Igualdades

O fundo da Educação

Amanda Rossi e Renata Buono
09mar2020_08h06

A principal fonte de financiamento das escolas públicas brasileiras é o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), que distribuiu R$ 169 bilhões no ano passado. Estados mais ricos tendem a ficar com uma fatia maior, já que o fundo é formado, principalmente, por parcelas de impostos estaduais. Para reduzir essa desigualdade, a União aplica um acréscimo de 10% nos estados com menos recursos por aluno. Sem o Fundeb, a diferença entre a rede de ensino mais pobre e a mais rica é de 125 vezes; com ele, cai para 7 vezes. Pela legislação, o Fundeb, criado em 2006, deveria deixar de existir no fim de 2020, e agora o Congresso está discutindo o que fazer. O =igualdades apresenta os números em jogo.

O Brasil gasta US$ 3.762 por estudante do ensino primário (1˚ ao 5˚ ano). A média dos países da OCDE é de US$ 8.631. A cada US$ 100 gastos com um estudante brasileiro, US$ 229 são gastos com cada estudante dos países da OCDE, em média.

O investimento público em educação no Brasil em 2018 foi de R$ 398 bilhões, segundo cálculos do Tribunal de Contas da União. Naquele ano, o Fundeb representou R$ 153 bilhões – cerca de 40%.

Por lei, pelo menos 60% do Fundeb deve ser gasto para pagar profissionais do magistério na ativa – professores, diretores, coordenadores pedagógicos…  Mas, na prática, o percentual é maior. Em 2019, nos municípios, foram 76%. O restante foi gasto com construção e manutenção de escolas, aquisição de equipamentos e material didático e transporte escolar.



Antes da contribuição extra da União, Pará e Maranhão tinham direito a receber do Fundeb R$ 1,9 mil por aluno por ano. Já o Rio Grande do Sul tinha direito a R$ 4,6 mil e, Roraima, a R$ 5,2 mil. A cada R$ 100 que o Pará tinha para gastar por aluno, o Rio Grande do Sul tinha R$ 240.

depois do acréscimo dos 10% extra da União, Pará e Maranhão passaram a contar com R$ 3,4 mil por aluno por ano – um aumento de 80%. Além destes, sete estados receberam o complemento. O dinheiro foi suficiente para que todos os estados do país contassem com no mínimo R$ 3,4 mil por aluno por ano.

A desigualdade regional aumenta quando são consideradas todas as fontes de financiamento, não só o Fundeb. Em 2015, a cidade com menos dinheiro para gastar em educação, Buriti (MA), dispunha de R$ 2,9 mil por aluno. Já Pinto Bandeira (RS), a cidade com mais recursos, tinha cerca de R$ 20 mil, uma diferença de seis vezes. Se o Fundeb não existisse, a diferença entre a maranhense Buriti e a gaúcha Pinto Bandeira seria de 125 vezes: R$ 445 X R$ 56 mil.

Quanto maior o investimento por aluno, maior a nota média no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Com um investimento entre R$ 3 mil e R$ 3,2 mil por aluno, o Ideb médio é de 4,2. Acima de R$ 5,4 mil, o Ideb passa de 6 – a meta nacional para os anos iniciais do Ensino Fundamental.

O Congresso discute a possibilidade de tornar o Fundeb permanente e avalia aumentar a complementação da União para estados com menos recursos. Se o aumento for de 10% para 20%, o número de alunos beneficiados deve passar de 13,9 milhões para 19,8 milhões. A cada 10 alunos beneficiados hoje, outros 4 novos seriam incluídos.

Fontes: FNDE, OCDE, Acórdão 1656/2019 do Plenário do TCU, Estudo Técnico n˚24/2017 da Câmara dos Deputados, Todos Pela Educação, Fineduca.

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos