questões alimentares

Não adianta culpar o boi

Câmbio, exportação e demanda interna explicam aumento do preço da carne

Pedro de Camargo Neto
15set2020_17h08
Ilustração de Paula Cardoso

Primeiro foi o arroz. Agora está chegando a hora da carne bovina. O preço dos alimentos sempre foi sensível, pois o consumidor não tem a opção de postergar suas compras. Almoço e jantar são todos os dias.

A decisão política do governo sobre o arroz foi reduzir as alíquotas de importação. Demorou um pouco e dificilmente terá forte influência, pois também o mercado internacional está difícil. O ciclo do arroz é curto, com safras anuais. A produção certamente se ressente de anos passados ruins, resultado de clima adverso e ausência de apoio governamental e seguro agrícola. Nada, porém, como um ano bom para produzir mais. A poupança do agricultor é sempre preferencialmente a safra futura.

No passado um pouco distante, porém ainda na memória de muitos, o boi esteve no centro de um queda de braço entre pecuaristas e autoridades. Durante o plano Cruzado, em 1986, com o sumiço da carne de açougues e supermercados, o governo Sarney, desconfiado de que os pecuaristas estavam boicotando o congelamento de preços, mandou fiscais confiscarem animais nas propriedades. Acredito que nós, brasileiros, aprendemos a lição, e ninguém sairá atrás de boi nos pastos dessa vez.

O ciclo produtivo da carne bovina é mais longo do que o do arroz. Inicia-se pela gestação da vaca até chegar ao boi pronto para o abate. O Brasil tem reduzido significativamente esse ciclo. Claro que não nos nove meses necessários para a gestação, porém as fêmeas se tornam férteis mais cedo, e os machos ganham peso mais rápido. Investimentos em tecnologia têm propiciado crescimentos contínuos na produção de carne. Em uma década crescemos pouco mais de 20%. No último ano, a consultoria Athenagro projeta um aumento de 1,3%.



A disponibilidade per capita da carne bovina tem permanecido estável, hoje, ao redor de 39 kg/pessoa/ano. O aumento de consumo de carnes pelo brasileiro tem ocorrido na carne de aves.

As exportações de carne bovina cresceram significativamente na primeira parte dos dez anos passados se estabilizando nos últimos anos. Têm permanecido forte se alterando os destinos hoje muito dominados pela China e Hong Kong com quase 60%.

Produção e exportação cresceram e, nos últimos anos, se estabilizaram. O que ocorre com os preços?

 O boi é um só, porém desmontado ele atende a diferentes mercados. A indústria de abate também é bastante segmentada. Os grandes frigoríficos, poucos, porém com muitas unidades, são os que exportam e, portanto, estão diretamente ligados aos mercados externos e sofrem fortíssima influência do câmbio. Os frigoríficos menores se restringem ao mercado interno. Todos se abastecem no mesmo mercado de bovinos.

A pandemia de Covid-19 tumultuou bastante os mercados internacionais, agravando desajustes que já existiam. Pelo menos no setor de frigoríficos, o Brasil felizmente passou ao largo dos fortes eventos de saúde pública que tumultuaram o mercado norte-americano e mesmo o europeu. Lá, a fortíssima concentração de abates em unidades enormes, que sofreram paralisações como resultado da contaminação de funcionários, provocou transtornos nos mercados. Ocorreram inclusive sacrifícios sanitários. No exterior, é muito comum a existência de alojamentos com trabalhadores migrantes, o que facilitou muito a contaminação entre humanos, obrigando a paralisação do abate.

No Brasil, as unidades são menores, espalhadas pelo território. Os funcionários residem em unidades unifamiliares, mesmo que modestas. 

Os estabelecimentos de abate, aqui e no exterior, foram projetados para evitar a contaminação dos produtos, e não entre humanos. É muito comum a existência de trabalhadores atuando ombro a ombro. Aqui no Brasil, temos uma legislação trabalhista forte e um Ministério Público atuante. Desde o primeiro dia, o governo e o setor privado se preocuparam em atuar protegendo os trabalhadores. O governo emitiu portaria introduzindo alterações no ambiente de trabalho, e as indústrias atenderam novos protocolos sanitários.

Ocorreram inúmeras paralisações de unidades, por cerca de quinze dias, sempre que eram identificados maiores números de casos de Covid-19 entre os trabalhadores. Os cuidados tiveram resultado, e estamos atravessando a pandemia com a imagem de fornecedor confiável. 

A China, que já vinha enfrentando uma crise na produção de carne suína por causa  de outro vírus, o da Peste Suína Africana, se tornou grande importador de todas as carnes, pagando preços superiores aos que vinham sendo praticados. E os grandes frigoríficos exportadores têm impulsionado o mercado de bovinos.

As vendas para o exterior, com o câmbio favorável desses dias, permitem alta nos preços dos bovinos, pressionando os frigoríficos menores; eles vendem a carne no mercado interno espremidos pela resistência do consumidor, que sempre pode optar por outras carnes, outros cortes, outras proteínas ou mesmo vegetais. Um desajuste momentâneo, que provocará o aumento da produção e produtividade futura. 

Depois da carne virão os próximos desajustes, além dos alimentos. Já há falta de aço, cimento, plásticos, tecidos.

Certamente tínhamos que atender a população prejudicada pelas paralisações provocadas pela pandemia. Parece-nos, porém, que o elevadíssimo montante de recursos despendido foi distribuído com pouco critério, pois, se os necessitados receberam, muitas pessoas que não deveriam ter recebido também o fizeram.

Agora, vai faltar para aqueles que continuam necessitando de ajuda. A massa de recursos financeiros distribuídos para a população não atendeu somente aos que tinham perdido renda. Ampliou e alterou a disponibilidade financeira de muita gente. Não adianta colocar a culpa no boi.

Pedro de Camargo Neto

Produtor rural, doutor em engenharia, foi presidente de entidades de classe e secretário de Produção e Comércio do Min. da Agricultura (2001-2002).

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

O barato de Hannah

Pela legalização da maconha, jovem americana se muda para Montevidéu

7

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

8

O tom certo

Quatro meses depois de nos conhecermos, o Orlando sumiu. Em casa contei que a professora tinha falado que o Orlando não era culpado. O garoto é uma vítima, ela repetia nervosa, como todos nós

10

Vitória em Cristo

Com uma leitura singular da Bíblia, o pastor Silas Malafaia ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais