questões manuscritas

O Schindler brasileiro

O embaixador Luís Martins de Sousa Dantas é hoje reconhecido por ter concedido mais de quinhentos vistos para refugiados judeus em 1940, contra as restrições então vigentes do governo brasileiro. Mesmo tendo salvado muitas vidas, passou mais de quarenta anos esquecido. Teve sua atuação reestudada nas últimas duas décadas e ganhou o título póstumo de “Justo entre as nações”, concedido àqueles que mais ajudaram a proteger judeus durante a II Guerra Mundial.

É conhecido agora por isso como o “Schindler brasileiro”, uma referência a Oskar Schindler, o herói do famoso filme de Steven Spielberg “A Lista de Schindler”.

Pedro Corrêa do Lago
07abr2014_17h54

O embaixador Luís Martins de Sousa Dantas é hoje reconhecido por ter concedido mais de quinhentos vistos para refugiados judeus em 1940, contra as restrições então vigentes do governo brasileiro. Mesmo tendo salvado muitas vidas, passou mais de quarenta anos esquecido. Teve sua atuação reestudada nas últimas duas décadas e ganhou o título póstumo de “Justo entre as nações”, concedido àqueles que mais ajudaram a proteger judeus durante a II Guerra Mundial.

É conhecido agora por isso como o “Schindler brasileiro”, uma referência a Oskar Schindler, o herói do famoso filme de Steven Spielberg .

Antes do feito que o torna hoje tão respeitado, Sousa Dantas era sobretudo lembrado por ter sido o embaixador brasileiro que mais tempo passou em Paris, de 1922 a 1944, sendo chefe da missão diplomática na capital francesa por mais de 22 anos, um recorde absoluto. Homem de grande generosidade e charme pessoal, aposentou-se do Itamaraty e voltou a viver em Paris, onde morreu em 1954, aos 78 anos.

Em 1933, aos 57 anos, havia-se casado com Elise Meyer Stern, uma viúva americana um pouco mais velha que ele e tia de Katherine Graham, a famosa dona do jornal Washington Post, que ajudou a derrubar o presidente Nixon, dos Estados Unidos, nos anos 1970. Permaneceram casados até a morte de Elise em 1952, dois anos antes de Dantas.

A trajetória das três fotografias mostradas nesta página é um pouco misteriosa. O embaixador não teve filhos e morreu depois de sua mulher que, portanto, não herdou suas posses.

O que teria acontecido então nas décadas seguintes com esses seus pertences, até serem leiloados em Paris em 2003, quase 50 anos após a morte do diplomata? A dúvida permanece.

A primeira fotografia representa a o próprio Sousa Dantas e tem uma carinhosa dedicatória em francês à sua mulher: “Para Elise, pelo resto da vida e de todo meu coração. Luis”

A segunda foto é do grande escritor italiano Gabriele d’Annunzio, e leva uma belíssima dedicatória : “A Luis de Sousa Dantas em memória dos felizes dias romanos, com a amizade constantíssima de Gabriele d’Annunzio”. Sousa Dantas havia sido embaixador do Brasil em Roma de 1919 até sua nomeação para Paris e formara uma sólida amizade com d’Annunzio.

A terceira imagem é de ninguém menos que Benito Mussolini, Primeiro Ministro da Itália quando Sousa Dantas era embaixador e com quem travou relações mais cordiais que as que um chefe de governo costuma ter com embaixadores estrangeiros. Mussolini , na dedicatória, não hesita em chamar Dantas de “Cidadão de Roma”.

Essas três fotos, juntamente com algumas outras, fizeram parte dos lotes leiloados em Paris e adquiridos por um colecionador brasileiro, que as detém até hoje.
São preciosos momentos ainda inéditos de um herói que o Brasil reconheceu tarde e de um homem tido como dos mais simpáticos, desprendidos e bem educados de seu tempo.

Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

7

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

8

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor

10

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos