esquina

Tutu para Brumadinho

Um traje e a memória da tragédia

Marcela Xavier
Andrés Sandoval_2019

Com uma bolsa de lona nos ombros, Tulio Morais, um belo-horizontino de 29 anos, chegava para mais um dia de trabalho na Opéra Garnier. Seus tênis impecavelmente brancos chamavam a atenção – andar de metrô em Paris e manter os sapatos limpos é uma arte que poucos dominam. Rapidamente, ele subiu até o quarto andar, onde fica o Atelier Flou, a oficina de figurinos das étoiles – as estrelas femininas da companhia – e das primeiras-bailarinas. 

O ambiente é espaçoso e largas mesas dispostas no centro servem de estação de trabalho para as costureiras. Ao longo das paredes, alinham-se as máquinas de costura. Era pouco depois de dez da manhã, e as costureiras discutiam a origem do termo cocotte. “É quando alguém toma um banho de perfume e o cheiro fica… forte”, disse uma delas, risonha. Outra observou, compenetrada, enquanto alinhava um pedaço de renda: “Cocotte já foi sinônimo de prostituta de luxo.” Com uma tesourinha de costura pendurada em volta do pescoço, Morais tirou de um gavetão um rolo de tule preto e entrou na conversa, conjugando o verbo que designa “cheirar mal” em francês: “je cocotte, tu cocottes…” Todos riram.

No Atelier Flou, o termo cocotte indica uma técnica exclusiva para recortar em um padrão de semicírculos os tecidos com os quais serão confeccionadas as múltiplas camadas de saias (entre onze e treze) que compõem o tutu, a famosa peça utilizada pelas bailarinas. “Se há outras pessoas que fazem cocottes nas saias, elas aprenderam aqui. Copiaram e levaram para os seus ateliês”, disse Morais, enquanto mostrava o molde que improvisou em plástico branco meio rígido.

A primeira aparição de um tutu ocorreu em 1832 nos palcos do antigo teatro na Rua Le Peletier, a alguns quarteirões de onde fica atualmente a Opéra Garnier, inaugurada em 1875. Marie Taglioni protagonizou o balé La Sylphide usando uma saia com camadas de musseline que deixava à mostra os tornozelos, um feito escandaloso para a época. Ninguém sabe ao certo de onde se originou o termo, mas supõe-se que foi fixado na linguagem corrente a partir de 1881. Talvez proceda da palavra “tule”, um dos tecidos mais usados na confecção das saias, ou talvez venha da gíria infantil tutu (bumbum). 

As saias precisam ser engomadas a cada três ou quatro apresentações. A alguns passos do ateliê fica uma máquina industrial de engomar que, graças a uma base líquida de amido de milho, devolve às peças o aspecto original. “As bailarinas são élevées”, explicou Morais, imitando o gesto com que elas são erguidas pelos bailarinos. “Também sentam, deitam e, claro, dançam. O figurino sofre com isso.” 

Costureiro e designer de moda, Morais ingressou na Opéra Garnier graças a um programa que seleciona jovens profissionais entre 18 e 29 anos – tais como músicos, marceneiros, cantores, ferreiros, coreógrafos, peruqueiros e maquiadores – para aprofundarem seus conhecimentos e habilidades durante oito meses. Eles também trabalham na produção dos próximos espetáculos da casa de ópera. Morais foi o único brasileiro escolhido para o estágio da temporada 2018-19.

 

Faz quatro anos que Tulio Morais vive em Paris, para onde veio a fim de fazer uma especialização na renomada Escola da Câmara Sindical de Costura Parisiense, após ter cursado design de moda em Belo Horizonte. Desde que chegou à capital francesa, não parou de trabalhar com a criação de roupas – aspira tornar-se designer de alta-costura. Como o estágio na Opéra Garnier permite que o profissional desenvolva um projeto pessoal, ele optou por fazer um traje completo de balé que inclui um tutu.

O tutu de Morais, além de onze camadas de tule preto, tem três camadas de tecido de cor de cobre (“para decoração”, ele explica) e um disco firme, plissado, em volta da cintura, da mesma cor – é o chamado “tutu panqueca”. 

O traje é parte de uma coleção de vinte peças que ele realiza como projeto artístico para compor seu portfólio. O conjunto faz referência à tragédia de Brumadinho. “O bustiê será bordado com galhos secos pintados de cobre e cristais. Busquei falar do rompimento da barragem, daquela onda de lama que devastou tudo que tinha pela frente: casas, famílias, paisagens, história, humanos, animais.”

No caderno de trabalho onde ele coleciona imagens para inspiração e amostras de tecidos, há fotos de mineradores cobertos de lama e pedaços de pano de diversos tons terrosos. “A tragédia de Brumadinho me afetou como ser humano que sou: alguém que tem esperança nos seres humanos, que acredita na capacidade deles de fazerem o bem, mas se decepciona quando se depara com atitudes que causam tanto mal para tanta gente”, afirmou.

No ateliê, o jovem brasileiro trabalhava de frente para Martine Chardey. Ela começou como artesã na Opéra Garnier aos 19 anos. “Eu era curiosa e estava bastante motivada, assim como o Tulio. Queria saber como funcionava essa peça. Não há escolas. Aqui é o único lugar para aprender”, disse ela, que, aos 48 anos, perdeu a conta de quantos tutus já confeccionou. Sobre uma mesa, Chardey montava um vestido de veludo roxo intenso para o balé O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky. 

Seguindo a tradição do ensino oral no ateliê, ela aconselhava Morais, enquanto o observava afixar, com agulhas, o tule recortado à estrutura interna do tutu, antes de costurá-lo na máquina. “Tulio está indo bem”, ela avaliou, com ares de professora que não quer entregar a nota antes da hora. 

O tecido usado por Morais não era tão nobre como o do modelo branquíssimo de O Lago dos Cisnes, que pendia acima da sua mesa de trabalho e lhe servia de inspiração. “Comprei o meu tule no Marché Saint Pierre”, ele contou, referindo-se à região de comércio popular em Paris. Além disso, diferentemente das costureiras do ateliê, Morais podia levar o seu tutu para casa. “Pensando bem, eu deveria ter feito o molde do meu tamanho”, ele disse, rindo, enquanto esticava mais 10 metros de tecido. 

Marcela Xavier

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

6

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente

10

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril