questões manuscritas

O Schindler brasileiro

O embaixador Luís Martins de Sousa Dantas é hoje reconhecido por ter concedido mais de quinhentos vistos para refugiados judeus em 1940, contra as restrições então vigentes do governo brasileiro. Mesmo tendo salvado muitas vidas, passou mais de quarenta anos esquecido. Teve sua atuação reestudada nas últimas duas décadas e ganhou o título póstumo de “Justo entre as nações”, concedido àqueles que mais ajudaram a proteger judeus durante a II Guerra Mundial.

É conhecido agora por isso como o “Schindler brasileiro”, uma referência a Oskar Schindler, o herói do famoso filme de Steven Spielberg “A Lista de Schindler”.

Pedro Corrêa do Lago
07abr2014_17h54

O embaixador Luís Martins de Sousa Dantas é hoje reconhecido por ter concedido mais de quinhentos vistos para refugiados judeus em 1940, contra as restrições então vigentes do governo brasileiro. Mesmo tendo salvado muitas vidas, passou mais de quarenta anos esquecido. Teve sua atuação reestudada nas últimas duas décadas e ganhou o título póstumo de “Justo entre as nações”, concedido àqueles que mais ajudaram a proteger judeus durante a II Guerra Mundial.

É conhecido agora por isso como o “Schindler brasileiro”, uma referência a Oskar Schindler, o herói do famoso filme de Steven Spielberg .

Antes do feito que o torna hoje tão respeitado, Sousa Dantas era sobretudo lembrado por ter sido o embaixador brasileiro que mais tempo passou em Paris, de 1922 a 1944, sendo chefe da missão diplomática na capital francesa por mais de 22 anos, um recorde absoluto. Homem de grande generosidade e charme pessoal, aposentou-se do Itamaraty e voltou a viver em Paris, onde morreu em 1954, aos 78 anos.

Em 1933, aos 57 anos, havia-se casado com Elise Meyer Stern, uma viúva americana um pouco mais velha que ele e tia de Katherine Graham, a famosa dona do jornal Washington Post, que ajudou a derrubar o presidente Nixon, dos Estados Unidos, nos anos 1970. Permaneceram casados até a morte de Elise em 1952, dois anos antes de Dantas.

A trajetória das três fotografias mostradas nesta página é um pouco misteriosa. O embaixador não teve filhos e morreu depois de sua mulher que, portanto, não herdou suas posses.

O que teria acontecido então nas décadas seguintes com esses seus pertences, até serem leiloados em Paris em 2003, quase 50 anos após a morte do diplomata? A dúvida permanece.

A primeira fotografia representa a o próprio Sousa Dantas e tem uma carinhosa dedicatória em francês à sua mulher: “Para Elise, pelo resto da vida e de todo meu coração. Luis”

A segunda foto é do grande escritor italiano Gabriele d’Annunzio, e leva uma belíssima dedicatória : “A Luis de Sousa Dantas em memória dos felizes dias romanos, com a amizade constantíssima de Gabriele d’Annunzio”. Sousa Dantas havia sido embaixador do Brasil em Roma de 1919 até sua nomeação para Paris e formara uma sólida amizade com d’Annunzio.

A terceira imagem é de ninguém menos que Benito Mussolini, Primeiro Ministro da Itália quando Sousa Dantas era embaixador e com quem travou relações mais cordiais que as que um chefe de governo costuma ter com embaixadores estrangeiros. Mussolini , na dedicatória, não hesita em chamar Dantas de “Cidadão de Roma”.

Essas três fotos, juntamente com algumas outras, fizeram parte dos lotes leiloados em Paris e adquiridos por um colecionador brasileiro, que as detém até hoje.
São preciosos momentos ainda inéditos de um herói que o Brasil reconheceu tarde e de um homem tido como dos mais simpáticos, desprendidos e bem educados de seu tempo.

Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

5
8

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo