questões de geopolítica

O mundo cada vez menor de Bolsonaro

Diplomata da União Europeia diz que radicalismo climático é necessário, Merkel mostra tédio, Trump aplaude: as reações ao discurso do presidente brasileiro na ONU

Letícia Duarte
25set2019_10h39
ALAN SANTOS - PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Minutos antes da subida do presidente Jair Bolsonaro para discursar na tribuna da Assembleia Geral das Nações Unidas, na manhã de terça-feira (24), em Nova York, a primeira-dama Michelle posava para fotos no plenário abraçada na indígena Ysani Kalapalo. Devotada ao bolsonarismo, Ysani distribuía sorrisos em um terninho rosa (a ministra Damares Alves ficaria orgulhosa) e tinha uma bandeira do Brasil sobre os ombros. Mas a presença de uma “indígena de direita”, como ela se define, não foi suficiente para convencer as Nações Unidas de que o governo brasileiro está empenhado em proteger os indígenas, o meio ambiente e os direitos humanos.

O próprio Bolsonaro se encarregou de desconstruir essa hipótese. No discurso de 31min40s, o presidente até invocou democracia (cinco vezes), direitos humanos (cinco vezes, quatro com conotação positiva), e compromisso ambiental (“nossa política é de tolerância zero com a criminalidade, incluídos aí os crimes ambientais”). Chegou a dizer que o Brasil estava reafirmando seu “compromisso intransigente com os mais altos padrões de direitos humanos, com a defesa da democracia e da liberdade, de expressão, religiosa e de imprensa”. Mas na maior parte do tempo exaltou suas tradicionais bandeiras, que tremulam na direção oposta. Com voz impostada, começou condenando o programa Mais Médicos como um financiamento à ditadura cubana, (“um verdadeiro trabalho escravo, respaldado pela ONU!”), fez elogios à ditadura militar, defendeu a restrição das reservas indígenas, acusou a imprensa de mentir em relação à Amazônia e condenou o “ambientalismo radical”. “É uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade”, bradou, criticando o “espírito colonialista” de membros do G7 pela defesa de ações internacionais para conter as queimadas na Amazônia. 

Enquanto Bolsonaro falava, a delegação de Cuba se levantou e deixou as cadeiras vazias. A chanceler alemã Angela Merkel acompanhava com os olhos parados, numa expressão de tédio e desgosto que ficou mais explícita ao final, quando ela coreografou um aplauso em câmera lenta. A delegação americana só entrou no plenário quando faltavam três minutos para o fim da fala do brasileiro, roubando a atenção das câmeras no momento em que o presidente discorria sobre os males da “ideologia” e do “politicamente correto”. “A ideologia invadiu a própria alma humana para dela expulsar Deus e a dignidade com que Ele nos revestiu”, prosseguiu Bolsonaro, quando os americanos já estavam sentados.

O presidente americano Donald Trump seria o próximo a discursar, e também condenou o socialismo e o “globalismo” em seu discurso. Bolsonaro acompanhou a fala – nos primeiros minutos atento, depois de olho no celular, e se mexendo na cadeira quando Trump surpreendeu ao defender os direitos dos homossexuais e expressar “solidariedade com as pessoas LGBTQ que vivem em países que punem, prendem ou executam indivíduos com base na orientação sexual”. Mas a discordância em relação ao tema não abalaria a sintonia entre a dupla. Quando se encontraram na saída, já nos corredores, Trump elogiou Bolsonaro: “grande discurso, grande discurso”.

Longe de ser uma surpresa, o pronunciamento de Bolsonaro consolidou posições geopolíticas. Cada vez mais alinhado a Trump (que horas depois seria surpreendido pelo anúncio da abertura de um pedido de impeachment pela Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, sob acusação de ter feito pressão sobre o governo da Ucrânia para investigar o filho de um rival do partido democrata), e a países de extrema direita como a Hungria, Bolsonaro vem se distanciando da União Europeia. Não por acaso, o maior contraponto veio com o discurso do presidente francês, Emmanuel Macron, seis horas depois. Sem citar Bolsonaro, Macron fez uma defesa intransigente do meio ambiente e da preservação de florestas, como a Amazônia, e dos oceanos. Disse que “o mundo não está fazendo o bastante para lutar contra a crise climática”. E defendeu “coragem” para buscar novas soluções. Alfinetando Trump, que pela manhã havia dito que era em favor do “patriotismo”, em oposição ao “globalismo”, Macron disse que a solução precisa ser buscada de forma coletiva. E levantou ainda outra bandeira que Bolsonaro despreza. “Nós temos que lutar apaixonadamente contra a desigualdade de gênero.”

O núcleo político de Bolsonaro não estava lá para assistir. Ao lado de cadeiras vazias, apenas uma representante diplomática tomava notas. Mesmo que o plenário estivesse mais vazio do que na abertura, Macron foi mais aplaudido do que Bolsonaro. Até um “u-hu” ecoou entre o público dos camarotes superiores. 

Os diplomatas da ONU não são autorizados a comentar discursos, mas a porta-voz da União Europeia para Assuntos Internacionais e Segurança, Maja Kocijančič, deixou claro que a entidade está mais para Macron do que para Bolsonaro. Lembrando que a União Europeia é líder na luta para controlar a mudança climática, disse que “radicalismo climático” não é mais uma opção, mas uma necessidade. “Precisamos é fazer mais”, disse ela à piauí, revirando os olhos ao ouvir o nome de Bolsonaro.

