edição do mês

Na piauí_172

A capa e os destaques de edição de janeiro

04jan2021_15h58

“Para que essa ansiedade?”, questionou o general no comando do Ministério da Saúde, durante a apresentação do plano de vacinação contra a Covid-19. O vírus já causou a morte de mais de 196 mil brasileiros e a vacinação em massa da população ainda parece uma realidade distante. Através da obra O Inferno, de Pieter Huys, a capa da primeira piauí de 2021 ilustra o presente momento e reflete – será que este inferno será eterno?

O Brasil contra a democracia, de Roberto Simon, traz um trecho do livro homônimo que será publicado neste mês. O texto revela como agentes da ditadura brasileira atuaram nas torturas no Estádio Nacional de Santiago, no Chile, logo após o golpe militar que levou Pinochet ao poder em 1973.

Na terceira parte da série Arrabalde, João Moreira Salles mostra que desmatar a Amazônia não é apenas um problema ambiental, mas também econômico.

Em Parece revolução, mas é só neoliberalismo, assinado pelo pseudônimo Benamê Kamu Almudras, um retrato eloquente da realidade do professor universitário em meio a uma cruzada autoritária promovida pela direita e, ao contrário do que se poderia intuir, também pela própria esquerda.



Na reportagem “Eu vivo no compatível”, o repórter Allan de Abreu investiga um caso de corrupção dentro da Polícia Federal que chama a atenção pela desenvoltura dos bandidos de distintivo.

Em Paz entre agronegócio e direitos indígenas?, Manuela Carneiro apresenta um artigo sobre o longo caminho que o Brasil tem pela frente até que os povos indígenas possam ter um convívio pacífico com os ruralistas.

Alejandro Chacoff, no texto Nós e eles, faz a crítica de dois novos romances ambientados nos tempos vulgares do governo Bolsonaro.

Nas Esquinas, a expulsão dos colaboradores sem conta da Wikipédia lusófona, os volteios de Marta Suplicy na campanha de 2020 e os caprichos do tempo em idioma cearês.

O The Bolsozapp Herald – a rede social mais vazada do Brasil – se despede das conversas presidenciais.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.