questões cinematográficas

Nouvelle-vague e Cinema Novo – papel da amizade

Ao comentar o documentário Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague, na piauí deste mês,  não mencionei a amizade como um dos fatores de identificação entre os diferentes movimentos de renovação do cinema, contemporâneos à nouvelle vague – caso do Cinema Novo, por exemplo.

Eduardo Escorel
11jun2010_18h04

Ao comentar o documentário Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague, na piauí deste mês,  não mencionei a amizade como um dos fatores de identificação entre os diferentes movimentos de renovação do cinema, contemporâneos à nouvelle vague – caso do Cinema Novo, por exemplo.

De fato, além da juventude e ambição, o grupo de realizadores que começou a fazer filmes no Brasil, no início da década de 1960, teve relação fraterna, ao menos até por volta de 1968. Havia divergências, é claro; às vezes, levavam amigos às vias de fato. E muitas brigas terminavam em abraços e lágrimas.

Houve rupturas sérias, também. Algumas para marcar diferenças de projeto estético e político. Outras por razões pessoais. Mas passadas algumas décadas, os remascentes talvez ainda tenham dificuldade de entender a verdadeira razão desses conflitos. E, em alguns casos, até de saber se tinham mesmo algum sentido.

François Truffaut e Jean-Luc Godard romperam onze anos antes da morte prematura de Truffaut, aos 52 anos, em 1984. Nesse período, não se cumprimentaram na única vez que se cruzaram, em Nova Iorque. “Nos encontramos na mesma calçada, esperando um táxi, e ele fingiu não me ver”, Godard declarou aos biógrafos Antoine De Baecque e Serge Toubiana. Foi uma ruptura que guarda certo paralelismo com as que separaram integrantes do Cinema Novo, algumas envolvendo Glauber Rocha, que também teve morte prematura, aos 42 anos, em 1981. Quantas desavenças como essas não ficaram sem resolução? A glória do futuro ainda não tinha tramado o luto da felicidade.

 

No prefácio da correspondência de Truffaut, publicada em 1988, Godard começa lembrando que na época da apresentação de Os Incompreendidos, no Festival de Cannes, ainda existia “mágica”, e a exibição foi considerada uma vitória coletiva. “Por que briguei com François?”, ele pergunta. “Nada a ver com Genet ou Fassbinder. Outra coisa, que felizmente ficou sem nome. Idiota. Assim permaneceu. [...] O que nos unia como dentes e lábios [...] – o que nos acorrentava com mais força que o falso beijo de Interlúdio, era a tela, e apenas a tela. Era o muro que precisávamos erguer para escapar das nossas vidas, e só esse muro, que iria se diluir por trás da glória, das condecorações, e das declarações raivosas, com as quais o saturávamos com demasiada inocência. Saturno nos devorou. E nos destroçamos, pouco a pouco, para não sermos devorados primeiro. O cinema nos havia ensinado a vida. Ela se vingou como Glenn Ford no filme de Fritz Lang. [...] François talvez esteja morto. Eu talvez esteja vivo. Não há diferença, não é.”

Unidos pela tela, por um muro que os protegia da vida, teriam se destroçado para sobreviver. Mas a vingança da vida não tardou. Como sempre, os textos de Godard dão o que pensar. Seus volteios intelectuais, porém, muitas vezes parecem apenas elocubrações vazias. Tendo continuado sistematicamente a ofender Truffaut depois da ruptura, tentou retomar a amizade, em 1980. Na carta em que rechaça Godard, Truffaut termina dizendo que “acredita saber o título do próximo filme autobiográfico dele: Uma merda é uma merda.” Na entrevista dada pouco depois ao Cahiers du Cinéma, Truffaut declara: “Era sempre preciso ajudá-lo, serví-lo e esperar de volta um golpe baixo.”

É longa a lista de integrantes do Cinema Novo que morreram ainda moços. Aos poucos sobreviventes, o fardo das desavenças ocorridas em vida e das oportunidades de reconciliação perdidas.

Há uma frase de Godard sem aspas no texto acima. É uma apropriação deliberada, sem crédito, como as que ele faz nos seus filmes. Tomo essa liberdade para me vingar por ele ter roubado uma revista minha. Foi no final de 1969.    

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

7

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

10

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente