questões do futebol

O jogo do salário mínimo

Desigualdade de renda cria abismos no futebol brasileiro; metade dos jogadores ganha, na carteira, menos de três salários mínimos

Sérgio Rangel
31maio2019_18h46

Em frente ao número 54 da Teixeira de Castro, em Bonsucesso, zona norte do Rio, dezenas de passageiros descem e sobem dos ônibus. O trânsito caótico, os alto-falantes da rádio comunitária tocando funk e os camelôs gritando ofertas deixam ainda mais barulhenta a tarde de uma sexta-feira de maio. Apesar do alvoroço do lado de fora, basta atravessar o portão antigo para se isolar. Inaugurado em 1929, o campo do Bonsucesso Futebol Clube é um refúgio na tarde de altos decibéis. Em menos de trinta minutos, dois times centenários do futebol carioca, Bonsucesso e Olaria, vão se enfrentar num jogo-treino, na preparação para a disputa da segunda divisão do campeonato do Rio.

Na arena vazia, os jogadores vivem a desigualdade salarial do futebol brasileiro. Na esperança de chegar a um clube grande, os 22 atletas em campo correm no estádio em troca de um salário mínimo (998 reais) na carteira assinada – isso quando não há atraso no pagamento. Juntos, ganham cerca de 22 mil reais – menos de 2% do salário mensal de uma estrela como o atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol, do Flamengo. Longe do glamour dos estádios padrão Fifa, os 22 em campo no chamado Clássico da Leopoldina, em referência à antiga linha de trem, são um retrato do precário mercado de trabalho da bola no Brasil.

Levantamento do antigo Ministério do Trabalho revela que a maioria (54%) dos jogadores de futebol do país empregados em 2017 recebia até três salários mínimos (2 811 reais). Os dados constam da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) de 2017. O Rio é o segundo estado com mais empregados – 786 atletas com carteira assinada em 2017. Perde apenas para São Paulo, com 1 790 jogadores.

De acordo com a Rais, 7% dos atletas de futebol ocupam o topo da pirâmide salarial – apenas 412 dos 5 875 jogadores profissionais de futebol empregados naquele ano ganhavam mais de 20 salários mínimos (18 740 reais).

A estatística do antigo Ministério do Trabalho é o único levantamento que tenta mapear os salários no futebol brasileiro. A CBF fazia uma pesquisa parecida, mas deixou de publicar por causa das distorções criadas pelos contratos de direito de imagem. Segundo a última edição do trabalho da entidade que comanda o futebol nacional, mais de 80% dos jogadores de futebol ganhavam até 1 mil reais por mês em 2016. Sem citar nomes, a CBF informou que apenas um jogador recebia mais de 500 mil reais, mas o número estava longe da realidade, e o mesmo se pode dizer dos dados da Rais. O salário em carteira é só uma parte do que os atletas recebem, pois o principal vem dos direitos de imagem e patrocínios.

Mas essa é uma realidade dos clubes grandes. Em clubes como Bonsucesso e Olaria, não há direitos de imagem, já que não há imagem a ser vendida. Os patrocinadores estão mais para pequenos comerciantes locais do que para grandes financiadores do futebol.

Enquanto os atletas do Bonsucesso, time da casa, e do visitante Olaria se aquecem no gramado, sete pessoas estão sentadas na arquibancada aguardando o início da partida. Craques como Leônidas da Silva, Garrincha e Romário vestiram o uniforme desses clubes. Agora, atolados em dívidas e sem apoio dos comerciantes locais, Bonsucesso e Olaria integram a segundona fluminense, chamada pelos próprios jogadores de torneio salário mínimo. “Essa é a realidade da competição”, diz o vice-presidente do Bonsucesso, Nilton Bittar, 54 anos, colado no alambrado escutando as últimas dicas dos integrantes da comissão técnica para os atletas.

Minutos antes, ele discutira com um dos seis funcionários do clube, que se recusou a fechar o portão do estádio para impedir a entrada do público, formado basicamente por familiares e amigos dos atletas. Sem receber salário desde o início do ano, o porteiro não obedeceu ao chefe e, pouco antes do começo da partida, 42 pessoas ocupavam as cadeiras herdadas do velho Maracanã.

Alexandre Júnior, o Alê, é um dos que se refugiam do calor na arquibancada coberta. Mas seu lugar era no gramado. Principal atacante do Olaria, o jogador de 22 anos sobe os degraus do estádio com a ajuda de amigos e de um par de muletas. Alê se contundiu em um treino em abril. Numa arrancada no esburacado campo do Olaria, na rua Bariri, prendeu a chuteira de trava alta no gramado duro e torceu o tornozelo esquerdo. Caiu de dor na hora e, sem conseguir mexer o pé, foi levado para um hospital vizinho, onde os médicos constataram um estiramento parcial de um dos ligamentos do tornozelo. De segunda a sexta, sob o olhar de um estagiário de fisioterapia, faz quatro horas de tratamento na região lesionada. O clube se recusa a pagar uma ressonância para definir o tratamento com exatidão.

“Tenho fé que vou conseguir jogar e aparecer bem nesse campeonato”, diz o jogador, que vive numa casa com mais nove parentes da mulher na Vila Maria Helena, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ele foi morar lá no ano passado após a mulher engravidar da sua primeira filha, que tem oito meses.

O atacante do Olaria recebeu no dia 21 de maio seu primeiro salário no futebol profissional. Em 2018, assinou o primeiro contrato, mas ficou meses sem ganhar nada, porque a empresa que havia arrendado o futebol do Olaria abandonou o barco após a equipe acumular uma série de resultados adversos no início do torneio. Mesmo assim, o atleta permaneceu no clube até o fim do campeonato.

Desempregado no início de 2019 (os contratos são temporários, feitos apenas durante o período de disputa dos torneios), para pagar suas contas foi obrigado a viver de bico. Ganhava a vida na várzea e, na Baixada Fluminense, disputou uma competição que tem o mesmo nome da bilionária Champions League. Alê faturava 400 reais por partida na Baixada Champions League, que paga 15 mil reais ao time vencedor. Até se machucar, o atacante era um dos artilheiros do Trajanos F.C., time amador bancado por comerciantes de Caxias. Mas também ganhava a vida jogando por outros times pequenos, como o Beira-Rio, de Saracuruna, bairro onde foi criado, e cobrava cachê menor.

“Todos merecem ganhar muito mais. Infelizmente, disputamos um campeonato praticamente sem receita. Por isso, o salário mínimo é o teto aqui”, explica Regis Correia de Melo, um dos sócios da RR 2012, empresa que arrendou o futebol do Olaria em 2019.

Na segunda divisão do Rio, como na primeira, os melhores jogadores ganham uma quantia maior por fora. Os valores pagos são mantidos em sigilo por atletas e cartolas. A estratégia é semelhante à adotada pelos grandes clubes, que fazem contratos de direito de imagem com seus jogadores para que sobre esses valores incidam obrigações trabalhistas como 13º salário, férias e FGTS. Esses acordos também agradam aos atletas, porque têm dedução fiscal menor. Desde 2015, a Receita Federal aumentou a fiscalização para flagrar sonegadores.

Em fevereiro, os jogadores conseguiram uma vitória no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais): ao julgar um recurso do atacante Fred, do Cruzeiro, o órgão decidiu que direito de imagem não é salário. Fred havia sido multado por, nas suas declarações de Imposto de Renda de 2010 até 2012, ter lançado apenas o salário pago em carteira pelo clube. Neste período, Fred recebeu 20 milhões de reais da UnimedRio, antiga patrocinadora do Fluminense, seu clube na época. A Receita cobrava também esse valor na autuação.

A variação salarial também é grande na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Novato no torneio, o CSA, de Alagoas, mede forças com os grandes clubes dentro de campo. Mas a folha salarial inteira da equipe de Alagoas (28 atletas no total) não chega ao salário do Arrascaeta, principal contratação do Flamengo para a temporada atual. O uruguaio recebe 1,5 milhão de reais por mês no time de maior torcida do país.

Dentro do clube alagoano, a desigualdade salarial se repete. Segundo informou à piauí o presidente do clube, o empresário Rafael Tenório, o atacante Robinho, emprestado pelo Fluminense, é o mais bem pago do time. O jogador de 23 anos ganha 80 mil reais (48 mil reais na carteira e 32 mil reais pelos direitos de imagem). O jogador com menor rendimento ganha 35 mil reais – 60% na carteira e o restante por meio dos contratos de direito de imagem.

Comandado por Tenório, o clube teve uma ascensão meteórica. Foi o único time no país que subiu da Série D para a A em apenas três anos. Apesar do sucesso esportivo, o CSA paga salários considerados baixos para a primeira divisão. “Não posso pagar salário de executivo de multinacional para cada atleta como a maioria dos grandes clubes do país faz”, conta o dirigente.

Num dos estados mais desiguais do país, Tenório diz que consegue atrair jogadores com salários em dia e bônus para os atletas. Instituiu o pagamento pela conquista de pontos e por metas. A permanência na Série A, a vaga na Sul-Americana, na Libertadores ou o título da competição vão render um prêmio especial para cada atleta.

Em clubes grandes e pequenos, a diferença salarial entre jogadores vai a níveis estratosféricos. E, se isso é motivo para desentendimentos em qualquer ambiente de trabalho, no futebol não é diferente. Poucos, porém, falam abertamente do assunto. Renato Gaúcho, hoje técnico, passou por isso quando jogador. Em 1988, o atacante deixou o Flamengo para defender a Roma, numa das negociações mais caras da temporada. O clube italiano pagou 2,7 milhões de dólares ao clube carioca. Renato não teve sucesso na Roma e disse que fora boicotado pelo meia Giuseppe Giannini e pelo atacante Daniele Massaro. A diferença salarial seria um dos motivos.

“Claro que existe muito conflito por causa de salário no futebol tanto hoje quanto antigamente. Vivi isso”, disse o ex-zagueiro Flávio Almeida, 60 anos, consultor esportivo de diversos clubes no Brasil atualmente.

Em 1983, Almeida saiu do Fluminense para defender por empréstimo o CSA. Foi contratado numa negociação tocada pelo usineiro João Lyra, então presidente do time alagoano, e pelos irmãos Augusto e Paulo César Farias – que depois ganhariam fama nacional pela ligação com o ex-presidente Fernando Collor de Mello.

Para convencer Almeida a trocar o Rio por Maceió, os dirigentes ofereceram 500 mil cruzeiros mensais (R$ 29 mil hoje). “Quando cheguei no CSA, ouvi indiretas no vestiário por causa do meu salário. A maioria ganhava menos. Soube também que alguns atletas se reuniam para contestar o valor do meu salário. Foi um começo difícil. Com o tempo, o time foi engrenando e o clima acalmou”, lembra o ex-zagueiro.

Auxiliar técnico de Joel Santana em vários clubes, Maurício Albuquerque afirma que o abismo salarial de um time, em alguns casos, impacta no resultado dentro do campo. “Não é sempre, mas claro que a disputa velada por salários pode atrapalhar. Se algum atleta estiver insatisfeito, pode evitar passar a bola para o de maior salário até em caso de gol. Isso acontece e pode definir o resultado de uma partida ou um torneio”, diz Albuquerque, ex-volante de clubes europeus nos anos 80, e observador técnico do Flamengo atualmente. Assim como Almeida, ele disse que passou por dificuldades ao chegar num time português com um salário acima da média local.

“O futebol é muito desigual em quase todos os países do mundo. A Inglaterra tem onze divisões. A maioria dos atletas de lá não está na Premier League [o campeonato nacional mais rico do planeta]. No Brasil, temos quase 700 clubes e apenas vinte disputam a primeira divisão do campeonato nacional. O funil é pequeno. A possibilidade de uma carreira não dar certo é enorme”, afirma o consultor Pedro Daniel, responsável pelo esporte na Ernst & Young.

Percorrer a segunda divisão é reencontrar jogadores que já estiveram na elite do futebol nacional, mas não conseguiram se manter. O zagueiro Miranda começou no São Paulo aos 15 anos e assinou dois contratos com o clube do Morumbi. No primeiro, seus pais receberam 30 mil reais de luvas. O segundo lhe rendeu 100 mil reais, além de um salário de 12 mil reais mensais.

Ele chegou a comprar uma casa em Americana, sua cidade natal. Nas divisões de base, Miranda jogou com o flamenguista Rodrigo Caio, campeão olímpico nos Jogos do Rio, e Lucas Moura, que virou ídolo da torcida do Tottenham após marcar três gols na semifinal da Champions League. Miranda defendeu o Vitória, da Bahia, e os paulistas Oeste, Santo André, Mirassol e Rio Branco. Assim como os companheiros de clube, ele recebe salário mínimo no Olaria e tem uma vida espartana no Rio.

“É muito difícil explicar o caminho do sucesso no futebol. Alguns detalhes podem definir uma carreira. Cheguei a brigar com um treinador e fui afastado. Agora, vejo que, se tivesse mais calma, minha vida poderia ter tomado outro rumo”, diz o zagueiro, sentado numa sala de um casarão antigo em São Cristóvão que funciona como pensão para jogadores que tentam fazer carreira em clubes do Rio.

Miranda divide o quarto com outros três companheiros de clube. Racha diariamente o Uber com mais três atletas para ir treinar no subúrbio. As refeições são feitas no clube. O cardápio não é muito variado. Na segunda-feira após o dia das mães, os atletas almoçaram arroz, feijão, macarrão e carne de porco. De noite, a cozinha do Olaria ofereceu frango frito e novamente arroz, feijão e macarrão. A pensão oferece apenas o café da manhã.

Com a ajuda do São Paulo, Miranda concluiu o ensino médio, mesmo com a rotina de atleta. Em seguida, cursou quatro semestres de uma faculdade particular de educação física na sua cidade, já estagiou no ramo e pretende seguir carreira após se aposentar dos gramados. “Mas espero que demore para esse dia chegar”, torce o jogador de 26 anos.

Sete jogadores do Olaria moram no casarão de dois andares. Um dos quartos era ocupado por uma família do Espírito Santo. O filho deles acabara de ser aprovado para jogar na divisão de base do Vasco. Até o final do mês, ele se mudaria para os dormitórios do clube, debaixo da arquibancada do estádio.

O economista Fernando Blumenschein diz que somente com o apoio das federações estaduais e da CBF o precário mercado de trabalho da bola vai melhorar para os atletas. “A desigualdade sempre existirá. Mas aqui a situação é mais grave que na Europa. Apenas os clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro conseguem ter estrutura financeira saudável. O emprego é instável aqui. A maioria dos times não conta com um calendário que mantenha o emprego dos atletas durante o ano inteiro”, conta o economista, que coordenou no início da década um estudo na FGV (Fundação Getúlio Vargas) sobre a “Mensuração Socioeconômica e Financeira do Futebol Profissional Brasileiro”.

“É preciso criar uma estrutura que dê dignidade ao jogador. As entidades de administração necessitam estimular os clubes com boas premiações, criar um calendário anual, atrair patrocinadores para se estruturar economicamente os menores. As entidades não podem pensar apenas na elite. Precisam também resgatar a função social no esporte”, completa.

No estádio do Bonsucesso, Alê acompanha o jogo-treino do Olaria contra os donos da casa. Principal esperança da família para sair da pobreza, ele estudou pouco para se dedicar ao futebol e deixou a escola no primeiro ano do ensino médio. Foi emancipado aos 14 anos para treinar fora do Rio e receber ajuda de custo (menos de um salário mínimo) dos clubes quando ainda não era profissional. Criado pelos avós, sacudia no trem por mais de uma hora e, sem dinheiro da passagem, pulava o muro em frente às estações de Saracuruna e Olaria para não pagar a condução.

Hoje seu principal incentivador é o sogro, Cássio Lobato, motorista de aplicativo. “Ele já passou por muitas dificuldades. Agora, digo pra ele jogar futebol, que seguro a barra”, acrescenta. Alê passa o jogo conversando com quatro amigos que sonham com o sucesso dele nos campos. “Ainda vamos ver o Alê no Maracanã”, diz Alex Galdino, 24, descendo a arquibancada do estádio do Bonsucesso após o empate em 1 a 1. Acabado o clássico da Leopoldina, o salão do clube suburbano se prepara para o principal evento da sexta-feira: o Clube do Camarão, com roda de samba, ingresso cobrado e, enfim, previsão de casa cheia.

 

Sérgio Rangel (siga @revistapiaui no Twitter)

Participou da cobertura das últimas cinco Copas do Mundo, foi enviado especial a mais de 30 países e venceu o Prêmio Esso de Jornalismo em 2012.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Mais textos
1

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

2

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa

3

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

4

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

6

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

O radical

Como Roberto Alvim faz teatro

8

Desastres em cascata

O sistema climático sob o qual foi criada a civilização está morto