questões latino-americanas

O retorno da audácia à Nicarágua

Estudante que desafiou Daniel Ortega volta do autoexílio para retomar resistência ao regime

Roberto Lameirinhas
09out2019_13h36

O jovem estudante que, com óculos de lentes grossas e a bandeira da Nicarágua em volta do pescoço, desafiou o líder de um dos regimes mais autoritários do mundo, em maio de 2018, está de volta à Nicarágua, após um ano de exílio autoimposto. “Esta não é uma mesa de diálogo. É uma mesa para negociar sua saída”, irrompeu Lesther Alemán, então com 20 anos, dirigindo-se diretamente a Daniel Ortega, acusado de ordenar a repressão a manifestações opositoras que, àquela altura, já tinha deixado cerca de sessenta mortos. “Não podemos dialogar com um assassino, pois o que se cometeu neste país é um genocídio e assim será qualificado.”

A imagem do ativista audacioso quase adolescente questionando um dos mais tirânicos regimes do continente na cara de seu principal representante viralizou na internet. Na época, Alemán relatou à piauí as ameaças que sofrera após o episódio – principalmente vindas de partidários do governo. Em outubro, por medida de segurança, deixou a Nicarágua e viajou para os Estados Unidos. Nesta segunda-feira (7), no capítulo final do autoexílio, foi recebido por outros estudantes no aeroporto de Manágua, a capital do país.

“Regressar à Nicarágua foi uma decisão pessoal, depois de avaliar os riscos e, sobretudo, administrar o medo. Porque as decisões não podem depender do medo e não se pode permitir que ele nos imobilize”, declarou Alemán à piauí, nesta quarta-feira (9), por telefone, num breve intervalo da série de reuniões que tem frequentado nos últimos dias. “Sabemos que segurança não existe porque o país continua sequestrado por uma ditadura. Ainda temos mais de 120 presos políticos e muitos dos que foram libertados recentemente têm sido perseguidos, enquanto se mantém o assédio sobre eles, o que aprofunda a situação de insegurança.”

“Há uma presença policial desmedida na capital e em outros locais, que está a todo momento intimidando a população civil em geral e a ditadura mantém a vigilância sobre todos nós”, prosseguiu. O líder estudantil assegurou que suas demandas não se modificaram desde o episódio no qual exortou Ortega a entregar o poder porque “o povo já não o queria”. “Assumi esta luta desde os primeiros dias de abril (de 2018). Minha convicção é a mesma, inamovível, da de muitos jovens. Saímos às ruas decididos a promover uma mudança”, reiterou. 

Alemán disse ainda que sua volta não pode ser vista como um sinal de que o país vive um clima de normalidade: “Sabemos que não há nada de normal na Nicarágua, que a repressão se vive no dia a dia.”

O líder estudantil relatou que a decisão de sair da Nicarágua seguiu a estratégia de se construir “uma agenda no âmbito internacional em organismos de direitos humanos e  instituições, como a Organização dos Estados Americanos, a as Nações Unidas e outros entes a quem cabe monitorar este processo”. “Está muito claro que a solidariedade dessas entidades em relação aos nicaraguenses já era muito grande mesmo antes de minha saída. Também cumpríamos a agenda de revelar e mostrar para muitos que na Nicarágua nada está normal. E para outros confirmar os atos de perseguição, com o objetivo de gerar maior interesse para que a comunidade internacional acompanhe o que está acontecendo conosco no âmbito interno – algo que possa ajudar a desencadear a solução político-eleitoral que o país precisa e garanta os direitos da cidadania.”

Indagado sobre se o longo tempo de luta poderia causar um desgaste da oposição – num processo semelhante ao que ocorre hoje na Venezuela –, Alemán afirmou que apesar do cansaço natural pelo tempo de protestos, “a resistência do cidadão nicaraguense é a mesma do início”.

“Estamos conscientes de que a crise sociopolítica, a crise econômica e os problemas de insegurança têm como único culpado Daniel Ortega”, declarou. “A violência e a violação sistemática aos direitos humanos têm resultado no aumento à rejeição ao regime de Ortega. Ele sabe que, ainda que se mantenha no poder pela força, naturalmente já não está governando a população que o rechaça.”

Dados da Organização dos Estados Americanos (OEA) mostram que a repressão aos protestos do ano passado não se deteve após a intervenção de Alemán. Foram 325 mortos, mais de 4 mil feridos e uma cifra estimada em mais de 1 400 desaparecidos. Os protestos se organizavam em torno de três eixos: oposição à reforma do sistema de aposentadorias implementada pelo regime sandinista; contra um incêndio que devastou 4 000 hectares de florestas de uma reserva indígena e teria sido provocado para que a área fosse ocupada pelo agronegócio; cancelamento de um contrato de construção de um canal interoceânico firmado pelo governo com um consórcio de empreiteiros de Hong Kong.

Quase um ano e meio após o início dos protestos, pouca coisa mudou: na prática, a draconiana reforma da Previdência Social – exigida pelo FMI e que inclui aumento das contribuições de empresas e empregados – vem sendo implementada por medidas administrativas, o plano da abertura do canal segue ativo e o regime impôs rigorosa censura a qualquer notícia sobre o incêndio florestal. E, apesar de ter balançado no período mais intenso das manifestações, Ortega segue no poder. Para o regime, o movimento opositor foi uma tentativa de golpe de Estado, orquestrado, principalmente, por Washington.

Nos últimos três meses, alguns líderes conhecidos da Aliança Cívica – sob a qual se organizaram os manifestantes de 2018 – retornaram ao país, mas sofreram represálias violentas por parte do governo de Ortega. O jornalista Anibal Toruño, que tinha retornado em agosto, deixou outra vez a Nicarágua depois de ter a rádio de sua propriedade incendiada por simpatizantes do governo na cidade de León, segundo relato do jornal La Prensa. O político opositor Félix Maradiaga, acusado pelo regime de “liderar grupos de crime organizado” retornou do exílio em setembro e, desde então, tem sido frequentemente assediado por motociclistas armados.

O governo se esforça para manter o controle midiático: pelo menos quatro emissoras de tevê e dezenas de rádio estão nas mãos de filhos de Ortega – que tem a própria mulher, Rosario Murillo, como vice-presidente. Os jornais impressos estão à beira da exaustão, com a retenção alfandegária de papel de imprensa e tinta importados, que já dura mais de um ano. O segundo mais importante do país, El Nuevo Diario, não resistiu e encerrou suas atividades há duas semanas.

Jornalistas e veículos independentes são declarados inimigos do Estado e os profissionais da imprensa não alinhados ao regime são acusados de “incitar ódio e promover terrorismo”. “Ortega disse que nós somos filhos de Goebbels”, disse o jornalista Carlos Fernando Chamorro – referindo-se ao oficial nazista que comandava a propaganda da Alemanha de Hitler –, em entrevista no encerramento do Festival Piauí de Jornalismo, realizado neste fim de semana (dias 5 e 6) em São Paulo.

Carlos Fernando é filho da ex-presidente Violeta Chamorro e do jornalista Pedro Joaquín Chamorro, cujo assassinato, em 1978, pela ditadura de Anastácio Somoza, ampliou o apoio popular aos rebeldes sandinistas comandados por Daniel Ortega – que deporiam a dinastia Somoza e tomariam o poder no ano seguinte. Exilado na Costa Rica, Chamorro é cofundador e editor da revista Confidencial, que acompanha os acontecimentos da política nicaraguense. Segundo ele, outras 23 publicações digitais retratam a vida política da Nicarágua no exílio, como contraposição à vasta rede de comunicação oficial.

“O ato de retorno anunciado de Lesther Alemán, assim como o de outros líderes comunitários, ativistas e jornalistas, deve ser visto como uma ação de desafio político em si”, comentou Carlos Chamorro, na terça-feira (8), sobre a fragilidade da oposição ante as ameaças dos grupos pró-regime. “Ainda há algum espaço de resistência, reduzido, na imprensa que atua em território nicaraguense, mas seu alcance é limitado. Como rede de apoio, pode-se oferecer algum acompanhamento e vigilância, mas nada de mais efetivo.”

“É importante levar em consideração que o regime de Ortega é politicamente insustentável e só pode se manter no poder pela via da repressão, o que intensifica sua violência”, destaca. “Não existe nenhuma garantia no retorno de nenhum cidadão, seja jornalista, estudante ou ativista, pois o país vive um estado de sítio de facto.”

O jornalista ressalta que Ortega e Murillo mantêm um discurso de ódio contra todos os cidadãos que integram movimentos opositores que demandam sua renúncia. “Há ataques constantes contra grupos e pessoas que atuam em favor de direitos humanos. Qualquer garantia só seria viável com o retorno de grupos como o dos representantes do Conselho Interamericano de Direitos Humanos ou ativistas humanitários estrangeiros ao país.”

Segundo Chamorro, a saída política depende da intensificação da resistência cívica. “Seria irresponsável estabelecer quando essa saída se tornará viável, mas a crise que se estende por dezessete meses não permite que este governo se mantenha em longo prazo.”

Roberto Lameirinhas

Roberto Lameirinhas é jornalista especializado em temas internacionais e reportagens de guerra.

Leia também

Últimas Mais Lidas

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

3

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana