colunistas

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

José Roberto de Toledo
16ago2018_10h28

Em 1989, a Folha me escalou para cobrir os programas de governo dos presidenciáveis na primeira eleição para o Planalto após a ditadura. Era uma grande novidade. Nunca um jornal havia destinado uma equipe só para cuidar dos planos dos candidatos – muito menos destacado seu repórter e colunista mais importante, Clóvis Rossi, para coordená-la. Eu estava entusiasmado e preocupado. Era a missão de maior visibilidade que recebera em dois anos no jornal. De quebra, queria impressionar meu ídolo.

Rossi me mandou ouvir os formuladores de cada campanha. Tratei de entrevistar pessoalmente os assessores dos favoritos: Zélia Cardoso de Mello no comitê de Collor, Aloizio Mercadante no de Lula, Cesar Maia no de Brizola, entre outros. Custei a perceber, porém, que minhas reportagens caberiam melhor no Folhetim – o caderno onde o jornal tratava de literatura e ficção – do que na editoria de política, embora as evidências fossem abundantes.

No casarão do Jardim Europa onde Maluf montara seu bunker paulistano, expliquei a “doutor Paulo” – como o chamávamos – que eu precisava entrevistar o responsável por seu programa de governo. Por trás das lentes grossas, seus olhos pareciam ainda mais arregalados, como se perguntassem em silêncio o que raios aquele varapau engravatado estava pretendendo aprontar. Mas sua boca foi rápida para resolver a questão e logo se livrar de mim:

– Miguel, você está fazendo alguma coisa? Não? Então atende este menino da Folha.

Maluf acabava de nomear o ex-prefeito de São Paulo Miguel Colasuonno coordenador involuntário do seu programa de governo, com autonomia para me dizer o que eu quisesse ouvir. Foi o gesto mais espontâneo e sincero que presenciei naquela eleição. Embora eu não tivesse me dado conta à época, a atitude de Maluf evidenciou que o programa do candidato é apenas mais uma peça de propaganda. Como tal, visa agradar ao público-alvo. Só.

Obtive prova definitiva de que quase tudo que eu publicara sobre propostas de governo era fantasia quando, no dia seguinte após ser empossado, Collor decretou seu plano econômico e baixou medidas que Zélia jamais cogitara nas entrevistas durante a campanha. Confisco de aplicações financeiras, da poupança e, para espanto de Fidel Castro – que ficara uns dias no Brasil após a posse –, até dos saldos em conta corrente. O presidente cumprira ao menos a promessa de deixar a esquerda perplexa e a direita indignada.

 

Pulamos para 2018. Planos de governo são peças de campanha mais bem acabadas. Têm fotos, diagramação colorida e vão para o site da Justiça Eleitoral. Ninguém precisa ir a comitês fazer perguntas impertinentes a formuladores improvisados. Tudo muito prático. Mas e o conteúdo? É tão ficcional quanto em 1989?

Depende de como se analisa o material. Custaram-me três décadas para aprender que não importa o que políticos dizem (ou escrevem), só o que fazem. Até porque as chances de o eleito cumprir o que prometeu dependem muito menos de sua vontade do que de fatores que escapam ao seu controle, como a correlação de forças que encontrará no Congresso, de quem conseguirá atrair para o ministério, da conjuntura internacional e muito mais.

Para além das propostas em si ali impressas, me interessam a frequência com que os programas de governo usam ou deixam de usar algumas palavras e expressões, como pontuam os documentos e o volume de texto publicado. Caracteres são dados. Faço com eles o que se faz com qualquer base quantitativa: medir e comparar.

Se uma imagem vale mil palavras, as nuvens aqui mostradas valem cinquenta cada. São as expressões mais usadas pelos candidatos em seus programas de governo. O tamanho de cada palavra é proporcional ao número de vezes que foi citada. Assim fica fácil perceber qual é a mensagem central que a campanha pretende comunicar. Se não, o candidato e sua equipe não se entenderam direito.

 

Por exemplo: a mensagem principal, se não a única, que o programa de Lula quer transmitir é o próprio candidato. Nada aparece mais do que seu nome. “O governo sou eu” seria um slogan sincero. Apesar de egocêntrico, faz sentido. Não há nenhuma ideia mais importante para o substituto de Lula vender ao seu eleitor em vias de se tornar órfão do que ele ser a voz de Lula.

Para Ciro, a palavra-chave é “desenvolvimento”. Para Alckmin, uma ação: “vamos (dar ao) Brasil economia (e) qualidade”. Para Marina e para Boulos a mensagem se perde em palavras com pouco apelo eleitoral. Sobram “política” e “políticas”.

Quem foi mais prolixo? Boulos escreveu cinquenta vezes mais do que Alckmin. O tucano foi o mais sucinto. Ciro e Marina ficaram na média, Lula ficou acima, Bolsonaro ficou abaixo. O que isso significa? Pouco sobre ideias, algo sobre a importância que dão ao programa, e muito sobre como se comunicam.

No mix de forma e conteúdo, Bolsonaro foi o mais eficiente. A nuvem de palavras de seu plano de governo é quase a reprodução literal de seu slogan de campanha: “Brasil acima tudo todos Bolsonaro2018 Deus.” Não só: conseguiu mais repercussão e abafou a concorrência. Na metade escrita por seu guru, o programa lança a candidatura de Paulo Guedes a primeiro-ministro do eventual governo Bolsonaro. É para satisfazer o mercado. No resto, lança diatribes para atiçar a imprensa e mobilizar seus bolsominions. Gol.

O problema é o que Bolsonaro não diz. Ele perdeu outra chance de tentar avançar no eleitorado no qual enfrenta maior resistência: só há uma citação a “mulher”, contra 82 menções de “Deus”. As mulheres são maioria do eleitorado e votam 60% menos em Bolsonaro do que os homens. Já Deus não tem título de eleitor.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

Restam três para uma

Haddad, Ciro, Alckmin e a vaga contra Bolsonaro

O que importa no Ibope

Os avanços de Haddad, de Ciro e de Amoêdo, e a rejeição crescente de Bolsonaro

Alckmin e a cristianização

Vinte e sete pesquisas quantitativas e uma qualitativa assombram futuro de tucano na eleição

O dilema de Bolsonaro

A fuga dos debates e o risco de pregar apenas para convertidos

A era da desconfiança

Pesquisa inédita do Ibope revela nova queda da confiança dos brasileiros nas instituições e em seus conterrâneos e parentes

Mulheres no caminho de Bolsonaro

Nunca houve tanta diferença entre votos masculino e feminino quanto em 2018

A guerra das telas

Alckmin x Bolsonaro é teste final sobre quem comanda a eleição: tevê ou celular

O nome da noiva é Valdemar

Se Bolsonaro é rejeitado até pelo PRP, o dono do PR é com quem todo presidenciável quer casar

Lula, da cela à tela

Após prende e solta, candidatura do PT volta a ficar em evidência e tumultua a corrida presidencial

A nova memória coletiva

O troca-troca de dados no ecossistema digital equivale ao de germes na vida concreta

Mais textos