colunistas

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

Marcos Nobre
10out2018_07h30

O PT sobreviveu excepcionalmente bem às eleições legislativas. O total de 56 representantes que alcançou na Câmara pode parecer pouco. Arredondando, dá apenas 11% do total de 513 deputados e deputadas. Só que é simplesmente a maior bancada. Nada menos que trinta partidos têm agora representação na Câmara.

O PT tem atualmente 61 deputadas e deputados – 54 tentaram a reeleição, quarenta conseguiram um novo mandato. Em uma eleição com altas taxas de renovação, é um feito surpreendente: nada menos que 74% de taxa de reeleição. A taxa de reeleição para a Câmara como um todo ficou em 48%.

No caso da eleição para o Senado, o resultado pode não parecer tão impressionante. Afinal, dos quatro senadores do PT que tentaram a reeleição, apenas dois conseguiram renovar seus mandatos (50%). Mas, comparada à taxa de reeleição para o Senado como um todo, de 25%, fica claro que foi também um feito pouco desprezível. Mesmo com derrotas simbólicas importantes, como a de Dilma Rousseff em Minas Gerais e a de Eduardo Suplicy em São Paulo.

Alcançar esse objetivo envolveu entre outras coisas neutralizar as lideranças de Ciro Gomes e de Marina Silva. Com Lula fora da disputa, tanto Ciro como Marina se candidataram a herdar seu espólio político, apresentaram-se como novas lideranças do lulismo. A estratégia de Lula conseguiu sufocar essas duas alternativas, garantindo que o PT, mesmo estropiado, chegasse ao segundo turno da eleição presidencial.

As operações de sobrevivência da máquina e do afastamento de competidores se deram ao custo altíssimo de espalhar minas de alto poder destrutivo onde quer que tenham sido feitas. Pioraram em muito as condições de reorganização do campo de centro-esquerda em termos positivos, com perspectiva de futuro. Se o partido não fizer agora o que é necessário fazer para vencer a eleição, terá detonado automaticamente todas as minas que espalhou.

O PT teve desses raros privilégios na vida que é a oportunidade de renascer. Foi assim no mensalão, morte da qual renasceu na eleição de 2006. Ao contrário do que prometeu, não aproveitou essa chance para se reformar e para reformar o modo de funcionamento do sistema político. Essa é uma das fontes relevantes do antipetismo feroz que mostrou seus dentes nesta eleição. Não é possível ignorar que foi o próprio PT que, em boa medida, o produziu.

O partido de Lula tem agora o ainda mais raro privilégio de renascer pela segunda vez. Só que desta vez vai sobreviver apenas se se mostrar maior do que é, se abrir mão de concentrar poder. Só renascerá se se apresentar como mero ponto de confluência de uma reconstrução institucional. É sua última chance – como partido e como instrumento de transformação da realidade.

 

Evitar o abismo exige um pacto de salvação institucional que tem de colocar o PT necessariamente em segundo plano. Haddad só tem chance se conseguir mobilizar a sociedade em torno de sua candidatura. A sociedade, e não um círculo que fique restrito a partidos, sindicatos ou movimentos estabelecidos. Tem de construir uma onda que possa se contrapor à onda que colocou Bolsonaro onde está. Tem de conversar e de pactuar uma frente de reconstrução institucional com uma multidão de figuras do mundo da internet, da indústria, dos novos coletivos sociais, da finança, da cultura, do agronegócio, de ONGs, da televisão e de tantos outros lugares. Onde quer que exista repulsa, ojeriza ou alguma restrição a Bolsonaro, aí tem de estar a candidatura de Haddad, pronta a acolher energia e apoios. Ou, quando não for possível, pedindo ao menos neutralidade.

Para isso, tem de convencer de que está à altura da gravidade do momento. Tem de dar garantias de que vai recolocar as instituições em novo e positivo patamar de funcionamento. Tem de convencer de que estará acima de seu próprio partido.

Porque ganhar a eleição é apenas parte do problema. A menor parte do problema, aliás. A sociedade está enfurecida. A eleição para os legislativos aumentou a fragmentação partidária ao ponto do ingovernável. É um condomínio sem síndico, administradora ou regulamento interno. A chance de o prédio virar uma guerra de todos contra todos é alta. A chance de uma regressão autoritária à maneira da Turquia entrou no horizonte.

Ignorado desde Junho de 2013 em seu clamor pela reforma do sistema político, o eleitorado resolveu espalhar, bagunçar e mesmo quebrar as peças do tabuleiro, destruindo os arranjos existentes. O que está em causa no segundo turno é, antes de qualquer outra coisa, demonstrar capacidade de remontar essas peças dispersas e danificadas em um arranjo que funcione, no qual o eleitorado possa de novo se reconhecer minimamente.

Não caberá ao futuro governo apenas coordenar uma multidão de partidos, grupos e interesses, como se tudo continuasse como antes, apenas com peças um pouco diferentes. Para que não tenhamos uma situação de crise permanente, o futuro governo terá de participar de maneira ativa em uma reorganização geral do sistema político, estabelecendo mecanismos de coordenação e de decisão inteiramente novos.

 

Para além de todas as atrocidades conhecidas pelas quais Bolsonaro é responsável, é aterrorizante pensar que um candidato totalmente desprovido de equipe e de qualquer experiência de coordenação de governo possa vir a ocupar esse lugar crítico neste momento crítico. Bolsonaro tem muita mobilização e nenhuma organização. É receita certa de desastre.

Uma tarefa dessa magnitude não cabe a uma pessoa. Não cabe a um partido tampouco. É problema que só pode ser enfrentado com a formação de uma ampla frente de pessoas, organizações, instituições, partidos, grupos e movimentos preocupados com a reconstrução institucional da democracia. A impressão de que estamos de volta à década de 80, aos primórdios da redemocratização, tem algo de real. Porque estamos de fato em um momento de refundação institucional. E, como em todo momento inaugural, as chances de dar muito errado são muito maiores do que em qualquer outro momento.

Marcos Nobre

É professor de filosofia da Unicamp e autor de Imobilismo em Movimento, pela Companhia das Letras, e Como nasce o novo, pela Todavia

Mais textos de Marcos Nobre

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

A eleição da vingança

A democracia virou arma de destruição que uma parte do eleitorado aponta contra a outra

Fraturas no antipetismo

Bolsonaro não consegue unificar eleitorado que é contra Lula

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

O tudo ou nada de Alckmin

Tucano tem de saber aproveitar bem o momento de fragilidade de Bolsonaro

A fortaleza de Lula

Como o ex-presidente pretende evitar que Ciro ou Marina chegue ao segundo turno

Marina entra no jogo

Candidata enfim define estratégia à altura de seu potencial

Quem será o anti-Lula?

Alckmin, Marina e o voto útil de direita no primeiro turno

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

A cisão

Eleição tende a acentuar dramaticamente o fosso entre azuis e vermelhos

Mais textos