vultos do mercado editorial

A via-crúcis de Charles

As utopias e os tormentos que marcaram a trajetória da Cosac Naify

Adriana Abujamra
Certa vez, ao chegar à editora, Charles Cosac notou que um quadro de Siron Franco estava danificado. Levou-o para casa e deixou vazia a parede manchada pela umidade, como testemunha do descaso. “Ninguém tomou a iniciativa de cuidar. Vi naquilo um símbolo de que a editora estava se desfazendo.”
Certa vez, ao chegar à editora, Charles Cosac notou que um quadro de Siron Franco estava danificado. Levou-o para casa e deixou vazia a parede manchada pela umidade, como testemunha do descaso. “Ninguém tomou a iniciativa de cuidar. Vi naquilo um símbolo de que a editora estava se desfazendo.” FOTO: EGBERTO NOGUEIRA / ÍMÃ FOTOGALERIA_2016

Na última quarta-feira de novembro, dia 25 – data em que o calendário litúrgico comemora o martírio de santa Catarina de Alexandria, uma intelectual do século IV –, Charles Cosac decidiu se recolher em casa. Ligou para Nova York, onde vive seu cunhado, Michael Naify, e anunciou que encerraria as atividades da editora que haviam fundado dezenove anos antes. “Faça como achar melhor”, disse o outro. Vivendo fora do país, já não era de agora que o sócio havia perdido o interesse pela Cosac Naify. E não era a primeira vez que ouvia aquela conversa.

Cosac passou a sexta-feira recluso em seu apartamento, no bairro de Higienópolis, em São Paulo. Às dez da noite, quando o funcionário encarregado de passear com os cães foi embora, ele se viu sozinho, “entre a cruz e a espada”. Escutou música, contemplou suas obras de arte e conversou com Deus. Não pediu nada, a não ser paciência para atravessar o Rubicão.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Adriana Abujamra

Adriana Abujamra, jornalista freelancer, é colaboradora do jornal Valor Econômico e coautora de À Mesa com o Valor: 50 Personalidades

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Mais textos