=igualdades

Nova direita dispara em número de filiados, velha direita despenca

Luigi Mazza, Plínio Lopes e Renata Buono
28set2020_10h55

A maré de filiações partidárias em ano eleitoral serve como termômetro do que está por vir nas eleições. A pouco mais de um mês do pleito municipal deste ano, os dados mostram uma tendência em curso: os partidos tradicionais encolheram de tamanho desde 2019, enquanto partidos mais jovens dispararam em número de filiações. Esse movimento fica claro, sobretudo, no campo da direita. PSDB e DEM, os maiores expoentes da “velha” direita brasileira, perderam, somados, 158 mil filiados de abril de 2019 até abril de 2020. Na contramão, PSL e Novo, representantes da “nova” direita que ascendeu ao poder em 2018, ganharam 172 mil filiados no mesmo período.

Quem deu o maior salto, de longe, foi o PSL. O ex-partido do presidente Jair Bolsonaro cresceu 60% desde o ano passado, passando de 271,1 mil para 435,8 mil filiados. Já o Novo, legenda que faz parte da base de apoio do governo, teve um crescimento de 24% nesse período, saltando de 33,8 mil para 42 mil filiados.

Na eleição de 2018, o PSL ocupava a décima-sétima posição no ranking de partidos com maior número de filiados. De lá para cá, saltou para a décima-segunda posição. Um crescimento expressivo, que se explica por razões práticas. Hoje, o PSL é o segundo partido com maior volume de recursos recebidos do Fundo Eleitoral – terá R$ 199 milhões para gastar nas eleições deste ano. Fica atrás apenas do PT, que terá R$ 201 milhões.

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE).



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.