esquina

Um guarda-chuva na selva

Se o seu plano é descobrir uma nova espécie de pássaros, fale com o Jorge

José Roberto de Toledo
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

O guarda-chuva com uma das hastes entortadas tenta proteger do aguaceiro amazônico dois apetrechos estranhos ao cenário de mata cerrada: um gravador Sony TCM 5000-EV e uma luneta Kowa de 60 milímetros. Quem os carrega é uma figura miúda, de roupa camuflada e faca de caça no coldre. Jorge Lopes é um dos cinco guias profissionais do Cristalino Jungle Lodge. A clientela do hotel de selva tem poucos turistas e muitos pesquisadores. Em 2006, recebeu 560 estrangeiros. Eles viajam horas e horas de avião, de veículo 4 x 4 e finalmente de barco para chegar à Reserva Particular do Patrimônio Natural do Cristalino, no norte de Mato Grosso. Tudo para examinar aves exuberantes em seu habitat natural.

Nas bordas da Amazônia, a bacia do rio Cristalino está numa das poucas áreas remanescentes de floresta primária no estado. Ali foram registradas mais de 570 espécies de aves – no Pantanal todo, com área milhares de vezes maior, há 698 espécies – e o número continua a crescer. É dos raros lugares onde o observador, com um pouco de sorte, muita paciência e a ajuda de mateiros como Jorge Lopes, consegue identificar e descrever uma espécie ainda desconhecida pela ciência. O último a alcançar a façanha foi o ornitólogo britânico Andrew Whittaker, que confirmou a existência de um novo tipo de falcão de floresta, batizado Micrastur mintoni. Lopes, o guarda-chuva, a luneta e o gravador estavam lá no momento em que se avistou pela primeira vez o novo falcão.

Os erros de concordância de quem saiu da escola para ajudar na sobrevivência da família contrastam com a facilidade para declinar nomes científicos de aves identificadas por ele só pelo canto ou com um breve olhar. Aquele pássaro de bico comprido nunca é simplesmente um tucano. Não é nem mesmo um araçari-de-pescoço-vermelho, como é popularmente conhecido. Para Lopes, é um Pteroglossus bitorquatus. Não se trata de pedantismo. É precisão.

É com a mesma desenvoltura que ele esclarece as dúvidas dos desavisados. Por que as aves atendem ao canto reproduzido pelo gravador? Porque querem proteger seu território de rivais e vêm conferir a ameaça potencial. Qual a melhor época para ver uma anta (de quatro patas)? Agosto e setembro, quando as mutucas se multiplicam na mata e os grandes mamíferos fogem para o rio, protegendo-se das ferroadas.

Lopes freqüentou os cursos oferecidos pela Fundação Cristalino e aprendeu muito convivendo com pesquisadores de ponta. A isso, somou uma experiência de garimpeiro e acabou formulando sua própria teoria aplicada de biologia. Pergunte-lhe o que pensa sobre o manejo “sustentável” de madeira. Cortar apenas as árvores de grande porte, selecionadas ao longo de milhões de anos, e eliminar assim o repertório genético da selva equivale, na opinião do guia, a levar ao paredão apenas os recordistas olímpicos, os ganhadores do Prêmio Nobel, os excepcionalmente fortes e inteligentes. Uma espécie de eugenia ao contrário.

Se é verdade que os esquimós vêem mais branco, e que os paulistanos identificam incontáveis matizes de cinza, Lopes parece distinguir tonalidades de verde que nem um palmeirense é capaz de diferenciar. Onde um turista enxerga uma massa uniforme, os olhos dele testemunham sutilezas difíceis de traduzir: “Está vendo aquela árvore mais clara, do lado daquelas duas verde-escuras?” Ahn?.

 

A história de vida do guia se confunde com a da cidade onde vive, Alta Floresta, no norte do Mato Grosso, fronteira de expansão econômica do Brasil. A localidade foi fundada em 1976 a 830 quilômetros de Cuiabá, junto à divisa paraense. Era parte de um projeto de colonização capitaneado por Ariosto da Riva, a quem o jornalista David Nasser batizou de ‘o último bandeirante’. O empresário quis fixar ali colonos experientes, para cultivar café, cacau e guaraná. A maioria veio do Paraná. O pai de Lopes era um deles.

A floresta veio abaixo. No solo raso que restou, o cafezal não produzia mais do que duas ou três safras. O cacau bichou. O guaraná não tinha mercado. Por sorte ou azar, descobriu-se ouro por lá, o que promoveu uma corrida de garimpeiros à região. Colonos como Lopes se juntaram à nova turma e derrubaram mais mata, desviaram rios, espalharam a malária. O Plano Collor ajudou a liquidar a viabilidade econômica do garimpo. Sobraram duas opções de vida – a pecuária e o corte de madeira – e uma mesma conseqüência. O gado rumina o capim ralo com avidez e perseverança. Da floresta alta só ficou o nome. Hoje a cidade vive das quatro madeireiras e outros tantos frigoríficos.

Lopes ganha 720 reais por mês, fora gorjetas. Complementa a renda com a produção do sítio da família. Sustenta a filha, pagou o curso de biologia da mulher e ainda junta algum para ir de vez em quando ver o mar em Santa Catarina ou visitar parentes no Paraná.

Recomendação ao viajante: experimente fotografar debaixo de um toró na selva. Você verá o guarda-chuva sob um novo ângulo e descobrirá que casaco impermeável é o popular trambolho.

José Roberto de Toledo

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana