=igualdades

Na área mais pobre do país, PROS foi o partido mais votado na eleição proporcional

Amanda Gorziza, Lianne Ceará, Pedro Siemsen e Renata Buono
01dez2020_09h41

Na cidade de Vargem Grande (MA), com apenas 28.656 eleitores, fica o colégio eleitoral com menor renda de todo o Brasil – a média é de R$ 98 por domicílio. O partido mais votado na eleição para vereador nesta área foi o PROS, com 35% de votos válidos. A vantagem da legenda foi acima de dez pontos percentuais em relação ao PCdoB – com 21% -, partido do prefeito eleito da cidade, Carlinho Barros. O mesmo índice se repetiu no PDT, e o PL ficou em quarto lugar entre a preferência dos eleitores na hora de escolher candidatos a vereador, com 14% dos votos. 

Já na área mais rica do Maranhão, localizada entre os bairros Calhau e Ponta d’Areia da capital São Luís, a renda média é de R$ 4.322 – 44 vezes a da área mais pobre do país e consequentemente do estado, em Vargem Grande. A maioria dos votos do Legislativo nesse local foi para candidatos do PODE – 11% válidos -, partido do prefeito eleito Eduardo Braide. Em seguida, o PMN teve 7% dos votos, e o DEM e o PSB 6% cada.

Fonte: Pindograma a partir de dados do TSE e IBGE

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Pedro Siemsen

É fundador do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de história na Universidade de Columbia, em Nova York

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.