Igualdades

O acender das luzes

Julia Sena, Amanda Rossi e Renata Buono
02set2019_09h00

O Brasil é um dos países que mais produz energia renovável no mundo. No ano passado, 81% da eletricidade consumida no país foi gerada por turbinas movidas a água e vento ou por placas solares, que não emitem gases que provocam aquecimento global. É cerca de quatro vezes a média de uso de energia renovável no mundo, segundo a Agência Internacional de Energia. As hidrelétricas são a principal fonte de eletricidade brasileira. A seguir vêm as usinas térmicas, cuja geração de energia quase quadruplicou desde 2011. Isso ajudou a evitar um novo apagão em 2014 – quando a seca fez os reservatórios das hidrelétricas baixarem – mas aumentou a emissão de poluentes. A energia eólica também ganhou espaço e já é a terceira principal fonte de eletricidade do país. O =igualdades desta semana traz comparações sobre a energia produzida no Brasil.

O Brasil já chegou perto de ter 100% de energia renovável. Em 1995, 94 de cada 100 watts produzidos no país provinham de fontes verdes. Já na Alemanha, eram 5 de cada 100 watts.

No ano passado, a proporção de energia renovável no Brasil foi de 81 a cada 100 watts produzidos. Enquanto isso, na Alemanha, chegou a 40 de cada 100 watts.

A queda na proporção de energia renovável no Brasil ocorreu devido ao aumento da energia térmica, produzida pela queima de combustível fóssil. Estima-se que as usinas térmicas brasileiras tenham liberado o equivalente a 59 milhões de  toneladas de CO² no ambiente, em 2017, a última medição disponível. Isso equivale à poluição gerada pela queima de todo o combustível vendido em postos paulistas e fluminenses no mesmo ano.



A principal fonte renovável do Brasil é a hidrelétrica, que gera energia a partir do movimento dos rios. Com mais de um décimo da água doce do planeta, o Brasil tem mais de mil hidrelétricas. Em 2018, elas produziram 72% da energia do país. As térmicas geraram 16,5%; as eólicas, 8%; a nuclear, 3%; e a solar, 0,5%.

O Brasil começou a produzir energia eólica, a partir dos ventos, apenas em 2006. Uma década depois, a eólica já tinha se tornado a terceira principal fonte de energia do país. O pico de produção ocorre entre setembro e outubro, quando os ventos ficam mais fortes. A maior geração já registrada foi em 12 de setembro de 2018, suficiente para abastecer 14 de cada 100 consumidores brasileiros naquele dia.

O Brasil está entre os dez países com maior capacidade de geração eólica no mundo. A China, líder nesse tipo de energia, tem 15 vezes o poder de geração brasileiro. 

A emissão de gases poluentes e a geração de lixo nuclear não são os únicos problemas ambientais da produção de energia. Exemplo disso é a hidrelétrica de Belo Monte, criticada por alterar as dinâmicas do Rio Xingu. Em 2018, Itaipu gerou quatro vezes o que foi produzido por Belo Monte.

Fontes: Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Empresa de Pesquisa Energética, Agência Internacional de Energia (IEA), Banco Mundial, SEEG Monitor Elétrico, Fraunhofer, Relatório 2019 da Energia Eólica Internacional.

Nota metodológica: a soma dos ícones da quarta infografia, sobre a composição da matriz de energia brasileira, é igual a 101 devido aos arredondamentos.

Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

Colaboradora da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Onde há fumaça…

… há o Pantanal em chamas, um vírus disseminado e o abandono da cultura – as marcas do governo do capitão

A primeira onça

Biólogo relata dia a dia de expedição para rastrear felinos e mergulha em região do Pantanal onde a ameaça do fogo convive com um pedaço de natureza que ainda resiste

Vacina a jato

Contra a Covid-19, empresas e OMS analisam liberar produto com 60% de eficácia, mas pesquisadores debatem riscos éticos e sanitários

A Bíblia e a bala

Nas polícias, setores evangélicos pentecostais dão sustentação às posições mais radicais do bolsonarismo

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

90

7

Cientistas em rede

Em tempos de web 2.0, os pesquisadores interessados em interagir com colegas de todo o mundo com quem dividem os mesmos interesses acadêmicos têm à sua disposição uma série de plataformas para trocar informações sobre novos estudos e congressos. O ecossistema das redes sociais para cientistas está cada vez mais diverso. Entre serviços parecidos com o Facebook e portais para o compartilhamento de arquivos, tem opções para todos os gostos – inclusive para quem busca uma alma gêmea num laboratório.

9

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

10

Military Fashion Week

Nelson Jobim übersexy e hiperbélico no the piauí herald