Igualdades

O acender das luzes

Julia Sena, Amanda Rossi e Renata Buono
02set2019_09h00

O Brasil é um dos países que mais produz energia renovável no mundo. No ano passado, 81% da eletricidade consumida no país foi gerada por turbinas movidas a água e vento ou por placas solares, que não emitem gases que provocam aquecimento global. É cerca de quatro vezes a média de uso de energia renovável no mundo, segundo a Agência Internacional de Energia. As hidrelétricas são a principal fonte de eletricidade brasileira. A seguir vêm as usinas térmicas, cuja geração de energia quase quadruplicou desde 2011. Isso ajudou a evitar um novo apagão em 2014 – quando a seca fez os reservatórios das hidrelétricas baixarem – mas aumentou a emissão de poluentes. A energia eólica também ganhou espaço e já é a terceira principal fonte de eletricidade do país. O =igualdades desta semana traz comparações sobre a energia produzida no Brasil.

O Brasil já chegou perto de ter 100% de energia renovável. Em 1995, 94 de cada 100 watts produzidos no país provinham de fontes verdes. Já na Alemanha, eram 5 de cada 100 watts.

No ano passado, a proporção de energia renovável no Brasil foi de 81 a cada 100 watts produzidos. Enquanto isso, na Alemanha, chegou a 40 de cada 100 watts.

A queda na proporção de energia renovável no Brasil ocorreu devido ao aumento da energia térmica, produzida pela queima de combustível fóssil. Estima-se que as usinas térmicas brasileiras tenham liberado o equivalente a 59 milhões de  toneladas de CO² no ambiente, em 2017, a última medição disponível. Isso equivale à poluição gerada pela queima de todo o combustível vendido em postos paulistas e fluminenses no mesmo ano.

A principal fonte renovável do Brasil é a hidrelétrica, que gera energia a partir do movimento dos rios. Com mais de um décimo da água doce do planeta, o Brasil tem mais de mil hidrelétricas. Em 2018, elas produziram 72% da energia do país. As térmicas geraram 16,5%; as eólicas, 8%; a nuclear, 3%; e a solar, 0,5%.

O Brasil começou a produzir energia eólica, a partir dos ventos, apenas em 2006. Uma década depois, a eólica já tinha se tornado a terceira principal fonte de energia do país. O pico de produção ocorre entre setembro e outubro, quando os ventos ficam mais fortes. A maior geração já registrada foi em 12 de setembro de 2018, suficiente para abastecer 14 de cada 100 consumidores brasileiros naquele dia.

O Brasil está entre os dez países com maior capacidade de geração eólica no mundo. A China, líder nesse tipo de energia, tem 15 vezes o poder de geração brasileiro. 

A emissão de gases poluentes e a geração de lixo nuclear não são os únicos problemas ambientais da produção de energia. Exemplo disso é a hidrelétrica de Belo Monte, criticada por alterar as dinâmicas do Rio Xingu. Em 2018, Itaipu gerou quatro vezes o que foi produzido por Belo Monte.

Fontes: Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Empresa de Pesquisa Energética, Agência Internacional de Energia (IEA), Banco Mundial, SEEG Monitor Elétrico, Fraunhofer, Relatório 2019 da Energia Eólica Internacional.

Nota metodológica: a soma dos ícones da quarta infografia, sobre a composição da matriz de energia brasileira, é igual a 101 devido aos arredondamentos.

Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira