Festival Piauí GloboNews de jornalismo

festival 2015 | Nick Davies e os casos Wikileaks e Murdoch

11dez2015_11h41
Foto: Tuca Vieira
Foto: Tuca Vieira

Veterano do jornal britânico The Guardian, Nick Davies encerrou o II Festival piauí Globo News de Jornalismo 2015. Davies se concentrou em duas reportagens suas de enorme impacto: a revelação de grampos telefônicos plantados pelo tabloide News of the World e o furo do Wikileaks. A repórter da piauí Daniela Pinheiro e o jornalista Marcelo Lins, da GloboNews, foram os mediadores da conversa.

Davies começou discorrendo sobre a ruptura do modelo de negócios até então estabelecido pelo jornalismo, provocada pela fuga dos anunciantes, a disponibilidade gratuita das notícias na intenet e o crescimento das agências de comunicação:

Em seguida, o repórter destrinchou o caso dos grampos telefônicos, que atingiu o magnata Rupert Murdoch e provocou o fechamento do jornal News of the World.

À pergunta sobre o efeito da revelação das escutas no trabalho da imprensa, Nick ponderou que o impacto inicial foi considerável, mas as mudanças de fato foram irrelevantes: “No começo os tabloides foram um pouco mais cuidadosos em falar da vida dos outros, mas com o tempo voltaram a agir como antes.”

Nick afirmou que a elite tem medo do Murdoch. ”Muitos tem a vida sexual exposta nos jornais de Murdoch e isso em geral é muito humilhante. Os poderosos têm medo que isso aconteça, e isso faz com que o Murdoch tenha muita força.”

Sobre o caso das informações do Wikleaks, Nick Davies contou em detalhes como Julian Assange lhe passou as informações sobre o governo americano e mais tarde o traiu vazando as informações para outros veículos. “Assange é inteligente, mas tem um temperamento difícil. Trata as pessoas de maneira fria. Briga com advogados, com o New York Times e o Guardian.”

O papo terminou com uma confidência irônica e pessoal sobre sua vocação jornalística.

Leia Também

Últimas Mais Lidas

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor