=igualdades

Na Paraíba, cidade de maioria indígena aplicou 15 vezes mais doses que município vizinho

Amanda Gorziza, Antonio S. Piltcher e Renata Buono
16abr2021_09h12

Municípios com maior proporção de população indígena estão com taxas de vacinação maiores. Até 25 de março, Marcação, na Paraíba, administrou 73 doses de vacina contra Covid-19 a cada 100 habitantes. O ideal é que se tenham 200 doses a cada 100 indivíduos, já que são necessárias duas aplicações para a completa imunização. A cidade vizinha Cuité de Mamanguape distribuiu apenas 5 doses a cada 100 habitantes. 

Ambos os municípios têm PIB per capita baixo, R$ 10 mil em Cuité de Mamanguape e R$ 9 mil em Marcação, que tem população majoritariamente indígena, 77%, o que não é o caso de Cuité, que tem apenas um autodeclarado indígena entre seus 6 mil residentes.

Fonte: Dados do Open Data SUS e IBGE, compilados pelo Pindograma



Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Antonio S. Piltcher (siga @pindograma no Twitter)

É cientista de dados do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de filosofia e ciência da computação na Universidade de Columbia, em Nova York.

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Paulo Gustavo mirava carreira internacional com Amazon a partir de 2022

Humorista estava de saída do Grupo Globo e já tinha assinado contrato de cinco anos com plataforma de streaming

Lava-se de tudo – sangue, pó e propina

Empresa de cobrança virou lavanderia de dinheiro para contrabandistas e PCC; esquema movimentou pelo menos 700 milhões de reais em quatro anos

Valores em desuso

Dois Tempos celebra amizade e afeto ao som de violões

A médica e o burocrata

No Brasil profundo, pequenos poderes se misturam com preconceito e Covid para compor uma tragédia

Mais textos