Pelos corredores das Nações Unidas, a menção ao presidente brasileiro despertava reações polarizadas. Entre a delegação da República de Kosovo, por exemplo, Bolsonaro tem improváveis admiradores. “Ele é fantástico, nós comemoramos quando ele foi eleito!”, disse à piauí o ministro de Relações Internacionais Behgjet Pacolli. Quando perguntado sobre o motivo da admiração, foi sucinto: “Ele é amigo do Trump!” Kosovo é conhecido internacionalmente como um dos países que mais reverenciam os Estados Unidos, desde o apoio americano a sua independência da Sérvia, há uma década. Ao se consolidar como o Trump dos Trópicos, Bolsonaro acabou ganhando a simpatia por extensão. “E eu também tenho um avião brasileiro, da Embraer. Particular!”, cochichou Pacolli, como quem conta um segredo.

Já a espanhola Alejandra Acosta, da organização não-governamental Break the Silence (Quebre o Silêncio), disse que Bolsonaro deveria ser “mais educado” e “estratégico” ao manifestar suas posições. “Entendo que ele possa ainda ter uma mentalidade dos anos 1980 em relação ao clima, leva tempo para se formar uma consciência, mas ele poderia pelo menos se expressar de uma maneira mais adequada”, disse. “Isolar o Brasil não parece a melhor forma de resolver os problemas.”

Mas, moderação não estava nos planos da comitiva bolsonarista. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse à piauí que a intenção era realmente mandar uma “mensagem diferente” e impactante para o mundo, sobre o “novo Brasil”. E jurou que não foi por recomendação do ex-estrategista da Casa Branca Steve Bannon que os discursos de Trump e Bolsonaro tiveram semelhanças. “Temos realmente uma convergência de visões, é natural.”

Citada por Bolsonaro em seu discurso como contraponto à resistência à sua política ambiental e indigenista, a índia bolsonarista teve uma passagem discreta pela ONU. Moradora de aldeia no Xingu, ela gravou todo o discurso do presidente com seu celular, virando a câmera de vez em quando para gravar a si mesma e outros membros da comitiva abanando para a tela. O vídeo foi postado no seu canal no YouTube, onde tem 278 mil seguidores, e até a noite de terça-feira tinha 6,5 mil visualizações. Mas foi outra personalidade indígena quem se transformou no centro das atenções na terça-feira. 

Conhecido internacionalmente pela defesa da causa indígena e indicado ao Nobel da Paz 2020, o cacique Raoni Metuktire foi também citado por Bolsonaro em seu discurso. O presidente disse que líderes com ele seriam “usados como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia”. 

A resposta veio rápida. A algumas quadras do prédio das Nações Unidas, representantes indígenas que vieram a Nova York para o Climate Action Summit, um evento convocado pelo secretário-geral da ONU para tratar de ações climáticas, ergueram sua voz contra as declarações. “Hoje é um dia de terror para o Brasil e para as populações indígenas. Bolsonaro nos chamou de animais das cavernas e desrespeitou o líder mundial indígena”, indignou-se Sonia Guajajara, coordenadora executiva da Associação de Pessoas Indígenas do Brasil (Apib) e ex-candidata a vice-presidente pelo Psol.

Aos 89 anos, Raoni também estava em Nova York e participaria da entrevista coletiva  convocada às pressas, porém, organizadores disseram que ele passou mal e não pode comparecer. Nas redes sociais, a aposta é que os ataques de Bolsonaro possam fortalecer a candidatura ao Nobel. Quem discursa por último discursa melhor? 

Letícia Duarte (siga @leticiaduarte no Twitter)

Jornalista, ganhou três prêmios Esso. Foi repórter do jornal Zero Hora. Mora em Nova York.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #84: Ascensão evangélica, Democracia em Vertigem e a Aliança pelo Brasil

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Paraíso Deve Ser Aqui – o que sobrará da mediocridade imposta?

Humor lacônico de cineasta palestino faz refletir sobre como estado policial estende seus tentáculos pelo mundo

Diários de Teerã 

Os oito dias que abalaram a capital do Irã, pelos olhos de uma moradora da cidade

Esperando a lama

Ameaçado por barragem da Vale, vilarejo histórico do interior de Minas tem moeda paralela, moradores divididos em categorias e uma espera que não permite planos

Foro de Teresina #83: EUA x Irã, Bolsonaro x Moro e o atentado ao Porta dos Fundos

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Nos ombros de Queiroz, a volta do Zero Um

Graças a escândalo envolvendo assessor, Flavio Bolsonaro termina o ano como o bolsonarista mais lembrado no Twitter

Vitalina Varela – condenada desde o nascimento

Premiado no exterior, filme de Pedro Costa não causou no Brasil o alarido que merece

Na piauí_160

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas esta semana

Mais textos
1

Memória desarmada

Diretora de Democracia em Vertigem retira armas de foto histórica e abre discussão sobre alteração de imagens em documentários

3

Diários de Teerã 

Os oito dias que abalaram a capital do Irã, pelos olhos de uma moradora da cidade

6

O radical

Como Roberto Alvim faz teatro

7

Esperando a lama

Ameaçado por barragem da Vale, vilarejo histórico do interior de Minas tem moeda paralela, moradores divididos em categorias e uma espera que não permite planos

8

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

10

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa