edição do mês

Na piauí_172

A capa e os destaques de edição de janeiro

04jan2021_15h58

“Para que essa ansiedade?”, questionou o general no comando do Ministério da Saúde, durante a apresentação do plano de vacinação contra a Covid-19. O vírus já causou a morte de mais de 196 mil brasileiros e a vacinação em massa da população ainda parece uma realidade distante. Através da obra O Inferno, de Pieter Huys, a capa da primeira piauí de 2021 ilustra o presente momento e reflete – será que este inferno será eterno?

O Brasil contra a democracia, de Roberto Simon, traz um trecho do livro homônimo que será publicado neste mês. O texto revela como agentes da ditadura brasileira atuaram nas torturas no Estádio Nacional de Santiago, no Chile, logo após o golpe militar que levou Pinochet ao poder em 1973.

Na terceira parte da série Arrabalde, João Moreira Salles mostra que desmatar a Amazônia não é apenas um problema ambiental, mas também econômico.

Em Parece revolução, mas é só neoliberalismo, assinado pelo pseudônimo Benamê Kamu Almudras, um retrato eloquente da realidade do professor universitário em meio a uma cruzada autoritária promovida pela direita e, ao contrário do que se poderia intuir, também pela própria esquerda.



Na reportagem “Eu vivo no compatível”, o repórter Allan de Abreu investiga um caso de corrupção dentro da Polícia Federal que chama a atenção pela desenvoltura dos bandidos de distintivo.

Em Paz entre agronegócio e direitos indígenas?, Manuela Carneiro apresenta um artigo sobre o longo caminho que o Brasil tem pela frente até que os povos indígenas possam ter um convívio pacífico com os ruralistas.

Alejandro Chacoff, no texto Nós e eles, faz a crítica de dois novos romances ambientados nos tempos vulgares do governo Bolsonaro.

Nas Esquinas, a expulsão dos colaboradores sem conta da Wikipédia lusófona, os volteios de Marta Suplicy na campanha de 2020 e os caprichos do tempo em idioma cearês.

O The Bolsozapp Herald – a rede social mais vazada do Brasil – se despede das conversas presidenciais.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche