questões cinematográficas

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão

Para crítico, a violência extrema anula os propósitos libertários almejados pelo longa

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão
16ago2018_13h24
O filme, dirigido por Gabriela Amaral Almeida, peca também pela idealização dos desvalidos em contraposição à caricatura dos opressores
O filme, dirigido por Gabriela Amaral Almeida, peca também pela idealização dos desvalidos em contraposição à caricatura dos opressores

A trama, ou situação dramática, de O Animal Cordial, de Gabriela Amaral Almeida, é bem conhecida e pertence à linhagem de Horas de Desespero (1955), filme noir dirigido por William Wyler, com Humphrey Bogart e Frederic March. Baseado no romance de Joseph Hayes, Horas de Desespero foi inspirado em fatos reais e, antes de chegar ao cinema, teve também encenação na Broadway.

A casa de Daniel C. Hilliard (Frederic March), pai de classe média, é invadida por um trio de presidiários foragidos liderados por Glenn Griffin (Humphrey Bogart), papel criado no teatro por Paul Newman. A família Hilliard é feita refém e ameaçada de morte. A partir daí, não é difícil imaginar os desdobramentos, mesmo sem ter assistido ao filme.

Na nova versão, lançada com o mesmo título, em 1990, Tim Cornell (Anthony Hopkins) e Michael Bosworth (Mickey Rourke) são os antagonistas, sob a direção de Michael Cimino, no que resultou em retumbante fracasso comercial.

Variante mais recente, Encurralados (2007), é um thriller dirigido por Mike Barker cujo título original é Butterfly on a Wheel, mas que na Europa foi batizado como Horas de Desespero. Dessa vez, o confronto é entre Tom Ryan (Pierce Brosnan) e Neil Randall (Gerard Butler). Nas três versões, trata-se, em resumo, de um singelo, mas amedrontador, confronto entre o bem e o mal.

Outras variantes são as duas versões de O Círculo do Medo, uma de 1962, outra de 1991 (intitulada Cabo do Medo). Na primeira, cuja filmagem chegou a ser planejada por Alfred Hitchcock e acabou sendo dirigida por J. Lee Thompson, o embate é entre Sam Bowden (Gregory Peck) e Max Cady (Robert Mitchum). A novidade é a motivação de Cady que, depois de passar oito anos preso por estupro, procura se vingar de Bowden, advogado ao qual atribui a responsabilidade por sua condenação.

Na nova versão, dirigida por Martin Scorsese, Nick Nolte e Robert de Niro recriam Bowden e Cady, mas já não se trata apenas do bem contra o mal. Os personagens são mais complexos, a violência extrema e o clima assustador beira o insuportável.

Outra referência que ocorre ao assistir a O Animal Cordial, embora a relação seja mais tênue, é Um Dia de Cão (1975), de Sidney Lumet, que começa como um assalto a uma agência bancária, baseado em roubo semelhante ocorrido no Brooklyn, em 1972. No filme, os funcionários do banco se tornam reféns de Sonny Wortzik (Al Pacino), o assaltante desastrado que a mídia transforma em celebridade.

O que O Animal Cordial faz é um mero rearranjo dessas situações dramáticas já consolidadas e desse tabuleiro de personagens cristalizados. E cria novos percursos e desfechos para cada um deles, fazendo emergir a bestialidade encoberta por aparências pacíficas. Esses seres metamorfoseados seriam os animais cordiais do título. Os dois ladrões, de seu lado, limitam-se a desencadear a ação, tornando-se a partir daí figurantes, sem se constituírem propriamente como personagens. No todo, não há grande novidade, apenas mudanças de posição e o esquematismo habitual do gênero quando quem contracena, destituído de individualidade, representa categorias sociais. A vítima se torna algoz e o algoz vítima, trama tão antiga quanto a Sé de Braga.

A inversão de lugares e a violência extrema a que chegam Inácio (Murilo Benício), dono de restaurante, e Sara (Luciana Paes), a garçonete, incorrem na espetacularização da barbárie que encobre e anula os propósitos libertários que O Animal Cordial pretenderia ter. Somam-se a esse autocancelamento a recorrente idealização dos desvalidos em contraposição à caricatura dos opressores.

Causam-me surpresa e soam exagerados, portanto, as loas de vozes respeitáveis ao filme de Gabriela Amaral Almeida e os aplausos generalizados com os quais a crítica acolheu O Animal Cordial. Mas quem sabe eu é que estou equivocado?

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

5
8

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo