcida no Estádio Municipal Alziro de Almeida, em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Alugado pelo Atlético Carioca, o Alzirão tem capacidade para receber 900 torcedores, mas só cerca de cem compareceram naquela tarde chuvosa de segunda-feira. Túlio ainda tocou outras duas vezes na bola, ambas para recomeçar a partida após sua equipe sofrer novos gols. Ao final do primeiro tempo, pediu para ser substituído. O placar registrava 4 a 0 para o Paduano.

Aquela era a segunda partida de Túlio pelo Atlético Carioca. O centroavante tentava marcar o que seria seu milésimo primeiro gol: ele diz ter marcado mil tentos ao longo da carreira, numa contagem que inclui jogos-treino e partidas comemorativas – não falta quem julgue a soma exagerada. Em março deste ano, o artilheiro interrompeu a aposentadoria para fazer o que ele chama de “gol superação”.

Com cabelos ralos e o torso musculoso, Túlio destoava de seus companheiros, na maioria rapazes franzinos na faixa dos 20 anos. Aos 49, ele é o jogador profissional mais velho em atividade no Brasil (o recorde reconhecido pela Fifa é do japonês Kazu, que defende o Yokohama FC aos 51). Ao final da partida, o atacante reconheceu que estava difícil alcançar seu objetivo. “Pelo estilo de jogo, eu poderia ficar ali até dois, três dias que não faria o gol”, afirmou. “A bola não chega.”

Do banco de reservas, Túlio viu sua equipe ser derrotada por 8 a 1, resultado que sacramentou a eliminação do Atlético Carioca com uma rodada de antecedência. Após o sexto gol, um funcionário do estádio precisou buscar novas placas num depósito para atualizar a contagem tão elástica. “A gente sabia que, pelo pouco tempo de treino, seria difícil”, ponderou o centroavante antes de entrar no vestiário, seguido por admiradores. “O importante é que a mídia foi feita.”

 

O goianiense Túlio Humberto Pereira Costa ganhou da torcida do Botafogo o apelido de Túlio Maravilha em 1994. Pelo alvinegro carioca, venceu o Campeonato Brasileiro do ano seguinte, o principal título de sua carreira – seu cartel inclui do Campeonato Suíço conquistado pelo Sion em 1992 à terceira divisão do Campeonato Goiano, caneco que levantou pelo Itauçuense, atual Nerópolis, em 2006. O artilheiro defendeu 29 times até se aposentar em 2014, incluindo o Tanabi, o Vilavelhense e o Araxá.

O Atlético Carioca, seu trigésimo clube, foi fundado em 2012 e, apesar do nome, é sediado no município fluminense de São Gonçalo. Estreou este ano na série C do estadual, seu primeiro torneio profissional. Em março, anunciou a contratação de Túlio Maravilha, por iniciativa do presidente Maicon Villela, um botafoguense fanático de 32 anos cujo sonho era contratar o ídolo. Sete patrocinadores custearam a contratação por um valor não divulgado – segundo Túlio, para “não criar desconforto na garotada”.

O atacante se tornou a razão de existir do clube. A camisa listrada alvinegra de número 95 – homenagem ao título conquistado pelo Botafogo – é a única vendida no site do time, por 95 reais (mais de 800 unidades já tinham escoado até setembro). Para cobrir os custos de disputar a série C, os demais jogadores – que não recebem salário – foram encarregados de vender cinquenta camisas, estimulados por uma comissão (as exceções foram o atacante João Victor e o meia Geovane, poupados por já terem atuado como profissionais). “Isso é um incentivo para o jogador”, justificou Villela. “Eles sabem que o time é uma vitrine.”

Mesmo eliminado, o Atlético Carioca ainda jogaria contra o São José na última rodada da primeira fase no dia 2 de setembro – a chance derradeira de Túlio fazer o almejado gol. Às vésperas da partida, porém, a equipe adversária foi suspensa por não ter quitado uma dívida de 15 mil reais com a federação estadual de futebol. Sem oponente, o jogo foi cancelado, e o Atlético Carioca, declarado vencedor por W.O. “Se eu soubesse disso, teria pagado a dívida só para o jogo acontecer”, lamentou Túlio.

 

Situado nas imediações do Centro histórico de Itaboraí, o Alzirão tem muros azuis baixos e foi erguido ao lado de um cemitério. Diante do estádio fica o hotel em que Túlio se hospedou durante a temporada. O quarto espaçoso no 9º andar já estava praticamente vazio na noite de 31 de agosto, quando o jogador recebeu a piauí. Na manhã seguinte voaria para Goiânia, onde mora com a mulher e os filhos.

O artilheiro disse que tinha o gol 1 001 projetado na mente. Dessa vez, não seria de pênalti, como o milésimo. “Talvez um cruzamento ou uma bola rebatida pelo goleiro. Estádio cheio, segunda vitória no campeonato”, vislumbrou. Trajando o uniforme do time, Túlio rebateu as críticas à contagem dos mil gols – feita por ele mesmo, sem respaldo em registros oficiais. “Se botar na ponta do lápis, nem eu, nem Romário, nem Pelé chegamos a mil. Fizemos, no máximo, uns 800”, alegou. “Pode não ter súmula, não ter nada, mas, se botou a camisa do time, está valendo.”

Túlio não desistiu da meta e está negociando uma extensão de contrato com o clube para o ano que vem. Quer se despedir do futebol e comemorar os 50 anos que completará em junho, às vésperas do início da série C. “É uma idade bonita para parar”, refletiu. No que depender dele, a contagem irá além do gol superação. “De preferência, vou me aposentar com um múltiplo de cinco, porque tenho cinco filhos”, afirmou. “Mas, se eu fizer 1 003, faz parte.”

Luigi Mazza

Luigi Mazza é estagiário do site da revista e produtor da rádio piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante