esquina

Vigias do vernáculo

As tira-dúvidas da ABL

Thiago Camelo
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2019

Numa tarde de dezembro último, a professora de português aposentada Rita Bueno estava às voltas com dúvidas suscitadas por uma leitora ao ler a autobiografia de Jô Soares, lançada pela Companhia das Letras. É possível usar “interminadamente” com significado de “interminavelmente”, conforme consta no livro? O plural de “anfitrião” não deveria ser “anfitriões”, em vez de “anfitriãos”? “Estou pasma, considerando que o autor é bastante famoso, tido como intelectual e versado em várias línguas, e a editora também é renomada”, desabafou a leitora. Com a tela azul do computador refletida nos óculos, Bueno suspirou e riu. “O pessoal se preocupa com cada coisa, né? Essa vai dar trabalho.” As dúvidas da consulente, no caso, eram improcedentes: o plural “anfitriãos”, embora não seja o mais usual, é referendado pelo dicionário Aulete Digital; e onde a leitora leu “interminadamente”, o autor havia escrito “indeterminadamente”.

Bueno tem 62 anos e desde 2014 trabalha para o ABL Responde, serviço criado pela Academia Brasileira de Letras para resolver dúvidas de português pela internet. Divide a tarefa com outras três professoras e dedica-lhe um punhado de horas por semana. Num dia típico de sua vida, a tira-dúvidas faz tricô, vai às reuniões do coral, passeia por Laranjeiras, bairro do Rio de Janeiro onde mora, telefona para os filhos, liga o computador e esbarra com a pergunta: “Como faço para ser um imortal?”

A questão é recorrente, mas está longe de ser a mensagem mais estranha que Bueno já recebeu. Numa das mais inusitadas, um consulente obstinado acusou-a de chancelar a palavra “estrupo”. O termo existe, ela explicou, mas não deve ser confundido com “estupro” e quer dizer “um barulho forte, intenso”. As duas estão listadas no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, catálogo das palavras do vernáculo editado pela ABL. “Só que o Volp não traz a definição, informa apenas a classe gramatical”, explicou a professora. “Bastava abrir um dicionário.”

 

Um dos patronos do ABL Responde é o filólogo e linguista Evanildo Bechara, imortal de 90 anos e uma das maiores autoridades vivas na gramática do português. Numa entrevista concedida ao lado do time de tira-dúvidas num prédio anexo da Academia, Bechara disse que, quando foi criada, em 1897, a ABL não tinha o propósito de investigar o idioma, mas sim os brasileirismos, o percurso da língua no país. “Achavam que quem deveria estudar o português de verdade eram os portugueses, donos da língua.”



Para o filólogo, esse foi o pecado original da instituição, que começou a redimi-lo com uma nova orientação seguida a partir dos anos 70, capitaneada primeiro por Antônio Houaiss e, mais tarde, pelo próprio Bechara. A Academia passou a zelar pelo estudo do idioma e a falar de igual para igual com os portugueses. Negociou o Acordo Ortográfico em nome dos falantes brasileiros e está à frente dos debates sobre o uso oficial do português no país. “O ABL Responde é consequência dessa nova missão”, disse Bechara.

O serviço é bem específico no tipo de dúvidas que propõe resolver: não se aprofunda em análise gramatical, não palpita sobre questões de provas e concursos e só discute casos concretos. As dúvidas que atormentam os usuários do serviço são provavelmente as mesmas que afligem o leitor: crase, hífen, vírgula, colocação pronominal, flexão do infinitivo. Mais de 200 mil dúvidas foram solucionadas desde a criação da iniciativa, em 2007.

Alguns consulentes parecem crer que os próprios imortais respondem às dúvidas e se apresentam escusando-se por interromper o tradicional chá das cinco. Não faltam escritores que mandem excertos de sua poesia ou prosa. Rita Bueno não se opõe a atendê-los – desde que não lhe mandem a íntegra do novo livro para revisão.

