questões das ruas

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Cláudio Gonçalves Couto
17out2018_13h09
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

As recentes manifestações do #EleNão levaram às ruas um público majoritariamente de esquerda, branco e de elevadas escolaridade e renda, como demonstrou uma pesquisa feita com os participantes pelo Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo, coordenado pelo professor Pablo Ortellado. Muita discussão decorreu dessa observação, da tentativa de deslegitimar a manifestação pelo seu caráter segmentado à crítica aos pesquisadores por terem supostamente oferecido munição aos bolsonaristas.

O fato observado pelos pesquisadores, contudo, não deveria surpreender, pois é o que se poderia esperar não apenas de manifestações contra uma candidatura de extrema direita, mas da maior parte das manifestações de rua, no Brasil e em outros países. Divulgado nesta quinta-feira, o último relatório do Pew Research Center sobre o engajamento político em diversos países aponta numa direção bastante similar àquela identificada nas manifestações do #EleNão.

Um levantamento feito em 14 países, dentre eles o Brasil, mostra que os mais escolarizados são mais propensos a participar politicamente de diversas formas (tanto no mundo “real” como no “virtual”). No Brasil, particularmente, a diferença entre os de maior e menor escolaridade no que diz respeito a quem diz participar de manifestações é a mais elevada dentre os países estudados. Enquanto 29% dos mais escolarizados mostram-se propensos a participar de protestos, apenas 8% dos menos formalmente educados apresentam a mesma disposição – um hiato de 21 pontos percentuais.

É uma diferença sensivelmente superior aos próximos no ranking desse hiato: Itália (17 pontos) e Grécia (15 pontos). Há, porém, uma distinção importante: nesses países o piso da propensão a participar dos menos escolarizados é bem mais alto – 22% e 25%, respectivamente. Portanto, nada de estranho no fato de haver gente mais escolarizada nas manifestações, algo que também se verificava naquelas do campo político talvez mais simpático a Bolsonaro, em que os participantes usavam camisas verde-amarelas.

Outro achado interessante do relatório é a propensão maior dos ativistas de sofá – aqueles que postam sobre política nas redes sociais – a se levantarem dali e irem para a rua, ao menos se o tema for a defesa da liberdade de expressão. Em 13 dos 14 países pesquisados, os ativistas virtuais dizem também ser mais ativos no mundo real em prol dessa liberdade. No Brasil, novamente, encontramos a maior diferença: 72% dos usuários das redes dizem sair do sofá para as ruas, contra apenas 35% dos demais cidadãos. Esses 37 pontos de diferença são hiato bem maior do que os dos próximos colocados nessa diferenciação, novamente Itália (51% a 29%) e Grécia (67% a 48%). Noutros países pesquisados em que o ativismo de rede é também intenso, como Quênia, Filipinas, Indonésia, México, Nigéria e Tunísia, a diferença entre os mobilizados digitalmente e os que não atuam aí é bem menor, nunca ultrapassando os 16 pontos.

Essa peculiaridade brasileira talvez nos ajude a entender um pouco melhor o impacto que a mobilização política virtual tem tido entre nós, seja no que concerne à mobilização para ações de rua, seja para o processo eleitoral. Se a atividade política nas redes impacta de forma tão diferenciada os cidadãos, utilizá-las politicamente de forma estratégica ganha uma centralidade toda especial. Sejam movimentos da nova direita (Vem pra Rua, MBL), mobilizações de setores econômicos (greve dos caminhoneiros) ou ativismo de esquerda (Passe Livre, #EleNão), todos foram deflagrados e até mesmo organizados a partir do mundo virtual. As atuais eleições, com ou sem fake news, são outra demonstração desse fenômeno.

Esse ativismo nas redes é um fenômeno crescente entre nós. Dentre os países pesquisados, o Brasil é aquele que apresenta o maior contingente de cidadãos a afirmar ter postado comentários políticos online no último ano – 19%. Somos acompanhados de perto por Argentina (18%) e Nigéria (17%), mas foi por aqui que esse fenômeno mais aumentou. Há quatro anos, apenas 6% dos brasileiros dizia postar comentários políticos no mundo digital, contra 9% de argentinos e nigerianos. Curiosamente, com a exceção de Israel (país que abriga muito da atual revolução digital), a grande maioria dos cidadãos em todos os países pesquisados diz que nunca postou nem postará nada sobre política nas redes; entre brasileiros esse contingente é de 61%. Pelo clima político das redes, não é de se espantar que muitos queiram distância desse debate.

 

Dentre os temas capazes de mobilizar as pessoas, apesar da proeminência que as manifestações contra a corrupção ganharam entre nós nos últimos anos, esse não parece ser o assunto que mais motiva os cidadãos brasileiros a atuarem politicamente. Considerando aqueles que se dizem muito ou algo dispostos a se mobilizar por uma questão, 59% dos brasileiros dizem que fariam algo contra a corrupção. Esse número é menor do que os que se afirmam propensos a agir contra a má qualidade da saúde (69%), pobreza (67%) ou má qualidade das escolas (66%). Por outro lado, é maior do que a disposição para agir contra políticas discriminatórias (54%) ou mau comportamento policial (52%). Em relação à liberdade de expressão (57% de dispostos a agir), a propensão a combater a corrupção apresenta resultados próximos, mas com menor intensidade: são 32% os fortemente tendentes a fazer algo contra a malversação de recursos públicos, contra apenas 22% dos que certamente se ativariam para manter o direito de se expressar livremente. Os demais, embora algo dispostos a se mobilizar, o estão em menor intensidade.

É uma constatação do novo relatório que não chega a surpreender. Pesquisas de opinião que têm perguntado aos brasileiros sobre os assuntos que mais lhes preocupam mostram que a corrupção fica normalmente abaixo de temas como saúde, educação e segurança pública. Por outro lado, o discurso contra a corrupção que faz pouco dos riscos que certos políticos ou políticas representam para a democracia (e, portanto, também para a liberdade de expressão), demonstram o quanto este tema parece sensibilizar pouco a maior parte dos brasileiros.

Cláudio Gonçalves Couto

Cientista político, coordenador do Mestrado Profissional em Gestão e Políticas Públicas da FGV-SP

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável