questões cinematográficas

Nouvelle-vague e Cinema Novo – papel da amizade

Ao comentar o documentário Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague, na piauí deste mês,  não mencionei a amizade como um dos fatores de identificação entre os diferentes movimentos de renovação do cinema, contemporâneos à nouvelle vague – caso do Cinema Novo, por exemplo.

Eduardo Escorel
11jun2010_18h04

Ao comentar o documentário Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague, na piauí deste mês,  não mencionei a amizade como um dos fatores de identificação entre os diferentes movimentos de renovação do cinema, contemporâneos à nouvelle vague – caso do Cinema Novo, por exemplo.

De fato, além da juventude e ambição, o grupo de realizadores que começou a fazer filmes no Brasil, no início da década de 1960, teve relação fraterna, ao menos até por volta de 1968. Havia divergências, é claro; às vezes, levavam amigos às vias de fato. E muitas brigas terminavam em abraços e lágrimas.

Houve rupturas sérias, também. Algumas para marcar diferenças de projeto estético e político. Outras por razões pessoais. Mas passadas algumas décadas, os remascentes talvez ainda tenham dificuldade de entender a verdadeira razão desses conflitos. E, em alguns casos, até de saber se tinham mesmo algum sentido.

François Truffaut e Jean-Luc Godard romperam onze anos antes da morte prematura de Truffaut, aos 52 anos, em 1984. Nesse período, não se cumprimentaram na única vez que se cruzaram, em Nova Iorque. “Nos encontramos na mesma calçada, esperando um táxi, e ele fingiu não me ver”, Godard declarou aos biógrafos Antoine De Baecque e Serge Toubiana. Foi uma ruptura que guarda certo paralelismo com as que separaram integrantes do Cinema Novo, algumas envolvendo Glauber Rocha, que também teve morte prematura, aos 42 anos, em 1981. Quantas desavenças como essas não ficaram sem resolução? A glória do futuro ainda não tinha tramado o luto da felicidade.



No prefácio da correspondência de Truffaut, publicada em 1988, Godard começa lembrando que na época da apresentação de Os Incompreendidos, no Festival de Cannes, ainda existia “mágica”, e a exibição foi considerada uma vitória coletiva. “Por que briguei com François?”, ele pergunta. “Nada a ver com Genet ou Fassbinder. Outra coisa, que felizmente ficou sem nome. Idiota. Assim permaneceu. […] O que nos unia como dentes e lábios […] – o que nos acorrentava com mais força que o falso beijo de Interlúdio, era a tela, e apenas a tela. Era o muro que precisávamos erguer para escapar das nossas vidas, e só esse muro, que iria se diluir por trás da glória, das condecorações, e das declarações raivosas, com as quais o saturávamos com demasiada inocência. Saturno nos devorou. E nos destroçamos, pouco a pouco, para não sermos devorados primeiro. O cinema nos havia ensinado a vida. Ela se vingou como Glenn Ford no filme de Fritz Lang. […] François talvez esteja morto. Eu talvez esteja vivo. Não há diferença, não é.”

Unidos pela tela, por um muro que os protegia da vida, teriam se destroçado para sobreviver. Mas a vingança da vida não tardou. Como sempre, os textos de Godard dão o que pensar. Seus volteios intelectuais, porém, muitas vezes parecem apenas elocubrações vazias. Tendo continuado sistematicamente a ofender Truffaut depois da ruptura, tentou retomar a amizade, em 1980. Na carta em que rechaça Godard, Truffaut termina dizendo que “acredita saber o título do próximo filme autobiográfico dele: Uma merda é uma merda.” Na entrevista dada pouco depois ao Cahiers du Cinéma, Truffaut declara: “Era sempre preciso ajudá-lo, serví-lo e esperar de volta um golpe baixo.”

É longa a lista de integrantes do Cinema Novo que morreram ainda moços. Aos poucos sobreviventes, o fardo das desavenças ocorridas em vida e das oportunidades de reconciliação perdidas.

Há uma frase de Godard sem aspas no texto acima. É uma apropriação deliberada, sem crédito, como as que ele faz nos seus filmes. Tomo essa liberdade para me vingar por ele ter roubado uma revista minha. Foi no final de 1969.    

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

FORO DE TERESINA AO VIVO NO SEGUNDO TURNO

Saiba como acompanhar a transmissão.

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Mais textos
1

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

2

Posteridade!

Futuro da nação começa mal, mas acaba entrando nos trilhos

3

Eleições – porque política se aprende no colégio

Documentário usa disputa por grêmio escolar para discutir condições de ensino, democracia e conjuntura  

5

Charles Cosac decreta falência da Biblioteca Mário de Andrade

Recém-nomeado diretor da Biblioteca Mário de Andrade, a segunda maior do país, Charles Cosac decretou a falência da instituição em seu primeiro despacho, publicado em latim no Diário Oficial da Cidade de São Paulo e depositado sob a forma de livro-objeto na encruzilhada da avenida São Luiz com a rua da Consolação

6

Bate-boca entre MBL e bolsonaristas alimenta racha no antipetismo

Ofensas nas redes sociais explicitam a dificuldade em abraçar um mesmo candidato no início do ano eleitoral

7

Dilma tem reunião secreta com Diogo Mainardi em Veneza

TERRA DO NUNCA - Após o vazamento de uma reunião secreta de Dilma Rousseff com Ricardo Lewandowski e José Eduardo Cardozo, uma CPI foi instalada no Congresso para investigar o que faz Dilma nas horas vagas de suas viagens internacionais. "Num relatório preliminar, já descobrimos que Dilma foi a um show da Miley Cirus nos Estados Unidos, andou conspirando por uma nova Perestroika com Gorbachev na Rússia e vêm seguindo clandestinamente a turnê de Caetano e Gil pela Europa", denunciou Agripino Maia.

8

Molho rápido de atum

Hoje o almoço precisava sair num relâmpago e optamos por um clássico do tempo apertado, o molho de atum. As quantidades da receita abaixo podem ser dobradas e temos uma população flutuante – e hoje foram dezesseis pessoas. Usamos quatro latas de atum sólido para quase dois pacotes de massa. Mas bem que poderíamos ter usado cinco ou seis, pois quanto mais atum, melhor.

9

Sem almoço no FT

Martin Wolf alerta para os perigos da aliança entre a classe trabalhadora e a direita xenófoba

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi