questões eleitorais

O duplo apelo dos candidatos Bíblia-bala

Total de candidatos que adotam nome religioso junto com patente militar cresceu 116% em quatro anos

Amanda Gorziza
16out2020_15h46
Ilustração: Paula Cardoso
Ilustração: Paula Cardoso

O que atrai mais votos dos eleitores no Brasil de 2020? Um candidato com nome religioso ou um com nome militar? Na eleição deste ano, 26 candidatos resolveram a dúvida de um jeito simples: escolheram os dois. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que, de 2016 a 2020, aumentou em 116% o total de candidatos que levam para o seu nome oficial na urna uma dupla qualificação, a religiosa e a militar. Este ano, 26 postulantes optaram pela dupla denominação, sendo 23 candidatos a vereador, dois a prefeito e um a vice-prefeito. Em 2016, eram doze casos: nove candidatos a vereador (três eleitos), um a prefeito e dois a vice-prefeito apostaram na dobradinha militar-religiosa. O cálculo leva em conta os termos cabo, capitão, soldado, coronel, policial, sargento, tenente, pastor e irmão, além das respectivas abreviações.

O Soldado Pastor Ezequiel (Avante) é um dos candidatos que personificam o fenômeno religioso e militar nesta eleição. Ezequiel Marcos Ferreira Bueno, 44 anos, é vereador em Ponta Grossa, no Paraná, desde 2012, e busca a reeleição. Em 2016, utilizava apenas Pastor Ezequiel como nome na urna e foi o terceiro vereador mais votado na cidade; em 2018, quando concorreu ao cargo de deputado federal pelo Partido Republicano Brasileiro, atual Republicanos, adotou na urna sua patente de policial militar e virou o Soldado Pastor Ezequiel. Não foi eleito. “Houve uma cobrança do meu eleitorado militar, então resolvi acrescentar o soldado, porque eu também represento essa classe”, explicou. Pastor há dezoito anos, seu lema é a defesa da família, da igreja e da segurança pública, pautas que vêm ganhando mais espaço principalmente em discursos conservadores. “Desde o início, em 2012, quando comecei minha primeira campanha, declarei que iria defender a família, por ser cristão, militar e acreditar no conservadorismo. Não abro mão dessas bandeiras.”

Outro candidato a vereador, em vez de duplicar, triplicou os títulos na urna: Pastor Aquino Doutor Aquino Sargento Aquino (Podemos), na cidade de Cruzeiro, em São Paulo. Na eleição passada, quando foi candidato pelo DEM a vice-prefeito, ele era apenas Sargento Aquino. A chapa ficou em terceiro lugar, com 11,70% dos votos (4.587).

O Avante e o Patriota, ambos conservadores, são os que mais têm candidatos com a dupla denominação, quatro em cada partido. Os partidos dizem ter ideologia cristã, e o Patriota prega também princípios militaristas. Dos candidatos com a dupla inserção militar-religiosa, onze estão no Nordeste (quatro são da Bahia, quatro de Pernambuco, e os outros três do Maranhão, Rio Grande do Norte e Sergipe).



O pioneiro de maior sucesso ao incorporar a tendência militar e religiosa na política brasileira foi o ex-PM Pastor Sargento Isidório. Em 2018, a piauí contou a história do deputado baiano, que faz questão de mostrar o porrete e a Bíblia nas mãos. Deputado federal mais votado na Bahia, ele agora disputa a prefeitura de Salvador pelo Avante e, pela pesquisa Ibope divulgada em 5 de outubro, está em segundo na disputa, com 10% das intenções de voto, atrás de Bruno Reis (DEM), com 42%. O ex-PM defende pautas conservadoras, como casamento heteronormativo e formação tradicional da família. É idealizador da Fundação Doutor Jesus, centro de acolhimento a dependentes químicos em Candeias, no Recôncavo Baiano, local que ele mantém há mais de 27 anos. O papel de pastor, a patente militar e o discurso conservador são elementos de uma tendência que tem ganhado cada vez mais espaço na política brasileira.

Para Lívia Reis, antropóloga e pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Estudos da Religião (ISER), os debates morais vêm tomando grandes proporções na sociedade brasileira, o que acaba impactando na eleição. Os candidatos são demandados a opinar sobre essas pautas. “A nomenclatura religiosa na urna é um indicativo de que aqueles valores vão ser defendidos”, avalia Reis. Uma mobilização geral em torno da “retórica da perda”, fruto da insegurança e do perigo generalizado na população, está tomando conta dos debates, o que faz com que, cada vez mais, políticos adotem títulos religiosos e militares que vão ao encontro desse discurso.

O retorno da ordem e da segurança é visto como essencial por esses políticos, de acordo com a antropóloga – e o bordão alusivo à família e à proteção na campanha do Soldado Pastor Ezequiel é exemplo disso, assim como o porrete e a Bíblia de Isidório. O militarismo na política, mais impulsionado após a eleição de Bolsonaro, corrobora a ideia da desordem, não só com pautas relacionadas à segurança, mas também à disciplina – que, no discurso desses candidatos, parece ter desaparecido em várias áreas.

Foco e disciplina são valores fundamentais na Igreja Universal, lembra Reis, e, com isso, as identidades militares e religiosas em alguma medida se juntam. A sensação de desordem e de que ninguém obedece a mais nada gera muita insegurança para ambos os lados. “Dependendo do lugar em que o candidato está, ele mobiliza uma ou outra identidade, ou até mesmo as duas juntas, porque elas se casam”, comenta Reis em relação à dobradinha militar-religiosa. A pesquisadora destaca um discurso saudosista de uma realidade que não existe mais, como se a moral e os bons costumes tivessem sido destruídos pela esquerda. “Os candidatos acionam a disciplina militarizada e dizem: no meu tempo não era assim”, exemplifica. Resta aguardar para ver se a estratégia dois em um dará resultado.

Amanda Gorziza

Estagiária de jornalismo na piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
3

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

4

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

5

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

6

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

8

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.

9

Kennedy esquece quem pagou o seu carro

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço e o primeiro e único católico.

10

Numa tentativa de reavivar a carreira, Belchior vai para o Canadá

OTTAWA – Atento à tendência algo declinante da própria carreira, o cantor Belchior decidiu inscrever-se num curso de intercâmbio no estado de Manitoba, Canadá. O artista partiu ontem e, segundo sua assessoria de imprensa, espera para breve uma onda de publicidade envolvendo o seu nome.