=igualdades

No Recife, a população vulnerável está mais próxima dos serviços de saúde que em Duque de Caxias

Amanda Gorziza, Daniel T. Ferreira, Pedro Siemsen e Renata Buono
23abr2021_09h21

Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre a acessibilidade urbana estimou o acesso a serviços de saúde nas vinte maiores cidades brasileiras. Em Duque de Caxias, município da Baixada Fluminense, 83,3% da população vulnerável, ou seja, pessoas de 50 anos ou mais entre a metade mais pobre dos habitantes da cidade, está a menos de 30 minutos de caminhada de uma Unidade Básica de Saúde. Já no Recife, 99,6% dos habitantes se encaixam nesse critério. Portanto, no Recife, a população vulnerável está mais próxima dos serviços de saúde que em Duque de Caxias.

De acordo com o estudo, em torno de 1,6 milhão de brasileiros que moram nas cidades mais populosas residem a mais de 5 km de um hospital público que tenha internação em UTI.

Fonte: Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), compilados em estudo de Rafael Pereira e outros pesquisadores

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Daniel T. Ferreira (siga @pindograma no Twitter)

É editor-chefe do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de História na Universidade de Stanford.

Pedro Siemsen (siga @pedrosgiestas no Twitter)

É fundador do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de história na Universidade de Columbia, em Nova York

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Cinco anos de segredo para presos no Haiti e mortes no Jacarezinho

Sigilo de cinco anos protege documentos sem novidade, como sobre detentos haitianos, e outros sobre os quais pouco se sabe, como as mortes no Jacarezinho

“Sou um homem e amo outro homem”

No mês do orgulho LGBTQ+, o estilista Ronaldo Fraga conta como se apaixonou por um rapaz após dois casamentos com mulheres e critica retrocesso no governo Bolsonaro

Infelizes como nunca

Pesquisa mostra que o brasileiro jamais se sentiu tão infeliz como na pandemia – e que o país é desigual até na infelicidade

Cinco anos para proteger dados sobre manutenção de veículos da Marinha e pesquisas aeroespaciais

Marinha mantém em sigilo por cinco anos documentos sobre veículos – mesmo tempo pelo qual a Agência Espacial Brasileira (AEB) oculta pesquisas sobre foguetes

Mais médicos mal formados

Em duas décadas, Brasil abriu 247 cursos de medicina – uns de excelência e outros onde falta de tudo, de microscópio a paciente para o aluno aprender procedimentos complexos

Até cem anos de sigilo para vacina de Bolsonaro e 41 para documentos americanos sobre ditadura no Brasil

Carteira de vacinação do presidente ficará em sigilo por até cem anos; papéis americanos sobre ditadura brasileira foram mantidos ocultos por 41 anos e 11 meses

Mais textos