questões paulistanas

Urbanista acidental

As obsessões e os dilemas de Philip Yang, o empresário que pretende reinventar o Centro de São Paulo

Rafael Cariello
Ex-pianista, Philip Yang fez fortuna com petróleo e gás, mas afirma que só se realizou e encontrou “voz própria” ao idealizar grandes projetos urbanísticos. “Adquiri um desprendimento que nunca tive. Nunca toquei piano com desprendimento. É a primeira vez, em cinquenta anos, que eu sinto isso”
Ex-pianista, Philip Yang fez fortuna com petróleo e gás, mas afirma que só se realizou e encontrou “voz própria” ao idealizar grandes projetos urbanísticos. “Adquiri um desprendimento que nunca tive. Nunca toquei piano com desprendimento. É a primeira vez, em cinquenta anos, que eu sinto isso” FOTO: KLARA YANG_2013

Por volta das 22 horas do dia 5 de outubro de 2012, antevéspera do primeiro turno da eleição municipal, dezenas de militantes políticos começaram a chegar à região da praça da República, no Centro de São Paulo.

Embora fossem todos integrantes do MMPT, o Movimento de Moradia Para Todos, uma das organizações que reivindicam habitação popular na capital paulista, não levavam faixas ou bandeiras. Tampouco gritavam palavras de ordem. Era imperativo não chamar a atenção dos transeuntes, cada vez mais raros naquela noite de sexta-feira. Era preciso, sobretudo, que a polícia não os notasse.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Rafael Cariello

Editor da piauí. Foi editorialista da Folha de S.Paulo e correspondente do jornal em Nova York

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira