questões de poder

O drible de Bolsonaro no Supremo

Escolha do novo diretor-geral da PF driblou ordem do tribunal, mas talvez não consiga contornar resistência da corporação

Malu Gaspar
05maio2020_14h03
Bolsonaro e Rolando de Souza na posse –
Bolsonaro e Rolando de Souza na posse – Intervenção de Paula Cardoso sobre foto de Isac Nóbrega/PR/Agência Brasil

Não durou mais do que vinte minutos a posse do novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando de Souza, na manhã da segunda-feira, no Palácio do Planalto. A cerimônia fechada e às escondidas, na presença de oito ministros e um fotógrafo, visava escapar de qualquer tentativa de impedi-la, por parte da oposição ou do Supremo Tribunal Federal. O próprio Rolando foi avisado só de manhã de que deveria ir de casa direto para o Palácio do Planalto, e não para a sede da Abin, onde dá expediente. Ao deixar o palácio, no final da manhã, ainda estava tenso e atordoado com o que acabara de passar. Sabia que o desafio maior não era conseguir ser nomeado e empossado, mas comandar uma corporação que viu desafiada sua capacidade de resistir à declarada intenção do presidente da República de manobrar a PF de acordo com suas conveniências pessoais.  Bolsonaro, por sua vez, está satisfeito. Como se diz nos bastidores da PF, o presidente deu um “drible da vaca” no STF.  Tirou o nome de Ramagem de campo, deu a volta no tribunal e nomeou o 02 de Ramagem do outro lado.  

A desconfiança em torno do nome de Souza é tal que, pela primeira vez na história, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal, a ADPF,  não emitiu a protocolar nota pública saudando e apoiando a indicação do novo diretor-geral. E já se cunhou entre os delegados o óbvio apelido de “Rolando Lero” para o novo DG. Se ele apenas enrolar Bolsonaro, como o apelido sugere, a corporação estará no lucro. O primeiro gesto de Souza –  escolher para diretor-executivo o  superintendente do Rio de Janeiro, Carlos Henrique Oliveira – mostra que ele já assumiu cumprindo ordens.  Oliveira, como se diz no jargão, caiu para cima. O presidente não está nem um pouco preocupado com quem vai assessorar o novo diretor-geral. Ele quer o Rio, como já disse pelo WhatsApp a Sergio Moro. Agora, ele pode finalmente escolher alguém de sua confiança para o cargo. 

E por que Bolsonaro quer controlar a PF no Rio? Há certamente razões ainda recônditas. O valor de ter acesso a tudo o que acontece nas investigações contra o crime organizado no estado onde o presidente tem sua base eleitoral é incalculável. Foi na Polícia Federal, por exemplo, que  surgiu o  rumor de que havia um relatório de inteligência do Coaf implicando Flavio Bolsonaro e o assessor Fabrício Queiroz no esquema das rachadinhas. E foi na PF do Rio que nasceu uma investigação sobre suposta fraude previdenciária envolvendo o deputado Hélio Bolsonaro, o Hélio Negão, no ano passado.  O episódio enfureceu o presidente e o fez pedir a cabeça do então superintendente, Ricardo Saadi. Moro substituiu Saadi por Oliveira, que ficou apenas cinco meses no cargo e agora vai para Brasília. 

Algumas das encomendas que Bolsonaro já fez ou fará a Souza são expressas pelo próprio presidente e seus aliados, nos bastidores. Uma delas será descobrir por que o porteiro do condomínio onde morava o presidente, na Barra da Tijuca, afirmou que os suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco tinham ido à casa de Bolsonaro na véspera do crime. Para o presidente, o depoimento do porteiro (que não se comprovou e que depois ele mesmo desmentiu) foi uma armação do governador Wilson Witzel. Ele não tem provas, mas tem certeza de que o governador fluminense “plantou” o depoimento do porteiro no inquérito para complicar sua vida, aproveitando-se do fato de que a  investigação do crime está a cargo da Polícia Civil do Rio. Outra encomenda será investigar o próprio Witzel, de preferência provando corrupção e desvio de dinheiro nos contratos de equipamentos e hospitais de campanha para atender às vítimas do coronavírus. 

Aos 46 anos, com um histórico de investigações em crimes financeiros, como lavagem de dinheiro, corrupção e manipulação de mercado,  Souza era, até ontem, um delegado com fama de competente.  Na chefia do Serviço de Repressão ao Desvio de Recursos Públicos, a SRDP,  ele foi responsável pela implantação do sistema Atlas, um programa que permite pesquisar, ao mesmo tempo, setenta bancos de dados em todo o país.  Colegas que já trabalharam com ele o descrevem como dedicado, afável e inteligente. Os quinze anos de carreira na corporação, porém, ainda não lhe conferiam estatura  para ser alçado ao comando. Normalmente, os diretores gerais têm pelo menos vinte anos de PF, e, ao serem escolhidos,  já haviam chefiado superintendências estaduais relevantes e ou divisões-chave para a PF —  como a de combate ao crime organizado ou a Interpol. 

O último diretor-geral escolhido para resolver os problemas de um presidente da República, Fernando Segóvia,  caiu em 99 dias, expelido pela corporação. Segóvia, porém, não era propriamente um delegado respeitado quando assumiu. E tampouco fez questão de ser sutil. No auge da crise política no governo Temer, chegou a telefonar para o superintendente em São Paulo, Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho, para pedir a cabeça do delegado que chefiava as investigações a respeito de desvios no Porto de Santos, Júlio Baida Filho. O superintendente obedeceu a ordem, mas registrou a interferência por escrito e tornou público o episódio, desgastando e minando a liderança de Segóvia . Detalhes das diversas investigações sobre Temer também vazaram sistematicamente na imprensa. E, se não tivesse sido substituído pelo ministro Raul Jungmann assim que assumiu o cargo, Segóvia teria sido alvo de ataques ainda mais pesados. 

O novo diretor-geral conhece a história e sabe a que está sujeito. Agora é esperar para ver qual briga ele vai querer comprar: se com Bolsonaro ou com a Polícia Federal.



Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Foi repórter da piauí, é autora de A Organização: A Odebrecht e o Esquema de Corrupção que Chocou o Mundo (Companhia das Letras)

Leia também

Últimas Mais Lidas

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Prisioneiros do neoliberalismo

O Brasil colocou de lado a verdadeira revolução a se fazer no ensino

Capitalismo criminal – a violência é o grande negócio

Documentário América Armada mostra por que situação da Colômbia tem conexões com o Brasil

Riscos de um domingo sem parque

Sem gestão eficiente, equipamentos públicos indispensáveis acabam murchando

“Um livro me mostrou que era possível ocupar a casa grande”

Empresária do grupo Racionais MCs, Eliane Dias relata o impacto em sua vida do primeiro livro de Carolina de Jesus

“A gente fica sem ação diante de tanta dor”

A rotina de uma assistente social encarregada de acolher as famílias dos mortos pela Covid

Mais textos
2

“Vincere” e “San Clemente” – Belocchio e Depardon

Quem assistiu “Vincere”, um dos melhores filmes de 2010, sabe que Ida Dalser, primeira mulher de Benito Mussolini e personagem principal do roteiro escrito e dirigido por Marco Bellocchio, foi internada no hospital psiquiátrico San Clemente, numa pequena ilha, ao largo da praça São Marcos, em Veneza.

3

Pelo porto de Santos, duas décadas de propinas

Relatório da Polícia Federal revela como Temer, um coronel aposentado, um arquiteto e um economista forjaram um esquema de desvios milionários que começou em 1995

4

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

5

Marco Feliciano exige que Daniela Mercury vá para a fogueira

IDADE MÉDIA - Após apontar o Todo Poderoso como mandante do assassinato de John Lennon, o presidente da Inquisição dos Direitos Humanos, Marco Feliciano, teve uma queda de pressão súbita ao ver a foto de Daniela Mercury beijando sua esposa. "Meus sais!", suspirou antes de desmaiar nos braços de Jair Bolsonaro. Assim que recobrou o sexto sentido, Feliciano surtou: "Minha santa periquita do bigode loiro! É bruxa! É uma bruxa! Bruxinha, bruxilda, bruxona! Fogueira nela, em nome do Senhor!", berrou, em falsete, enquanto ajeitava uma ponta dupla em sua franja.

6

Nas curvas com Maluf

O primeiro Jaguar a gente nunca esquece

8

Pra que time você torce: o do Uram ou o do Delcir?

Antes das mudanças ocorridas na Lei do Passe, em 1998, os jogadores pertenciam ao Atlético Paranense, à Ponte Preta, ao Internacional. Hoje eles pertencem à LA Sports, do empresário Luiz Alberto, à Brazil Soccer, de Eduardo Uram, e à DIS, de Delcir Sonda. E temos o descalabro que começa este post: jogadores da mesma empresa espalhados por times diferentes. (Além de João Paulo no Atlético Paranaense e William na Ponte Preta, a LA Sports tem, entre muitos outros, Pierre no Atlético Mineiro, Luís Ricardo na Portuguesa de Desportos e Vanderlei, Gil, Júnior Urso e Robinho no Coritiba.)

9

Sem tigres nem dragões

O tatuador da classe AA

10

Com medo de vaias, Temer censura Temer

Acossado por vaias constantes, o presidente Michel Temer censurou a si próprio