questões político-financeiras

Nem reformas nem investimentos

Depois do escândalo dos grampos da JBS, analistas do mercado preveem "tempos sombrios" com ou sem Michel Temer na Presidência

Consuelo Dieguez
18maio2017_00h32

BANNERMARATONAÀs sete e meia da noite – quando veio a público a notícia de que o presidente Michel Temer mandara comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha –, o mercado financeiro já estava fechado, mas os telefones de analistas de bancos e de fundos de investimento tocavam sem parar. O dia já havia sido complicado por causa da revelação de que o presidente americano, Donald Trump, tentara obstruir investigações do FBI, mas nada comparável ao que aconteceria no Brasil no início da noite, quando o clima de tensão foi alçado a um estado de pânico. Embora houvesse dúvidas sobre o futuro de Temer – se renunciaria ao cargo ou sofreria um processo de impeachment –, e do rito político – convocação ou não de novas eleições diretas ou indiretas –, o que já se tinha certeza no mercado era de que as reformas em andamento, da Previdência e Trabalhista, subiram no telhado. Ninguém mais acredita ser possível que elas sejam votadas antes de 2019.

Isso significa, na visão de analistas, tempos sombrios. A expectativa era de que, principalmente com a reforma da Previdência, haveria um impulso na economia. Esperava-se que com sua aprovação o país voltasse a ser alvo de interesse de investidores estrangeiros. “Acreditava-se que entrariam investimentos novos no país após a reforma”, disse-me um gestor de um grande fundo. “Sua aprovação seria um sinal de que o Brasil conseguiria contornar sua enorme crise fiscal”. Agora o cenário mudou. Justamente em um momento em que a economia começava a dar sinais de recuperação, com reaquecimento do mercado de trabalho e o arrefecimento da recessão. Além disso, os indicadores econômicos também apontavam para dias melhores: inflação e juros em queda, e estabilidade no câmbio. À noite, o otimismo dos analistas deu lugar à desolação.

Boa parte da elite do mercado financeiro duvida que um potencial sucessor de Temer terá condições de tocar qualquer reforma ou conduzir a economia suavemente até as próximas eleições em 2018. Analistas de instituições financeiras tentavam desenhar um cenário político desde que a notícia-bomba explodiu. Não só o PMDB, mas outro importante partido da base do governo, o PSDB, está envolvido nas denúncias, em razão de o senador mineiro Aécio Neves ter sido incluído nas delações dos donos da JBS ao Ministério Público. Segundo Wesley e Joesley Batista, donos da empresa, Aécio Neves pediu 2 milhões de reais em propina.

As informações que chegavam aos analistas financeiros davam conta de que a Constituição é clara: em caso de renúncia ou perda de mandato do presidente e do vice, deverão ser convocadas eleições indiretas em até noventa dias. Embora no Congresso já se discutisse a convocação de eleições diretas, estas só podem ser feitas após a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional, o que levaria muito tempo. Mas a convocação de eleições indiretas também é motivo de preocupação. O Congresso teria moral para fazer essa convocação?, questionavam os analistas. O nó da questão é o fato de a JBS ter sido a maior doadora de campanha nas últimas eleições. Liberou quase 400 milhões de reais em 2014 – o equivalente a 20% do lucro da empresa naquele ano – para políticos de praticamente todos os partidos. Seria um sinal claro de que o número de políticos envolvidos no escândalo pode ser surpreendente.

A crítica era que, por causa da delação premiada, a única punição para os irmãos Joesley e Wesley Batista, que participaram ativamente do esquema de corrupção, seria uma multa de 225 milhões de reais. Ficou combinado com a Justiça de que não seriam presos nem usariam tornozeleira eletrônica. Para o mercado, esse valor é insignificante diante da quantidade de recursos que a empresa recebeu do BNDES durante os governos Lula e Dilma Rousseff. “Eles receberam financiamento público de mais de 10 bilhões de reais a juros camaradas do BNDES, e agora só vão pagar isso? É piada. É um tapa na cara da população”, disse-me um analista.

Com o país em crise, que é o que mercado acredita que irá acontecer daqui para frente, a questão é saber quem seria o candidato com mais chances em 2018. Especula-se que, um aprofundamento da recessão possa favorecer a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Não há dúvida, entre os analistas, de que, para Lula, quanto maior a crise, mais chances ele teria numa corrida presidencial, caso não seja preso ou se torne “ficha suja” por envolvimento na Lava Jato.  Uma saída pelo centro poderia ser o prefeito de São Paulo, João Doria, nome bastante popular entre a elite empresarial e financeira do país. Doria teria a seu favor o fato de não ser um político profissional, o que pode agradar parte da população agastada com o comportamento deplorável da classe. Há um porém. Justamente por não ser um político profissional, Doria poderia ter dificuldade em conduzir as reformas fundamentais para tirar o país do atoleiro.

O que se comentava em tom de fofoca depois da divulgação da bomba contra Temer e Aécio, era o clima no Waldorf Astoria, em Nova York. Na véspera, havia ocorrido a festa de entrega do prêmio Homem do Ano, da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, que foi concedido a Doria. Estava lá o deputado Rodrigo Rocha Loures, do PMDB do Paraná – amigo do peito de Temer, foi filmado carregando uma mala com 500 mil reais pagos pelos irmãos Batista. “Com boa parte do PIB brasileiro na entrega do prêmio, a entrada do hotel deve estar em ebulição. É capaz de Doria ser lançado presidente ali mesmo”, brincou um figurão do mercado financeiro.

Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo