questões de governo

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

Thais Bilenky
16maio2019_14h41
Weintraub em sessão na Câmara –
Weintraub em sessão na Câmara – ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO DA AGÊNCIA BRASIL

O deputado André Janones (Avante-MG) começa a berrar com o ministro Abraham Weintraub, da Educação. “Psiu, olha pra mim”, diz, da tribuna. São oito da noite, e a sessão marcada para ouvir o ministro se arrasta. “Seu covarde, fiquei olhando pra você por três horas, e agora você vai me ouvir.”  A Mesa Diretora interrompe Janones. “Censura!”, gritam deputados do plenário.

Por volta das 20h30, o deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) ergue a bíblia que sempre carrega. “Tá, tá, tá, o diabo tá repreendido”, cantarola, passeando pela confusão. A deputada Maria do Rosário (PT-RS) sobe à Mesa Diretora para reclamar com o primeiro vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (PRB-SP), que comanda a sessão. A confusão recomeça.

Às 21h, a sessão é encerrada no horário previsto. O tumulto poderia indicar um dia agitado na Câmara, mas o plenário, na verdade, estava vazio. Dos 513 deputados, só cerca de 50 permaneceram até o final das seis horas de sabatina de Weintraub – um sinal claro do isolamento do governo no debate sobre educação diante das manifestações que tomaram o país na quarta-feira.

A convocação do ministro, na véspera, foi articulada por líderes do centrão e endossada por 307 deputados. Mas mesmo os mentores da sessão a abandonaram nas primeiras horas. Restaram, em maioria, deputados da oposição e do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, que mais bateram boca do que debateram a educação nacional.

Na verdade, além de expor Weintraub, o grupo de dirigentes de partidos menores também usa sua força no Congresso para adiar mais uma vez a votação de projetos importantes para o governo – especialmente a medida provisória que mantém a esplanada com os 22 ministérios definidos por Bolsonaro. Se até 3 de junho a medida ficar sem apreciação, caducará, e a estrutura do governo Temer, com 29 ministérios, poderá voltar a valer.

A principal ausência da sessão foi a do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que passou metade da semana nos Estados Unidos, em compromissos oficiais e conversas com investidores. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), o acompanhou. A indisposição do Centrão com Bolsonaro, presente desde a transição, quando o presidente se recusou a partilhar ministérios com partidos, toma nova forma. Antes havia expectativa de ocupação de cargos no governo, e irritação derivada da frustração do pleito não atendido. Agora, erros do governo na articulação política são usados para fazer com que a pauta do Executivo se inviabilize no Legislativo. Além das medidas provisórias, a reforma da Previdência pode ter a votação retardada, como forma de retaliação.

“A Câmara vai votar o que interessar para o Brasil, não vai votar para o Bolsonaro”, resumiu o deputado Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), o Paulinho da Força. Sobre a medida provisória que reestrutura a esplanada, ele afirmou que ou o governo acata decisões tomadas em comissão na Câmara, como a volta do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) das mãos do ministro Sergio Moro (Justiça) para as de Paulo Guedes (Economia), ou não terá vez. “Eles têm que baixar a bola, concordar com a posição que foi tomada na comissão e aí vota em plenário”, decretou Paulinho.

Na terça-feira, os líderes do governo, Major Vitor Hugo, e do PSL, Delegado Waldir, deram declarações que irritaram o Centrão. Deputados que se reuniram com Bolsonaro na terça relataram que o presidente telefonou para Weintraub na frente deles e suspendeu o contingenciamento de recursos da educação. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de pronto negou. Vitor Hugo afirmou que, no limite, o governo nomeará sete militares para os ministérios que vierem a ser criados. Waldir disse que Weintraub viria “ensinar, porque é professor. Se fosse delegado, como eu, viria para prender”.

As ameaças despertaram reação rápida dos líderes do Centrão, que, para convocar o ministro, arregimentaram 307 votos, um a menos que o necessário para aprovar uma PEC. Chegou-se a cogitar a convocação para a semana que vem, mas as manifestações que tomaram as ruas do país contra cortes na educação foram consideradas o cenário ideal para a sabatina de Weintraub.

Homem de confiança de Bolsonaro, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, vive sob fogo cruzado desde que foi indicado ao posto. O acúmulo de trapalhadas colabora com a fraqueza política do governo no Congresso. Deputados listam fiascos do líder na articulação. Rodrigo Agostinho (PSB-SP) ficou embasbacado com a falta de autonomia de Vitor Hugo quando pediu seu apoio para uma sessão solene da semana do meio ambiente, um ato meramente simbólico, e se surpreendeu com a resposta:  “Preciso consultar o Planalto”, disse Vitor Hugo.

O líder não respondeu aos contatos da reportagem.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Mais textos
1

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

2

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa

3

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

4

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

6

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

O radical

Como Roberto Alvim faz teatro

8

Desastres em cascata

O sistema climático sob o qual foi criada a civilização está morto