questões musicais

O sincretismo de Baden Powell

Nunca mais me  esqueci, Teatro Gazeta, aquele violão do Baden ecoando pela sala e a voz grave e  majestosa de  Márcia cantando os afro-sambas: Pedra preta diz pandeiro tem que pandeirá /  Pedra preta diz, viola tem que violá / O galo no terreiro fora de hora cantô / Pandeiro foi se embora e pedra preta gritô / Ulô pandeiro, ulô viola, / Ulô pandeiro, ulô viola. De estarrecer.

Eliete Negreiros
08mar2013_16h10

Nunca mais esqueci: Teatro Gazeta, aquele violão do Baden ecoando pela sala e a voz grave e  majestosa de Márcia cantando os afro-sambas: Pedra preta diz pandeiro tem que pandeirá /  Pedra preta diz, viola tem que violá / O galo no terreiro fora de hora cantô / Pandeiro foi se embora e pedra preta gritô / Ulô pandeiro, ulô viola / Ulô pandeiro, ulô viola. De estarrecer. Aquela música me transportava para outro tempo, um ritual afro e era como se eu voltasse às origens… Uma beleza religiosa e ancestral. Baden tocando parecia incorporado por uma divindade, ele e o violão, uma coisa só, pulsando, as mãos mergulhadas nas cordas conduziam a gente. Depois de alguns afro-sambas,  foi projetada numa tela a letra de Refém da solidão, em folha de papel escrita à mão por Paulo César Pinheiro, seu autor, numa das incontáveis noites em que ele e Baden beberam, comungaram e criaram canções. Aquela letra me cravou feito punhal. Saí do teatro desnorteada, com a canção rodando na minha cabeça, com o som do violão de Baden reverberando em mim, como seu meu corpo fosse a caixa acústica do seu violão. Seria? Assim fiquei por algum tempo, violando, padeirando, sem rumo… E aquela letra? Era preciso coragem pra escutar aquela canção.


Canto da Pedra Preta, Baden Powell e Vinicius de Moraes com Márcia, Baden e Originais do Samba


Refém da Solidão, Baden Powell e Paulo César Pinheiro, com Márcia, no Álbum É preciso que nossa emoção sobreviva, Eduardo Gudin, Márcia e Paulo César Pinheiro


Refém da Solidão, Baden Powell e Paulo César Pinheiro, com Baden

Vinicius de Moraes e Baden Powell compuseram uma série de canções espirituais, os afro-sambas, impregnadas de negritude e misticismo.O primeiro afro-samba foi Berimbau. Em seguida, Canto do caboclo pedra preta e Canto de Iemanjá. Depois disso, conta Vinicius:  “Um disco folclórico que tinha recebido de meu amigo Carlos Coquejo, da Bahia, foi a pedra de toque para darmos partida aos afro-sambas, como os designei. Nele havia sambas de roda, pontos de candomblé e toques de berimbau que nos sideravam. Baden partiu pouco depois para a Bahia e andou escutando in loco os cantares do candomblé e frequentando os terreiros. Voltou a mil, inteiramente tomado pelos cantos e ritos dos orixás, e me explicava horas seguidas os fundamentos da mitologia afro-baiana.”

Desta parceria brilhante nasceram cerca de 50 canções, entre elas algumas românticas como Apelo, Consolação, Deixa, Samba em Prelúdio. Para compor a maior parte delas, os dois ficaram trancados por cerca de três meses no  apartamento da mulher de Vinicius, embebidos em uísque.

Clique aqui para ouvir Berimbau, Baden Powell e  Vinicius de Moraes, com Baden


Berimbau, Baden e Vinicius, com Vinicius


Berimbau, com Nara Leão.


Canto de Yemanjá, Baden e Vinicius, com Baden


Canto de Xangô, Baden e Vinicius, com Baden e Vinicius


Consolação, Baden e Vinicius, com Nara Leão

Clique aqui para ouvir Deixa, Baden e Vinicius, com Nara Leão.

Clique aqui para ouvir Samba em Prelúdio, Baden e Vinicius, com Vinicius e Odete Lara

“Composta em forma contrapontística sobre um tema de Villa- Lobos (o prelúdio/introdução da Bachianas n. 4), Samba em prelúdio é classificado pelos autores como uma homenagem ao mestre.”(Zuza Homem de Mello, Jairo Severiano, A canção no tempo)

No Livro de letras, de Vinicius de Moraes, José Castello fala da parceria do poeta com Baden como um encontro desencontrado, onde a atração entre eles não se dava pela semelhança, mas pela diferença,  pelo encantamento do que é estranho: “Existem encontros que são marcados pela incompreensão. Pelo desencontro. A sedução vem, nesses casos, do mistério. E o que motiva os dois parceiros não é o que encontram de admirável no outro, mas no que o outro  lhes escapa. Abre-se um abismo desde o primeiro instante e é ele, em seu repuxo ameaçador, que seduz. Talvez nenhuma outra parceira de Vinicius de Moraes guarde tantas semelhanças com o desencontro, com a cegueira e o simultâneo excesso de claridade contido numa relação de estranhamento, quanto a parceria com Baden Powell.”

Baden nasceu na cidadezinha de Varre-e-sai,  estado do Rio e ainda menino foi para a cidade do Rio de Janeiro, morando no subúrbio de São Cristóvão. Enquanto isso, Vinicius passeava pela elegante Zona Sul. Modesta e simples, a vida de Baden em nada se parecia com a vida sofisticada do poeta: “Enquanto Vinicius lia Verlaine e se preparava para enfrentar o padre confessor, Baden tocava seu violão em igrejinhas do interior, preocupado com a altura da saia das meninas. E, sempre apavorado pela ameaça do gongo, testava seu talento no programa de calouros de Ary Barroso, um senhor respeitável que não poderia mesmo compreendê-lo. Baden amadurecera ouvindo as cordas macias do violão de Dilermando Reis e só de muito longe perseguindo os acordes mais sofisticados do espanhol André Segovia, o instrumentista que encantava Heitor Villa-Lobos”.


Vou vivendo, Pixinguinha, com Dilermando Reis, e Dino, no violão de 7 cordas


Dois Prelúdios, de Villa-Lobos, com André Segovia

Depois, Baden iria tocar nas noites cariocas, primeiro no Cabaré Brasil, na Lapa. Baden era confuso, tímido, desajeitado e seu primeiro encontro com Vinicius foi um desastre: “Não consegui apertar a mão de Vinicius quando nos conhecemos. (…) Nossas mãos estavam ocupadas com copos.”. A bebida seria uma constante não só nesta parceria, mas na trajetória do grande violonista.

Apesar das diferenças, ambos cultuavam os mesmos artistas: Pixinguinha, Noel Rosa, Dolores Duran, Antonio Maria. Este primeiro encontro desencontrado aconteceu na boate Arpege. Vinicius levou um susto com o imenso talento do artista. Comenta Castello: “Um talento tão intenso que se transformava em convulsão, e o poeta, antenas sintonizadas na beleza em estado bruto (que às vezes é apavorante), sabia não ter medo daquele medo. Os dedos de Baden, essa foi a primeira imagem que Vinicius guardou, saltavam sobre uma nuvem de cordas. Todos os movimentos eram quase imperceptíveis. Não era piano, mas o poeta se lembrou logo de Thelonious Monk (…)”. “ Baden é daqueles músicos tão magnéticos que parecem ter lançado a técnica (e suas obrigações) na lata do lixo. Parecem não ter empenho, ter apenas iluminação.”

Alguns dias depois deste grande susto, os dois se encontraram no terraço do Hotel Miramar, em Copacabana, e aí tocaram juntos pela primeira vez. Não preciso dizer mais nada: eram parceiros. Vinicius arrastou Baden para seu apartamento em Laranjeiras e foi aí que os dois passaram três meses juntos, varando madrugadas, compondo, mergulhados no violão e no uísque. A vida de Baden mudou, virou de pernas pro ar. Até então, ele vivia tocando na noite, tinha apenas uma música gravada, o belo Samba triste, com Billy Blanco. Agora sua vida era invadida pelo ritmo apaixonado da vida do poeta. Depois da fase do apartamento, veio a da clínica: Vinicius estava internado para se recuperar de seus excessos e ligou para Baden, para que ele fosse lá e não esquecesse de levar, além do violão, uma  “garrafinha” de uísque  bem escondida. Mais tarde, Baden diria, gozando desta estória: “A estada de Vinicius na clínica produziu uma excelente safra de composições.”

Baden aproximou Vinicius do mundo do samba de raízes africanas, sem sofisticação. Sua grande inovação foi trazer a música de tradição negra para o universo sofisticado da Bossa Nova . “Baden não apenas africanizou Vinicius, ele o transportou para um mundo mais quente, mais contaminado por tradições e sentimentos atávicos – mais – bem mais incontrolável.”, diz Castello. Assim o poeta aliou o cotidiano com o cósmico, a tradição negra com as questões existenciais da Zona Sul. Falando dos afro-sambas, Vinicius disse: “ Essas antenas que Baden tem ligadas para a Bahia e, em última instância, para a África, permitiram-lhe realizar um novo sincretismo: carioquizar, dentro do espírito do samba moderno, o candomblé afro-brasileiro, dando-lhe uma dimensão mais universal.”


Canto de Ossanha, Baden e Vinicius, com Baden, Vinicius e Quarteto em Cy


Samba da Benção, gravação ao vivo, Au Bom Gourmet, Vinicius canta, João Gilberto no violão

Em 1963, Baden faz seu primeiro show internacional no Teatro Olympia em Paris e a partir daí vive entre o Brasil e a Europa. Mora um tempo em Paris, depois em Baden-Baden, na Alemanha. Neste  período consolidou sua parceira com o então jovem letrista Paulo César Pinheiro, com quem faria Lapinha, Qua quará quá quá (Vou deitar e rolar), É de lei, Refém da Solidão.

“Paulinho? Paulo César Pinheiro? Por incrível que pareça, eu morava na praça Pinto Peixoto, em São Cristóvão, depois mudei de lá, e muitos anos depois me apareceu o Paulinho lá em Olaria, um bairro do subúrbio do Rio de Janeiro. Nos conhecemos porque ele era parceiro de um primo meu. Por coincidência total, o Paulinho morava na mesma casa onde eu fui criado. Isso é um negócio do destino. Tinha um festival aqui em São Paulo e nós fizemos a primeira música juntos, foi a Lapinha.Tirou o primeiro lugar e daí começou tudo na vida do Paulinho. Depois eu fui embora para a Europa, mas fizemos muitas músicas”, conta Baden.

A televisão brasileira durante o período de 1965 até 1972 viveu seu grande momento de integração com a música popular brasileira. Programas como O Fino da Bossa, que Elis Regina apresentava semanalmente na TV Record, e Jovem Guarda, apresentado por Roberto Carlos tinham uma grande audiência. Baden participou inúmeras vezes do Fino da Bossa. Era também a época dos festivais. Em 1968, um grupo de prestigiados jornalistas, entre os quais Sérgio Porto, Sérgio Cabral e Lúcio  Rangel, propôs para a TV Record a realização de uma Bienal do Samba. O argumento era o seguinte: o samba, principal gênero da música popular brasileira ficava meio marginalizado nos festivais porque não seguia o padrão das canções que costumavam se apresentar neles. A I Bienal do Samba foi  então realizada. Ela era restrita a convidados escolhidos por uma comissão que tinha o intuito de garantir a presença das grandes figuras da velha guarda do samba. Da I Bienal participaram os veteranos Pixinguinha, Ismael Silva, Ataulfo Alves, Herivelto Martins, João de Barro, Cartola. A vencedora foi  Lapinha, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro, então com 19 anos e estreando como letrista e foi interpretada por Elis Regina. Lapinha é um afro-samba que conta a história de uma figura lendária da Bahia, o capoeira Valdemar de Tal, o “ Besouro” ou “ Cordão de Ouro”.

Nos anos 60, Baden se apresentou no Brasil e na Europa e registrou estes shows em vários discos. Eram gravações ao vivo, sem qualidade técnica, mas que documentam a maestria do violonista e a euforia do público. Na década de 90, voltou definitivamente para o Brasil, com a saúde já debilitada, e ainda assim continuou se apresentando. Baden Powell morreu no dia 26 de setembro de 2000, na cidade do Rio de Janeiro.

Sobre a genialidade e a dimensão do trabalho de Baden Powell, escreveu o maestro Júlio Medaglia: “Se na Europa, nos Estados Unidos ou em qualquer outra parte alguém for induzido a ouvir Baden pela sedução exótica de alguns de seus afro-sambas, se surpreenderá com a superdesenvolvida técnica de execução instrumental que ilustra aqueles ritmos primitivos. Se outros pretendem encontrar em Baden um curioso representante de um ‘país tropical’, que consegue transpor para um instrumento de cordas as batucadas fantásticas gravadas pelo Museu do Homem, irão se estarrecer mais uma vez com a endiabrada técnica de mão direita de seu violão, que executa complicadas figuras rítmicas inexistentes em nenhuma outra música popular do mundo. Da mesma maneira, irão se surpreender os amantes das canções lineares ao ouvirem um Apelo e identificarem uma melodia quase estática que se valoriza pelo desenrolar do complexo encadeamento harmônico que a suporta. Se outros quiserem, também, conhecer estilizações criativas de material folclórico, como o toque primitivo de um berimbau, deverão ouvir Baden”

Manhã de Carnaval – Luiz Bonfá, Antonio Maria com Baden Powell

Samba Triste – Baden e Billy Blanco

Berimbau, Baden e Vinicius com Marcell Powell, filho de Baden.

Eliete Negreiros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

3

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

4

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

6

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

8

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023