 

Houve meses em que o ABL Responde recebeu mais de 2 mil perguntas. As consultoras respondiam às dúvidas com celeridade impressionante. Mesmo desassossegos maçantes e minuciosos de obcecados pela gramática eram contornados da noite para o dia, às vezes em pleno fim de semana. Além do amor à língua e da vocação pedagógica, as professoras eram movidas também pelo estímulo financeiro: cada questão resolvida rendia-lhes 5 reais. Isso até a crise econômica chegar à ABL.

No segundo semestre de 2018, a instituição demitiu mais de quarenta funcionários, extinguiu a sexta-feira do calendário de trabalho e limitou às quintas-feiras o chá dos imortais, que, antes, acontecia também às terças. As medidas de austeridade não pouparam o ABL Responde, que teve seu orçamento cortado de modo draconiano: as quatro professoras passaram a dividir o acanhado – “simbólico”, corrige Bechara – valor de 1 500 reais. Desde então, cada uma delas passou a analisar apenas 75 questões por mês. A restrição afetou a agilidade do serviço, e as perguntas agora podem aguardar meses até que sejam resolvidas.

“É uma pena”, lamentou a tira-dúvidas Letícia Rolim. “Esse é o serviço que mais aproxima a Academia do público, das pessoas no interior que não têm acesso a nada, e deveria ser valorizado.” Bechara ressaltou, porém, que a ABL não é subsidiada por ninguém. “É uma instituição privada, que vive basicamente de aluguéis desse prédio grande ao lado”, afirmou, referindo-se ao Palácio Austregésilo de Athayde, um imponente edifício modernista inaugurado em 1979 num terreno doado à Academia pelo presidente Médici.

Depois de um momento de silêncio, o clima voltou a ficar ameno quando Bechara evocou a origem do apelido dos acadêmicos. “Certa vez perguntaram ao Olavo Bilac por que se tornava imortal quem entrava na ABL”, contou o filólogo. “Ele, com aquele humor, respondeu: ‘Porque não temos onde cair mortos.’” As tira-dúvidas riram da história até que Zulene Reis fez a ressalva: “Mas tem, né? Aquele mausoléu no São João Batista é lindo”, afirmou, referindo-se ao jazigo coletivo no cemitério carioca onde são enterrados os acadêmicos.

Reis mirou as colegas e deteve o olhar em Rita Bueno. “A língua não está jogada às traças”, disse. Em seguida, girou o pescoço para contemplar os outros interlocutores e Bechara, que a observava atentamente, e completou com sobriedade, para não deixar qualquer margem de dúvida: “Às traças, claro, com crase.”

*

Atualização: este texto foi alterado em relação à versão impressa para acrescentar a última frase do primeiro parágrafo.

Thiago Camelo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Aldeias na mira do tráfico

Assassinatos de dois adolescentes indígenas, mortos com sinais de tortura no Acre, alertam para  o avanço de facções criminosas em territórios protegidos 

Sonhos de Patrício Guzmán e Jorgen Leth

Quanto tempo levaremos para nos recuperar após tudo isso?

Invasão de privacidade chancelada por lei

Professor da USP defende alteração na Lei de Proteção de Dados para que Estado brasileiro não seja autorizado a compartilhar em massa informações dos cidadãos

Brasil de costas para a ciência

Pesquisa inédita realizada em vinte países mostra que brasileiros são os que menos acreditam em seus cientistas

Os desvios da intervenção militar

TCU apura irregularidades no uso de 93 milhões de reais durante operação das Forças Armadas no Rio em 2018, comandada pelo hoje ministro Braga Netto

“Agora eu cheguei ao inferno”

Biólogo em expedição no Pantanal relata os apelos desesperados de moradores da região diante do fogo e acompanha trabalho dos bombeiros

Mais textos
4

Proust ─ Do pêndulo ao calendário

O acesso à riqueza de Tempo Perdido não requer preâmbulos. Demanda algo que está fora da obra e é cada vez mais complicado de conseguir: tempo e concentração

5

Desenhando esquinas

Andrés Sandoval explica o processo por trás das ilustrações que adornam a piauí desde a primeira edição.

7

Sardanapalo

Babilônios cabotinos contracenarão com garbosas falanges assírias?

10

Um café na lanchonete

A história de Saeed, dos pais de Saeed – e o segredo de Nadia