Igualdades

Menos acidentes, mais mortes

Luigi Mazza, Emily Almeida e Renata Buono
17fev2020_09h00

Onúmero de acidentes em rodovias federais no Brasil vem caindo nos últimos anos. Em 2016, primeiro ano completo em que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) aplicou uma nova metodologia para a contagem de ocorrências, houve 96,4 mil acidentes nas estradas. Já em 2019, foram 67,4 mil casos. A frequência de acidentes graves, no entanto, aumentou. A cada 100 acidentes ocorridos no ano passado, 83 deixaram mortos ou feridos – em 2016, essa proporção foi de 62 a cada 100. E, pela primeira vez em sete anos, o número de mortos nas rodovias voltou a crescer: foram 5 332 mortes em 2019, uma taxa de 15 por dia. No ano anterior, haviam sido 14 mortes por dia. O =igualdades explica essa mudança no quadro geral dos acidentes, onde eles acontecem e por quais motivos.

O número de mortos em acidentes nas rodovias federais voltou a crescer em 2019, depois de sete anos em queda. Foram 5.332 mortes, média de 15 por dia. Em 2018, foram 5.269 mortos nas estradas, média de 14 por dia.

Embora o número de acidentes tenha continuado a cair em 2019, esse foi o ano com mais acidentes graves desde 2016 – primeiro ano em que a PRF adotou uma nova metodologia para a contagem de acidentes. Em 2016, a cada 100 acidentes, 62 deixaram mortos ou feridos. Em 2019, essa proporção foi de 83 a cada 100.

As 15 mortes diárias nas rodovias federais equivalem ao triplo de mortes por complicações de gravidez e parto (5 pessoas por dia); e a 15 vezes as mortes por dengue (1 por dia).

O estado com as rodovias mais letais é o Amazonas. A cada 100 acidentes com vítimas registrados lá em 2019, houve 26 mortes. Em Santa Catarina, estado com a menor letalidade, o saldo foi de 5 mortes a cada 100 acidentes.

A cada 10 mortes em acidentes nas regiões Norte e Nordeste, 4 envolveram motos. No Sudeste, Sul e Centro-Oeste, a cada 10 mortes em acidentes, 2 envolveram motos.

A principal causa de acidentes no Brasil é a falta de atenção, seja do condutor ou do pedestre. Houve 27 mil acidentes desse tipo nas rodovias federais em 2019, o que equivale a 4,5 vezes os acidentes causados por ingestão de álcool e outras drogas.

Nos últimos dez anos (2010 a 2019), 72,7 mil pessoas morreram em acidentes nas rodovias federais. Isso é mais do que o número de pessoas que morreram afogadas na última década com dados disponíveis do SUS (54 mil pessoas, de 2008 a 2017). Ou seja: para cada 5 mortes por afogamentos, houve 7 mortes em acidentes.

Fontes: Confederação Nacional do Transporte (CNT), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Datasus.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo