questões manuscritas

O sultão Napoleão joga o lenço

Mesmo passados mais de duzentos anos, certas mensagens manuscritas podem conservar um frescor e um imediatismo excepcionais. É o caso deste bilhete não assinado de 1796, na letra de Joséphine de Beauharnais, a jovem viúva de 33 anos que se tornaria  poucos anos depois imperatriz dos franceses, por obra e graça de seu segundo marido, Napoleão Bonaparte, autoproclamado imperador em 1804.

Pedro Corrêa do Lago
14ago2015_19h17

Mesmo passados mais de duzentos anos, certas mensagens manuscritas podem conservar um frescor e um imediatismo excepcionais. É o caso deste bilhete não assinado de 1796, na letra de Joséphine de Beauharnais, a jovem viúva de 33 anos que se tornaria  poucos anos depois imperatriz dos franceses, por obra e graça de seu segundo marido, Napoleão Bonaparte, autoproclamado imperador em 1804.

Joséphine era considerada , pois havia nascido na loginqua ilha da Martinica, no Caribe, onde casara com um oficial francês de família nobre. Tinha charme, sem ser especialmente bonita, nem culta, mas soube seduzir vários homens de seu tempo, especialmente aquele que tornaria o mais poderoso entre eles. O jovem general Bonaparte, seis anos mais moço, apaixonou-se perdidamente por Joséphine nesse mesmo ano. O bilhete em questão é dirigido a uma mademoiselle cujo nome a história parece ter esquecido, mas que obviamente era amiga intima da jovem . A futura imperatriz, então apenas uma mulher livre que tentava sobreviver com a magra pensão deixada por seu marido, combinara de jantar com sua amiga, mas pouco depois da partida dessa, recebeu a notícia de que era Napoleão quem desejava vê-la naquela mesma noite. A maneira com que Joséphine explica a situação à sua confidente é particulamente saborosa:

“Meu sultão veio me ver logo depois que você partiu. Jogou o lenço para hoje e com isso convidou-se para jantar. Como um tête-à-tête desse tipo não deve ser interrompido, peço-lhe adiar até amanhã seu jantar comigo.”

Na França da época fazia parte do conhecimento geral o hábito dos sultões orientais jogarem um lenço no chão em frente àquela entre as mulheres do harém com quem desejavam deitar-se, daí a expressão “jogar o lenço”. Joséphine extrapola a situação caracterizando seu amante de 27 anos como um potentado a quem nada se pode recusar. Ao final, comenta “Se quiser podemos amanhã sair às compras às dez horas. Creia, mademoiselle, em minha tenra amizade”.



  

Bilhetes deste tipo, para resolver situações imediatas, são por natureza efêmeros e raramente sobrevivem à lata de lixo. Este é especialmente raro e dá a plena medida do valor que Joséphine reconhecia na paixão que Napoleão nutria por ela (sem que ela pudesse, naturalmente, imaginar o fabuloso destino que seu “sultão” lhe reservava).

A cartinha ficou guardada numa importante coleção familiar francesa durante quase um século e meio, até ser leiloada no ano passado e adquirida por seu atual detentor.

Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Empate e luto no sertão

Numa cidade paraibana, dois candidatos a prefeito recebem o mesmo número de votos; vereador sofre infarto durante apuração

Foro de Teresina #127: Maré alta contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

5

Renan, o flexível

Em meio à crise, o presidente do Senado ora dá conselhos a Dilma, ora confabula com a oposição

6

A era dos supermarqueteiros

A prisão de João Santana reorganizará o mercado das campanhas eleitorais, que já opera de sobreaviso desde a proibição, no ano passado, do financiamento empresarial

8

Godard antissemita? (3)

Para Richard Brody, Nossa música, de 2004, “é um filme de preconceitos pré-guerra enfeitados com ressentimentos pós-guerra – e, como muitas outras coisas na história do antissemitismo, com frustrações pessoais.” Nada convence Brody do contrário, nem mesmo o “simbolismo pessoal” indicado por Godard em entrevistas citadas pelo próprio Brody na biografia “Everything is Cinema The Working Life of Jean-Luc Godard” (sem edição brasileira).

9

“Chegou sem vida” 

As últimas horas de Dennys Franco, uma das nove vítimas de Paraisópolis, até dar entrada morto no hospital