Igualdades

O acender das luzes

Julia Sena, Amanda Rossi e Renata Buono
02set2019_09h00

O Brasil é um dos países que mais produz energia renovável no mundo. No ano passado, 81% da eletricidade consumida no país foi gerada por turbinas movidas a água e vento ou por placas solares, que não emitem gases que provocam aquecimento global. É cerca de quatro vezes a média de uso de energia renovável no mundo, segundo a Agência Internacional de Energia. As hidrelétricas são a principal fonte de eletricidade brasileira. A seguir vêm as usinas térmicas, cuja geração de energia quase quadruplicou desde 2011. Isso ajudou a evitar um novo apagão em 2014 – quando a seca fez os reservatórios das hidrelétricas baixarem – mas aumentou a emissão de poluentes. A energia eólica também ganhou espaço e já é a terceira principal fonte de eletricidade do país. O =igualdades desta semana traz comparações sobre a energia produzida no Brasil.

O Brasil já chegou perto de ter 100% de energia renovável. Em 1995, 94 de cada 100 watts produzidos no país provinham de fontes verdes. Já na Alemanha, eram 5 de cada 100 watts.

No ano passado, a proporção de energia renovável no Brasil foi de 81 a cada 100 watts produzidos. Enquanto isso, na Alemanha, chegou a 40 de cada 100 watts.

A queda na proporção de energia renovável no Brasil ocorreu devido ao aumento da energia térmica, produzida pela queima de combustível fóssil. Estima-se que as usinas térmicas brasileiras tenham liberado o equivalente a 59 milhões de  toneladas de CO² no ambiente, em 2017, a última medição disponível. Isso equivale à poluição gerada pela queima de todo o combustível vendido em postos paulistas e fluminenses no mesmo ano.



A principal fonte renovável do Brasil é a hidrelétrica, que gera energia a partir do movimento dos rios. Com mais de um décimo da água doce do planeta, o Brasil tem mais de mil hidrelétricas. Em 2018, elas produziram 72% da energia do país. As térmicas geraram 16,5%; as eólicas, 8%; a nuclear, 3%; e a solar, 0,5%.

O Brasil começou a produzir energia eólica, a partir dos ventos, apenas em 2006. Uma década depois, a eólica já tinha se tornado a terceira principal fonte de energia do país. O pico de produção ocorre entre setembro e outubro, quando os ventos ficam mais fortes. A maior geração já registrada foi em 12 de setembro de 2018, suficiente para abastecer 14 de cada 100 consumidores brasileiros naquele dia.

O Brasil está entre os dez países com maior capacidade de geração eólica no mundo. A China, líder nesse tipo de energia, tem 15 vezes o poder de geração brasileiro. 

A emissão de gases poluentes e a geração de lixo nuclear não são os únicos problemas ambientais da produção de energia. Exemplo disso é a hidrelétrica de Belo Monte, criticada por alterar as dinâmicas do Rio Xingu. Em 2018, Itaipu gerou quatro vezes o que foi produzido por Belo Monte.

Fontes: Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Empresa de Pesquisa Energética, Agência Internacional de Energia (IEA), Banco Mundial, SEEG Monitor Elétrico, Fraunhofer, Relatório 2019 da Energia Eólica Internacional.

Nota metodológica: a soma dos ícones da quarta infografia, sobre a composição da matriz de energia brasileira, é igual a 101 devido aos arredondamentos.

Julia Sena (siga @ajuliasena no Twitter)

Colaboradora da piauí. Antes, trabalhou no FOX Sports Brasil

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário