questões de governo

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

Thais Bilenky
16maio2019_14h41
Weintraub em sessão na Câmara –
Weintraub em sessão na Câmara – ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO DA AGÊNCIA BRASIL

O deputado André Janones (Avante-MG) começa a berrar com o ministro Abraham Weintraub, da Educação. “Psiu, olha pra mim”, diz, da tribuna. São oito da noite, e a sessão marcada para ouvir o ministro se arrasta. “Seu covarde, fiquei olhando pra você por três horas, e agora você vai me ouvir.”  A Mesa Diretora interrompe Janones. “Censura!”, gritam deputados do plenário.

Por volta das 20h30, o deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) ergue a bíblia que sempre carrega. “Tá, tá, tá, o diabo tá repreendido”, cantarola, passeando pela confusão. A deputada Maria do Rosário (PT-RS) sobe à Mesa Diretora para reclamar com o primeiro vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (PRB-SP), que comanda a sessão. A confusão recomeça.

Às 21h, a sessão é encerrada no horário previsto. O tumulto poderia indicar um dia agitado na Câmara, mas o plenário, na verdade, estava vazio. Dos 513 deputados, só cerca de 50 permaneceram até o final das seis horas de sabatina de Weintraub – um sinal claro do isolamento do governo no debate sobre educação diante das manifestações que tomaram o país na quarta-feira.

A convocação do ministro, na véspera, foi articulada por líderes do centrão e endossada por 307 deputados. Mas mesmo os mentores da sessão a abandonaram nas primeiras horas. Restaram, em maioria, deputados da oposição e do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, que mais bateram boca do que debateram a educação nacional.

Na verdade, além de expor Weintraub, o grupo de dirigentes de partidos menores também usa sua força no Congresso para adiar mais uma vez a votação de projetos importantes para o governo – especialmente a medida provisória que mantém a esplanada com os 22 ministérios definidos por Bolsonaro. Se até 3 de junho a medida ficar sem apreciação, caducará, e a estrutura do governo Temer, com 29 ministérios, poderá voltar a valer.

A principal ausência da sessão foi a do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que passou metade da semana nos Estados Unidos, em compromissos oficiais e conversas com investidores. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), o acompanhou. A indisposição do Centrão com Bolsonaro, presente desde a transição, quando o presidente se recusou a partilhar ministérios com partidos, toma nova forma. Antes havia expectativa de ocupação de cargos no governo, e irritação derivada da frustração do pleito não atendido. Agora, erros do governo na articulação política são usados para fazer com que a pauta do Executivo se inviabilize no Legislativo. Além das medidas provisórias, a reforma da Previdência pode ter a votação retardada, como forma de retaliação.

“A Câmara vai votar o que interessar para o Brasil, não vai votar para o Bolsonaro”, resumiu o deputado Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), o Paulinho da Força. Sobre a medida provisória que reestrutura a esplanada, ele afirmou que ou o governo acata decisões tomadas em comissão na Câmara, como a volta do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) das mãos do ministro Sergio Moro (Justiça) para as de Paulo Guedes (Economia), ou não terá vez. “Eles têm que baixar a bola, concordar com a posição que foi tomada na comissão e aí vota em plenário”, decretou Paulinho.

Na terça-feira, os líderes do governo, Major Vitor Hugo, e do PSL, Delegado Waldir, deram declarações que irritaram o Centrão. Deputados que se reuniram com Bolsonaro na terça relataram que o presidente telefonou para Weintraub na frente deles e suspendeu o contingenciamento de recursos da educação. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de pronto negou. Vitor Hugo afirmou que, no limite, o governo nomeará sete militares para os ministérios que vierem a ser criados. Waldir disse que Weintraub viria “ensinar, porque é professor. Se fosse delegado, como eu, viria para prender”.

As ameaças despertaram reação rápida dos líderes do Centrão, que, para convocar o ministro, arregimentaram 307 votos, um a menos que o necessário para aprovar uma PEC. Chegou-se a cogitar a convocação para a semana que vem, mas as manifestações que tomaram as ruas do país contra cortes na educação foram consideradas o cenário ideal para a sabatina de Weintraub.

Homem de confiança de Bolsonaro, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, vive sob fogo cruzado desde que foi indicado ao posto. O acúmulo de trapalhadas colabora com a fraqueza política do governo no Congresso. Deputados listam fiascos do líder na articulação. Rodrigo Agostinho (PSB-SP) ficou embasbacado com a falta de autonomia de Vitor Hugo quando pediu seu apoio para uma sessão solene da semana do meio ambiente, um ato meramente simbólico, e se surpreendeu com a resposta:  “Preciso consultar o Planalto”, disse Vitor Hugo.

O líder não respondeu aos contatos da reportagem.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

9

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi