Festival Piauí GloboNews de jornalismo

festival 2015 | Nick Davies e os casos Wikileaks e Murdoch

11dez2015_11h41
Foto: Tuca Vieira
Foto: Tuca Vieira

Veterano do jornal britânico The Guardian, Nick Davies encerrou o II Festival piauí Globo News de Jornalismo 2015. Davies se concentrou em duas reportagens suas de enorme impacto: a revelação de grampos telefônicos plantados pelo tabloide News of the World e o furo do Wikileaks. A repórter da piauí Daniela Pinheiro e o jornalista Marcelo Lins, da GloboNews, foram os mediadores da conversa.

Davies começou discorrendo sobre a ruptura do modelo de negócios até então estabelecido pelo jornalismo, provocada pela fuga dos anunciantes, a disponibilidade gratuita das notícias na intenet e o crescimento das agências de comunicação:

Em seguida, o repórter destrinchou o caso dos grampos telefônicos, que atingiu o magnata Rupert Murdoch e provocou o fechamento do jornal News of the World.

À pergunta sobre o efeito da revelação das escutas no trabalho da imprensa, Nick ponderou que o impacto inicial foi considerável, mas as mudanças de fato foram irrelevantes: “No começo os tabloides foram um pouco mais cuidadosos em falar da vida dos outros, mas com o tempo voltaram a agir como antes.”

Nick afirmou que a elite tem medo do Murdoch. ”Muitos tem a vida sexual exposta nos jornais de Murdoch e isso em geral é muito humilhante. Os poderosos têm medo que isso aconteça, e isso faz com que o Murdoch tenha muita força.”

Sobre o caso das informações do Wikleaks, Nick Davies contou em detalhes como Julian Assange lhe passou as informações sobre o governo americano e mais tarde o traiu vazando as informações para outros veículos. “Assange é inteligente, mas tem um temperamento difícil. Trata as pessoas de maneira fria. Briga com advogados, com o New York Times e o Guardian.”

O papo terminou com uma confidência irônica e pessoal sobre sua vocação jornalística.

Leia Também

Últimas Mais Lidas

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

8

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

9

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

10

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução