=igualdades

No Brasil, ministros sobrevivem no cargo por apenas 21 meses

Luigi Mazza e Renata Buono
30out2020_10h25

O que tem de prestigioso, o cargo de ministro não tem de duradouro no Brasil. De 1982 até 2010, o tempo médio de permanência dos ministros brasileiros no cargo foi de apenas 21 meses. Ou seja: em média, eles deixaram a Esplanada menos de dois anos após terem pisado nela pela primeira vez. Não é de espantar, já que os ministérios, além de estarem submetidos aos interesses imediatos da política, são os primeiros cargos a serem trocados quando um novo presidente toma posse.

Nesse quesito, o Brasil está afinado com o restante da América Latina. No continente, o tempo médio de permanência de ministros do governo federal é de 20 meses. Alguns países oferecem mais estabilidade do que outros. No México, por exemplo, os ministros sobreviveram, em média, por 32 meses – ou seja, quase três anos – no período de 1982 a 2010. Já no Peru, eles se seguraram no cargo por apenas 12 meses, em média.

A instabilidade do cargo de ministro ajuda a explicar, em parte, a instabilidade da burocracia do governo. No governo federal, ocupantes de cargos comissionados do tipo DAS – Direção e Assessoramento Superiores – sobrevivem no cargo por apenas 25 meses, em média. Se forem servidores DAS de nível 6, o mais alto da hierarquia, só duram 20 meses no cargo. Os dados foram calculados por um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicado este ano. Os pesquisadores computaram informações dos 127,7 mil servidores que passaram por cargos DAS do governo federal de 1999 até 2017.

Fonte: O carrossel burocrático nos cargos de confiança, estudo publicado pelo Ipea.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

Mais textos